Você está aqui: Página Inicial > Esporte > 2013 > 11 > Seleção Brasileira fecha 2013 com vitória sobre o Chile

Esporte

Seleção Brasileira fecha 2013 com vitória sobre o Chile

Amistoso

Equipe de Luiz Felipe Scolari venceu a seleção chilena por 2 a 1, com gols de Hulk e Robinho
por Portal Brasil publicado: 20/11/2013 12h05 última modificação: 30/07/2014 00h15
Rafael Ribeiro / CBF Brasil começou o jogo em ritmo acelerado, buscando o ataque a todo custo

Brasil começou o jogo em ritmo acelerado, buscando o ataque a todo custo

Na despedida de 2013, a Seleção Brasileira saiu de cena com mais uma vitória. Dessa vez, mesmo não jogando o tempo todo de maneira brilhante – o gramado ruim atrapalhou  -  mostrou autoridade suficiente para derrotar o Chile por 2 a 1, com gols de Hulk e Robinho.

Mais importante que o resultado, no entanto, foi a certeza de que a Seleção Brasileira que conquistou de maneira brilhante a Copa das Confederações encerra o ano rumo à Copa do Mundo com um time muito bem treinado e preparado dentro e fora de campo para buscar o objetivo maior que é o hexacampeonato mundial. 

Ademais, a seleção que o Brasil teve pela frente no bonito Rodgers Centre Toronto não era um adversário qualquer: o Chile vinha de empate contra Espanha e vitória sobre Inglaterra, além de estar jogando bem e classificado para a Copa do Mundo de 2014.

Ainda assim, em sinal de respeito ao Brasil, o técnico Jorge Sampaoli armou seu time com preocupação mais defensiva, Não deu certo.

O Brasil começou o jogo em ritmo acelerado, buscando o ataque a todo custo - com um minuto, Neymar já tinha experimentado um chute perigoso  - e envolvendo o adversário com toques rápidos e precisos, sempre em busca do caminho do gol.

Que não custou a aparecer. Muito graças ao zagueiro Gonzáles, ao errar o passe na saída de bola, entregando-a para Oscar. Daí para Hulk. livre na área - os zagueiros chilenos tinham se adiantado - e o chute potente e indefensável: Brasil 1 a 0.

Parecia que o jogo se encaminharia naturalmente a favor do Brasil. Percebendo que sua equipe estava inteiramente dominada, o técnico do Chile trocou um zagueiro por Valdivia e o time ganhou em técnica no meio-campo.

O jogo passou então a ficar equilibrado. A Seleção Brasileira já não encontrava os caminhos para fazer a bola chegar ao ataque com a mesma facilidade, errando também alguns passes, o que encorajou o Chile a tentar fazer sua parte e a incomodar um pouco a defesa brasileira.  

Felipão trocou logo no início do segundo tempo Jô por Robinho. Não por isso, o time caiu de rendimento, passando 15 minutos sem se encontrar, errando as jogadas mais simples , o que levou Felipão a fazer mais duas substituições: entraram Wiliam e Ramires, saíram Oscar e Hulk.

O que Felipão não esperava era o gol de empate do Chile. Em jogada que começou com um chutão do goleiro Claudio Bravo, a bola em uma dividida pelo alto sobrou para Vargas - o atacante pegou Julio Cesar sem chance de defesa com um chute muito bem colocado.

O Chile não sabia o que o esperava a partir do ensaio da reação. A Seleção Brasileira se entregou de vez ao jogo, passou a atuar com mais rapidez e objetividade e voltou a tomar conta da partida. Neymar quase faz um gol de craque, depois de dar dois lençóis seguidos no goleiro, Robinho fez o dele, anulado por impedimento, mas a vitória passou a ser aí uma questão de tempo.

Que veio através do jogador que se transformou no algoz dos chilenos. Robinho, que já marcara oito vezes no adversário, escorou de cabeça um belo cruzamento de Maicon e botou o Brasil de novo em vantagem: 2 a 1. Foi então o nono gol de Robinho sobre o Chile, uma marca expressiva, superando nada mais nada menos que Pelé, o brasileiro que mais marcara contra o time andino - oito vezes.

O segundo gol animou de vez a Seleção Brasileira. O time continuou pressionando, agora exibindo toda a sua técnica, esteve perto de marcar o terceiro, mas terminou o jogo com a vitória merecida e assegurada - Robinho ainda quase fez mais um gol em belo lance. Que venham agora 2014 e a Copa do Mundo.  

A Seleção Brasileira jogou com Julio Cesar, Maicon, Thiago Silva (Dante), David Luiz e Maxwell; Luiz Gustavo, Paulinho (Hernanes), Oscar (William); Hulk (Ramires), Jô (Robinho) e Neymar (Lucas Leiva).

Fonte:
Confederação Brasileira de Futebol 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Programa Forças no Esporte comemora Dia das Crianças
Iniciativa do Ministério da Defesa, em parceria com outros ministérios, leva para as crianças atividades esportivas, lazer e aulas de reforço no período do contra turno escolar
Publicação analisa impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo
Publicação lançada no Rio de Janeiro discute os impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo. O livro, que reúne 145 autores de 70 universidades, será publicado em formato digital e oferecido gratuitamente
Inscrições para o Bolsa Atleta terminam em 6 de setembro
Cerca de 23 mil esportistas já foram patrocinados pelo programa do governo federal
Iniciativa do Ministério da Defesa, em parceria com outros ministérios, leva para as crianças atividades esportivas, lazer e aulas de reforço no período do contra turno escolar
Programa Forças no Esporte comemora Dia das Crianças
Publicação lançada no Rio de Janeiro discute os impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo. O livro, que reúne 145 autores de 70 universidades, será publicado em formato digital e oferecido gratuitamente
Publicação analisa impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo
Cerca de 23 mil esportistas já foram patrocinados pelo programa do governo federal
Inscrições para o Bolsa Atleta terminam em 6 de setembro

Últimas imagens

Rebeca Andrade é uma das ginastas do time feminino que representa o Brasil na competição
Rebeca Andrade é uma das ginastas do time feminino que representa o Brasil na competição
Foto: Danilo Borges/Ministério do Esporte
Jogos Escolares são maior celeiro de atletas olímpicos do País
Jogos Escolares são maior celeiro de atletas olímpicos do País
Foto: Rogério Vital/Ministério do Esporte
Martins tornou-se o segundo brasileiro com mais medalhas em Universíades
Martins tornou-se o segundo brasileiro com mais medalhas em Universíades
Divulgação/CBDU
Atleta terminou a prova com o tempo de 3m52s542
Atleta terminou a prova com o tempo de 3m52s542
Divulgação/Federação Int. de Canoagem
Henrique Martins, da natação, ficou em terceiro lugar nos 100 metros borboleta – a décima medalha brasileira no torneio
Henrique Martins, da natação, ficou em terceiro lugar nos 100 metros borboleta – a décima medalha brasileira no torneio
Divulgação/CBDU

Governo digital