Você está aqui: Página Inicial > Esporte > 2014 > 01 > DF capacita vigilantes para atuar na segurança do estádio

Esporte

DF capacita vigilantes para atuar na segurança do estádio

Copa

Meta é ter pelo menos três mil profissionais preparados para orientar o público no Mané Garrincha e na Fan Fest durante a Copa
por Portal Brasil publicado: 28/01/2014 16h54 última modificação: 30/07/2014 02h52
Danilo Borges/Portal da Copa Grupo, formado por 60 alunos, passou por 50 horas de aulas teóricas

Grupo, formado por 60 alunos, passou por 50 horas de aulas teóricas

A pouco mais de quatro meses do início da Copa do Mundo, a primeira turma de vigilantes de 2014 finalizou o Curso de Segurança para Grandes Eventos no Distrito Federal nesta segunda-feira (27). Eles atuarão como stewards – profissionais responsáveis pela segurança interna e assistência ao público nos estádios. Durante o Mundial, serão contratados pela própria Fifa. O grupo, formado por 60 alunos, passou por 50 horas de aulas teóricas e encerrou o curso com uma visita por áreas estratégicas do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha.

“Além de capacitar essa mão de obra e criar emprego e renda, vamos unir esforços às forças de segurança e dar mais tranquilidade ao público”, afirmou o coordenador de segurança da Secretaria Extraordinária da Copa 2014 (Secopa), coronel Lima Filho. A qualificação dos stewards foi feita por uma instituição especializada a pedido das empresas privadas de segurança.

A meta é que, até junho, a capital tenha três mil homens e mulheres da área de segurança privada para atender à demanda de 900 a 1.000 stewards para cada um dos sete jogos que serão realizados na arena multiuso. Esses profissionais também atuarão na Fifa Fan Fest, área onde haverá transmissão das partidas em telões e shows. Entre as funções dos stewards estão o atendimento ao público e a intervenção em pequenos conflitos. “É um legado que servirá não apenas para a Copa, mas para outros eventos na cidade”, comentou Lima Filho.

Gerenciamento de multidões

Áreas de segurança, arquibancadas, posto médico, vestiários, locais de desembarque de autoridades, sala de comando e controle de câmeras e gramado foram alguns dos locais percorridos pelos vigilantes no estádio. Eles entenderam o funcionamento desses ambientes e simularam pequenas situações, como o posicionamento à beira do campo para evitar invasões.

Antes da parte prática, eles aprenderam conteúdos como controle de acessos, gerenciamento de multidões, condução de emergências e legislações como o Estatuto do Torcedor. O curso é uma exigência da Polícia Federal para profissionais da segurança privada que irão atuar em grandes eventos. A obrigatoriedade foi estabelecida pela Portaria nº 3.258, de 14/01/2013.

A turma que concluiu o curso foi qualificada pelo Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Vigilantes Spartacus, credenciado pela Polícia Federal e pela Secretaria de Segurança Pública. "A iniciativa das empresas de buscar mais qualificação para os vigilantes é essencial para o sucesso dos grandes eventos e também por uma segurança mais eficiente e especializada", afirmou Paulo Abreu, diretor executivo da empresa.

Diferencial no currículo

Vigilante desde 1993, Jules Rodrigues, 43 anos, quer repetir a experiência que teve como steward na abertura da Copa das Confederações, em 15 de junho do ano passado. Ele atuou no portão externo do Mané Garrincha, revistando o público com detectores de metal. “Foi tudo tranquilo: o acesso, o contato com brasileiros e turistas de fora do país”, relembrou.

Adriana Gomes é profissional da segurança privada há nove anos e espera ter a primeira experiência em um megaevento. Aos 39 anos, ela investiu no curso para se firmar na área. “Estou trabalhando como freelancer e acredito que o conhecimento que ganhei aqui, com 100% de aproveitamento, pode ser minha chance de trabalhar na Copa. É um diferencial para uma vaga no mercado de trabalho”, avaliou.

Para o coronel Lima Filho, mesmo com o bom desempenho na Copa das Confederações e as boas perspectivas para 2014, é preciso dar continuidade aos treinamentos nessa área. “Tivemos resultados positivos, mas estamos sempre em busca de melhorias nos procedimentos. Não podemos nos acomodar e vamos continuar evoluindo”, ressaltou o coordenador de segurança da Secopa.

Fonte:
Portal da Copa

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Caio Sena conta como se prepara para Olimpíadas no Brasil
Conheça a história de Caio Sena. Aos 24 anos, o atleta de marcha atlética qualificado para as Olimpíadas Rio 2016, vive o sonho de disputar os jogos no Brasil.
Jogos Paralímpicos | Shirlene Coelho
A jogadora paralímpica de lançamento de dardos, discos e arremesso de peso, Shirlene Coelho, comenta a importância do esporte em sua vida
Olimpíadas 2016 podem impulsionar viagens para todo o País
Além da capital fluminense, várias cidades brasileiras também recebam turistas
Conheça a história de Caio Sena. Aos 24 anos, o atleta de marcha atlética qualificado para as Olimpíadas Rio 2016, vive o sonho de disputar os jogos no Brasil.
Caio Sena conta como se prepara para Olimpíadas no Brasil
A jogadora paralímpica de lançamento de dardos, discos e arremesso de peso, Shirlene Coelho, comenta a importância do esporte em sua vida
Jogos Paralímpicos | Shirlene Coelho
Além da capital fluminense, várias cidades brasileiras também recebam turistas
Olimpíadas 2016 podem impulsionar viagens para todo o País

Últimas imagens

Ciclista Raiza Goulão saiu da 29ª posição para o 18º lugar
Ciclista Raiza Goulão saiu da 29ª posição para o 18º lugar
Presidenta parabenizou o desempenho da delegação brasileira nos Jogos de Toronto e disse que os bons resultados comprovam o sucesso do programa
Presidenta parabenizou o desempenho da delegação brasileira nos Jogos de Toronto e disse que os bons resultados comprovam o sucesso do programa
Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
Lutadora é uma das 6.335 atletas do País que contam com recursos da maior ação de patrocínio a atletas
Lutadora é uma das 6.335 atletas do País que contam com recursos da maior ação de patrocínio a atletas
Divulgação/ Ministério do Esporte
“O Bolsa Atleta está fazendo dez anos e eu estou fazendo dez anos junto, com ele pude me manter no esporte,” conta Davi
“O Bolsa Atleta está fazendo dez anos e eu estou fazendo dez anos junto, com ele pude me manter no esporte,” conta Davi
RafaB/Blog do Planalto
"A bolsa foi fundamental para eu decidir ser atleta", afirma Joice Silva, atleta da luta olímpica
"A bolsa foi fundamental para eu decidir ser atleta", afirma Joice Silva, atleta da luta olímpica
RafaB/ Blog do Planalto

Governo digital