Você está aqui: Página Inicial > Educação > 2017 > 04 > Universidades públicas poderão cobrar por cursos de pós-graduação

Educação

Universidades públicas poderão cobrar por cursos de pós-graduação

Pós-graduação

Decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) garante às instituições o direito de cobrar taxas e mensalidades em cursos lato sensu
por Portal Brasil publicado: 26/04/2017 16h07 última modificação: 26/04/2017 16h19
Foto: Alexandra Martins/UnB Agência Como o caso tem repercussão geral, o julgamento vale para todo o sistema público do ensino superior

Como o caso tem repercussão geral, o julgamento vale para todo o sistema público do ensino superior

As universidades públicas poderão cobrar taxas e mensalidades por cursos de pós-graduação lato sensu, que têm caráter de especialização e, ao final, dão direito a um certificado, e não a um diploma, como no caso de mestrados e doutorados. A decisão foi tomada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quarta-feira (26), por 9 votos a 1.

A autorização foi concedida em um recurso da Universidade Federal de Goiás contra decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, que havia proibido a cobrança na instituição por curso de direito constitucional. O julgamento vale para todo o sistema público do ensino superior. Ao todo, 51 processos judiciais espalhados pelo Brasil estavam suspensos, aguardando o posicionamento do STF.

De acordo com avaliação do relator do tema, ministro Edson Fachin, as universidades são proibidas pela Constituição de cobrarem por atividades relacionadas à manutenção e ao desenvolvimento do ensino. Elas podem, todavia, considerar as especializações lato sensu como cursos de extensão, separadas das atividades principais e feitas em parceria com a sociedade civil, sendo, portanto, passíveis de cobrança.

“Nem todas as atividades potencialmente desempenhadas pelas universidades referem-se exclusivamente ao ensino”, disse Fachin em seu voto. “É possível às universidades, no âmbito de sua autonomia didático-científica, regulamentar, em harmonia com a legislação, as atividades destinadas preponderantemente à extensão universitária, sendo-lhes, nessa condição, possível a instituição de tarifa.”

Acompanharam o relator nove dos dez ministros presentes no julgamento: Alexandre de Moraes, Luiz Fux, Rosa Weber, Luís Roberto Barroso, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Cármen Lúcia. O único a divergir foi o ministro Marco Aurélio Mello. Celso de Mello não participou.

“Não se está obrigando a que seja gratuito ou não se está obrigando ao pagamento. Apenas se está permitindo, inclusive com a universidade podendo ter cursos de extensão gratuitos, em alguns casos, e cobrados, em outros casos”, destacou Cármen Lúcia.

Fonte: Portal Brasil, com informações da Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Acordo de cooperação vai estender ações do Criança Feliz
Parceria entre o governo associação de universidades particulares vai estender ações Programa Criança Feliz à primeira infância
Mais de 1,5 milhão se inscrevem no Encceja
Encceja é oportunidade para jovens que querem concluir os estudos. Aprovados recebem certificado de conclusão do ensino fundamental e médio
MEC abre edital para o programa Idiomas Sem Fronteiras
Seleção será para aulas presenciais das línguas alemã, espanhola, francesa, italiana, japonesa e de português como língua estrangeira
Parceria entre o governo associação de universidades particulares vai estender ações Programa Criança Feliz à primeira infância
Acordo de cooperação vai estender ações do Criança Feliz
Encceja é oportunidade para jovens que querem concluir os estudos. Aprovados recebem certificado de conclusão do ensino fundamental e médio
Mais de 1,5 milhão se inscrevem no Encceja
Seleção será para aulas presenciais das línguas alemã, espanhola, francesa, italiana, japonesa e de português como língua estrangeira
MEC abre edital para o programa Idiomas Sem Fronteiras

Últimas imagens

Manter média de três horas de estudo por dia é suficiente para realizar uma boa prova
Manter média de três horas de estudo por dia é suficiente para realizar uma boa prova
Arquivo/Gov. Mato Grosso
Domínio sobre assuntos da atualidade é cobrado na redação e nas questões objetivas do Enem
Domínio sobre assuntos da atualidade é cobrado na redação e nas questões objetivas do Enem
Arquivo/Ministério da Educação
Microbiologia, Parasitologia e Imunologia concentraram cursos com maiores notas
Microbiologia, Parasitologia e Imunologia concentraram cursos com maiores notas
Cecília Bastos/USP Imagens
Os cursos serão on-line e ofertados pelos núcleos de línguas das universidades federais e estaduais participantes do programa
Os cursos serão on-line e ofertados pelos núcleos de línguas das universidades federais e estaduais participantes do programa
Arquivo/Agência Brasil
Mais de 1,5 milhão de pessoas farão as provas: 301 mil para Ensino Fundamental e 1,2 milhão para Ensino Médio
Mais de 1,5 milhão de pessoas farão as provas: 301 mil para Ensino Fundamental e 1,2 milhão para Ensino Médio
Foto: Mariana Leal/ MEC

Governo digital