Você está aqui: Página Inicial > Esporte > 2012 > 04 > Informe-se sobre preparativos para os Jogos Olímpicos de 2016

Esporte

Informe-se sobre preparativos para os Jogos Olímpicos de 2016

Infraestrutura

Saiba como o Rio de Janeiro está se preparando para sediar a maior competição esportiva mundial
por Portal Brasil publicado: 29/04/2012 18h00 última modificação: 28/07/2014 17h00
Divulgação Logomarca dos Jogos Olímpicos do Rio

Logomarca dos Jogos Olímpicos do Rio

Desde outubro de 2009, quando foi anunciado como sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016, o Rio de Janeiro (RJ) se prepara para receber atletas e visitantes no maior evento esportivo do planeta, a ser realizado pela primeira vez na América do Sul.

A cidade passará por uma profunda transformação urbana e social: serão priorizadas as construções de vias expressas, túneis e moradia, linhas de BRT (sigla para Bus Rapid Transit,   corredor exclusivo de ônibus) e revitalização da zona portuária.

Graças às realizações, em anos anteriores, dos Jogos Pan-Americanos e Parapan-Americanos (2007), Jogos Mundiais Militares (2011) e também da Copa do Mundo de 2014, a cidade não terá de sair do zero para ser o centro do mundo esportivo em agosto de 2016. Na Vila Olímpica e Paralímpica, por exemplo, apenas 26% das instalações precisarão ser construídas.

Confira a seguir como o Rio de Janeiro está se preparando para sediar a Olimpíada de 2016.

Vilas

Os Jogos Olímpicos de 2016 contarão com duas vilas para hospedar esportistas e profissionais da mídia que trabalharão no Rio de Janeiro.

A Vila Olímpica e Paralímpica começa a ser construída em 2012 e tem entrega prevista para 2015, um ano antes dos jogos. Serão 48 prédios de 12 andares com capacidade de acomodação total de 17.700 pessoas. O terreno da futura moradia dos atletas está próximo do Parque Olímpico, o principal local de competições.

O Parque dos Atletas, no bairro do Recreio, abrigará além da Vila Olímpica e Paralímpica,  uma área de lazer para os esportistas. Aliás, esta foi a primeira instalação com a grife Rio-2016 já entregue e disponível para uso da população antes mesmo de se tornar um legado dos Jogos. Desde março de 2012 os cariocas podem utilizar o espaço para práticas esportivas.

Além da Vila Olímpica e Paralímpica, profissionais de mídia e os árbitros que participarão do evento também contarão com suas respectivas vilas. Localizadas na zona portuária do Rio de Janeiro (área que será revitalizada com os Jogos), a Vila de Mídia e a Vila de Árbitros totalizarão 1.800 apartamentos divididos pelos novos 16 prédios erguidos. Depois da Olimpíada, as unidades serão vendidas para servidores públicos municipais.

Outras duas vilas serão construídas para a realização dos Jogos e, posteriormente, terão como destino a população carioca. A Vila Verde, no bairro de Deodoro (uma das quatro zonas que receberão os Jogos), irá abrigar oficiais técnicos e pessoal de apoio aos patrocinadores.  A Vila Maracanã, no bairro homônimo (e também uma das zonas de disputa) será destinada aos técnicos oficiais dos jogos.

Transportes

O Rio de Janeiro sediará não somente as Olimpíadas de 2016, mas também a Copa do Mundo de 2014. A magnitude e importância destes eventos mostraram a necessidade de uma reestruturação no transporte coletivo municipal. As competições serão realizadas em quatro regiões (Copacabana, Maracanã, Barra da Tijuca e Deodoro), e as obras interligarão e facilitarão o deslocamento de atletas, turistas e moradores. Conheça as principais:

Transoeste: Corredor expresso para ônibus que, com nove pontos de integração a outros meios de transporte, deverá beneficiar até 220 mil passageiros por dia. A via ligará a Barra da Tijuca a Santa Cruz e Campo Grande, terá 56 km de extensão e 53 estações de BRT. Ao todo, a obra reformará 255 mil metros quadrados de asfalto, implantará outros 522 mil metros quadrados, e instalará 3.650 novos pontos de luz. A expectativa é que as obras sejam entregues em 2012, reduzindo o tempo médio de viagem pelos bairros pela metade.

Transcarioca: Integrada ao BRT Transoeste, metrôs e terminais rodoviários, a Transcarioca é um corredor expresso que vai conectar a Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional Tom Jobim. Serão 41 km de extensão, 46 de estações de BRT e 13 bairros interligados. A obra, que tem previsão de entrega para 2014, prevê uma redução de até 60% no tempo do trajeto, beneficiando 400 mil pessoas.

Transolímpica: Considerada a maior obra do Rio de Janeiro nos últimos 30 anos, esta via de 26 km encurtará o deslocamento dos atletas entre as instalações dos Jogos Olímpicos de 2016, ligando o Recreio dos Bandeirantes a Deodoro. A linha de BRT Transolímpica, diferentemente da Transoeste e Transcarioca, também será utilizada por carros e não terá cruzamentos ou sinais. Além de beneficiar o transporte de 400 mil pessoas, a via promoverá a urbanização em todo seu entorno. Pedestres poderão contar com travessia prioritária, calçadas largas, ciclovias e bicicletários nas estações. 

Porto Maravilha
Um dos destaques do projeto olímpico carioca é a revitalização da zona portuária do Rio de Janeiro. Além das Vila de Mídia (destinada à imprensa escrita e também ás emissoras detentoras do direito de transmissão) e dos Árbitros, o local contará com outros instalações como Centro de Mídia Não Credenciada, Centro Principal de Operações (MOC), Centro Operacional de Tecnologia (TOC), Centro de Distribuição de Uniformes (UAC) e Centro Principal de Credenciamento (MAC).

Dentro do projeto de revitalização estão incluídas também a criação de espaços de cultura, educação e entretenimento, além da demolição de parte de um trecho da via elevada Perimetral, a  construção de 4km de túneis e viadutos,a  reurbanização de ruas e implantação de redes de serviços como água, esgoto, telefone e gás.

Equipamentos olímpicos

A cidade do Rio de Janeiro será dividida em quatro zonas que irão receber as competições das 28 modalidades olímpicas: Barra de Tijuca, Maracanã, Copacabana e Deodoro. Outras quatro cidades (Belo Horizonte, Brasília, Salvador e São Paulo) servirão como apoio para a disputa do futebol olímpico.

Ao todo são 34 instalações olímpicas: 18 já estão prontas, nove ficarão de legado para os habitantes e as outras sete serão temporárias, construídas, usadas e desmontadas após os Jogos de 2016.

A Barra da Tijuca receberá a maioria das instalações. É lá que ficará o Parque Olímpico do Rio, o principal local de disputas e casa de 20 esportes olímpicos. A Arena Olímpica, o Centro Aquático Maria Lenk e o Velódromo Olímpico, construídos para os Jogos Pan-Americanos de 2007, serão reaproveitadas. O Riocentro, o principal centro de exposições e convenções da cidade, terá alguns de seus pavilhões adaptados para a disputa de esportes como boxe, tênis de mesa, badminton, halterofilismo e levantamento de peso.

No Parque Olímpico ficará o principal legado esportivo dos Jogos de 2016: o Centro Olímpico de Treinamento (COT). Depois da cerimônia de encerramento da Paralimpíada, a estrutura dos quatro halls construídos para receber as disputas de basquete, rugby em cadeira de rodas, judô, taekwondo, bocha (paraolímpica), lutas, vôlei sentado, handbol e goalball paraolímpico se juntará ao Estádio Olímpico de Desportos Aquáticos, aos Centros Olímpicos de Tênis e Hóquei,  ao Centro Aquático Maria Lenk e ao Velódromo Olímpico para formar a área de 40 mil m² de espaço coberto que terá como principal função formar e desenvolver os nossos atletas.

A segunda zona de disputa será o Maracanã. Nesta região serão utilizados equipamentos já prontos e que passarão por reformas para se adequar aos Jogos. Além do estádio homônimo, palco das cerimônias de abertura , de encerramento e do futebol, a região contará com o Estádio João Havelange (atletismo), o Ginásio do Maracanãzinho (vôlei), o Sambódromo (tiro com arco e maratona) e o Estádio São Januário (futebol de 7).

Os esportes de praia serão disputados em Copacabana. O vôlei de praia, por exemplo, terá uma arena construída temporariamente no cartão postal da cidade para a sua disputa. A maratona aquática terá sua largada no Forte de Copacabana. Próximo à região fica a Lagoa Rodrigo de Freitas,que  receberá investimentos temporários e permanentes (como reformas e melhorias na lagoa) para ser a instalação do remo e da canoagem.  Compõem esta zona de disputa a Marina da Glória (vela) e o Parque do Flamengo (atletismo e ciclismo).

A Região de Deodoro receberá sete esportes olímpicos. Assim como no Parque Olímpico, as instalações erguidas ou reformadas da região, como a Arena Deodoro, o Centro Nacional de Hipismo e o Centro Nacional de Tiro e o  Parque de Pentatlo Moderno formarão o Centro Olímpico de Treinamento local. Além desses espaços, Deodoro será local também do Parque Radical, o núcleo de esportes radicais olímpicos. O fato de a região contar com uma grande quantidade de jovens foi decisivo para que o bairro se tornasse sede do Centro Olímpico de BMX, o Parque Olímpico de Mountain Bike e o Estádio Olímpico de Canoagem Slalom. Após os jogos essas instalações ficarão como legado para uso dos habitantes locais.

Para saber mais sobre orçamentos e cronogramas visite a capa especial do Rio-2016 do Portal da Transparência

Fontes:
Transparência Olímpica
Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 
Cidade Olímpica 







Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Olimpíadas 2016 podem impulsionar viagens para todo o País
Além da capital fluminense, várias cidades brasileiras também recebam turistas
Itamaraty prepara recepção de autoridades e turistas
País receberá Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro
Integração vai nortear serviços de saúde no Rio 2016
Ministro Arthur Chioro faz um balanço das atividades de preparação da pasta para o torneio esportivo
Além da capital fluminense, várias cidades brasileiras também recebam turistas
Olimpíadas 2016 podem impulsionar viagens para todo o País
País receberá Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro
Itamaraty prepara recepção de autoridades e turistas
Ministro Arthur Chioro faz um balanço das atividades de preparação da pasta para o torneio esportivo
Integração vai nortear serviços de saúde no Rio 2016

Últimas imagens

Serão vendidos 7,5 milhões de ingressos
Serão vendidos 7,5 milhões de ingressos
Ciclista Lauro Chaman: “tentamos dar o nosso melhor para representar o Brasil”
Ciclista Lauro Chaman: “tentamos dar o nosso melhor para representar o Brasil”
Divulgação/Brasil 2016
Seleção Brasileira masculina de Rúgbi durante amistoso no Rio de Janeiro, em 2014
Seleção Brasileira masculina de Rúgbi durante amistoso no Rio de Janeiro, em 2014
Divulgação/Brasil 2016
Melhores colocações no Campeonato Brasileiro garantirão suas vagas para o mundial do Canadá
Melhores colocações no Campeonato Brasileiro garantirão suas vagas para o mundial do Canadá
Divulgação/Ministério do Esporte
Maciel Santos é o mais experiente jogador de bocha do Brasil
Maciel Santos é o mais experiente jogador de bocha do Brasil
Divulgação/Brasil 2016

Governo digital