Você está aqui: Página Inicial > Esporte > 2014 > 03 > Canoagem brasileira domina o pódio dos Jogos Sul-Americanos

Esporte

Canoagem brasileira domina o pódio dos Jogos Sul-Americanos

Jogos Sul-Americanos

Nivalter dos Santos conquista o tricampeonato no C1 200m. Brasil subiu ao pódio 11 vezes na modalidade de velocidade
por Portal Brasil publicado: 14/03/2014 17h52 última modificação: 30/07/2014 02h42
Wander Roberto/Inovafoto/COB  Brasil conquistou 11 medalhas na canoagem velocidade durante os Jogos Sul-Americanos do Chile

Brasil conquistou 11 medalhas na canoagem velocidade durante os Jogos Sul-Americanos do Chile

Chegaram ao fim, nesta sexta-feira (14), as provas de canoagem velocidade dos Jogos Sul-Americanos Santiago 2014. Foram três dias de competições e doze regatas disputadas na Lagoa Curauma, na região de Valparaíso. Para o Brasil, o evento continental terminou com saldo extremamente positivo. A bandeira verde e amarela esteve presente em 11 pódios. Foram cinco medalhas de ouro, cinco de prata e uma de bronze para o País. Apenas no K1 200m feminino, o Brasil não conquistou medalha. A Argentina ficou com um total de oito medalhas. No último dia de provas, foram mais dois ouros, uma prata e um bronze para a canoagem nacional.

Uma das medalhas douradas do dia foi de Nivalter dos Santos, que conquistou o terceiro ouro consecutivo em Jogos Sul-Americanos no C1 200m. Os outros haviam sido em Medellín 2010 e Buenos Aires/ Mar del Plata 2006, competição esta que o fez despontar no cenário esportivo. Nesta edição chilena do evento, o brasileiro de 26 anos, finalista do último Campeonato Mundial, onde ficou na quinta colocação, alcançou o tempo de 37s971. A prata ficou com o chileno Alvaro Torres, com 39s617, e o bronze com Andres Lazo, da Venezuela, com 40s229. Nivalter, que junto com Isaquias Queiroz e a dupla Erlon e Ronilson, treinam com o espanhol Jesús Morlán e formam a tropa de elite da canoagem brasileira, comemorou mais uma conquista na competição. "A prova foi boa, puxada. Nos 200m qualquer erro pode custar a vitória. O que acontecia comigo antes era de largar bem e cansar no final. Agora estou conseguindo melhorar mais esse final. Me lembro dos outros campeonatos e hoje sou tricampeão dos Jogos Sul-Americanos. Essa medalha para mim me deixa bem feliz mesmo", festejou Nivalter, atleta natural da cidade de Capela (SE).

O segundo ouro do dia foi de um veterano do caiaque, mas que continua em plena forma, dominando o K1 200m no continente. Edson Isaias tem 31 anos e faz parte da geração de Sebástian Cuattrin, um dos maiores vencedores da história da modalidade no País e referência para Edson. O gaúcho de Guaíba chegou na frente com o tempo de 33s101, seguido de Cesar de Cesare, do Equador, com 33s241, e Ruben Rezola, da Argentina, com 33s640. Remando na raia oito, Edson saiu atrás na prova, mas se recuperou nos metros finais. "A largada não foi muito boa, mas o positivo é que mantive a intensidade enquanto os outros caíram e aí conquistei o ouro para o Brasil. Este resultado é muito importante para mim, pois posso conseguir mais apoio para conseguir conquistar uma vaga para os Jogos Olímpicos Rio 2016, que é o objetivo de todo atleta", destacou Edson, que também foi prata no K2 200m ao lado de Hans Mallmann, com o tempo de 31s682.

A outra medalha brasileira do dia foi o bronze de Valdenice Conceição no C1 200m, com o tempo de 48s773.

Fonte:
Brasil 2016

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Daniel Dias fala sobre importância do Bolsa Atleta
Daniel Dias, maior atleta paralímpico do Brasil, fala sobre sua carreira e a importância do Programa Bolsa Atleta para a sua sua trajetória no esporte
Representantes da Rio 2016 fazem balanço da Paralimpíada
Representantes do Governo Federal, da Rio 2016 e do Comitê Paralímpico Internacional comentam os resultados do País ao sediar os Jogos Paralímpicos Rio 2016
Comitê Paralímpico faz homenagem a atletas
Após a melhor campanha em quantidade de medalhas da história da delegação brasileira, os atletas da delegação nacional receberam uma homenagem do Comitê Paralímpico Brasileiro
Daniel Dias, maior atleta paralímpico do Brasil, fala sobre sua carreira e a importância do Programa Bolsa Atleta para a sua sua trajetória no esporte
Daniel Dias fala sobre importância do Bolsa Atleta
Representantes do Governo Federal, da Rio 2016 e do Comitê Paralímpico Internacional comentam os resultados do País ao sediar os Jogos Paralímpicos Rio 2016
Representantes da Rio 2016 fazem balanço da Paralimpíada
Após a melhor campanha em quantidade de medalhas da história da delegação brasileira, os atletas da delegação nacional receberam uma homenagem do Comitê Paralímpico Brasileiro
Comitê Paralímpico faz homenagem a atletas

Últimas imagens

No total, 13 atletas brasileiros garantiram índices para o Mundial de Natação Paralímpica
No total, 13 atletas brasileiros garantiram índices para o Mundial de Natação Paralímpica
Daniel Zappe/CPB
Brasil marca presença nas competições aquáticas com 12 medalhistas; entre eles, Daniel Dias
Brasil marca presença nas competições aquáticas com 12 medalhistas; entre eles, Daniel Dias
Foto: Francisco Medeiros/Min. do Esporte
Na edição anterior, o time brasileiro liderou o quadro de medalhas com 209 pódios, sendo 102 de ouro
Na edição anterior, o time brasileiro liderou o quadro de medalhas com 209 pódios, sendo 102 de ouro
Divulgação/Prefeitura de Itajaí
Ainda no sábado (21), as oitavas de final contarão com outras três partidas
Ainda no sábado (21), as oitavas de final contarão com outras três partidas
Divulgação/CBHb
Uma das presenças que compõem equipe é a do armador direito, José Guilherme de Toledo
Uma das presenças que compõem equipe é a do armador direito, José Guilherme de Toledo
Divulgação/Conf. Brasileira de Handebol

Governo digital