Você está aqui: Página Inicial > Esporte > 2014 > 04 > Fifa mostra um pouco da história Torneio Juvenil Blue Stars

Esporte

Fifa mostra um pouco da história Torneio Juvenil Blue Stars

Futebol

Time Atlético Paranaense é o representante brasileiro da edição dos jogos neste ano. Evento será na Suíça, nos dia 28 e 29 de maio
por Portal Brasil publicado: 14/04/2014 18h15 última modificação: 30/07/2014 02h44

Às vésperas do pontapé inicial da 76ª edição do Torneio Juvenil Fifa/Blue Stars, que será disputada nos dias 28 e 29 de maio em Zurique, na Suíça, o Fifa.com conta um pouco sobre as mais de sete décadas de história da competição.

No especial da entidade internacional, o leitor fica por dentro da história do torneio, sobre quais foram os clubes que brilharam no alto do pódio e as equipes desconhecidas que já participaram do campeonato. Neste ano, o Atlético Paranaense é o representante brasileiro nos jogos.

Supremacia inglesa

O Manchester United é o recordista absoluto em títulos da competição Suíça. Foram 18 troféus desde 1939, incluindo um tetracampeonato entre 1959 e 1962, e cinco bicampeonatos (1968/1969, 1975/1976, 1978/1979, 1981/1982 e 2004/2005). Entre 1982 e 2004, porém, os Diabos Vermelhos passaram 22 anos sem gritar campeão.

O segundo clube mais vitorioso, ainda que com apenas seis títulos, é o Grasshopper. O sucesso da equipe de Zurique no torneio juvenil teve início com um triunfo já na primeira edição, em 1939, e invadiu o novo século com a mais recente conquista, em 2006.

Tradição Suíça

Os donos da casa não venceram apenas com o Grasshopper. O FC Zurich, atual campeão, também levou a bandeira Suíça ao lugar mais alto do pódio em 1946, 1949, 2008 e 2012. O Young Fellows também foi tricampeão em 1941, 1942 e 1953, antes de se fundir com outro clube em 1992, enquanto o Basel ergueu a taça em 1997 e 2009. Vale destacar ainda os títulos do Oerlikon, em 1945, e do Winthertur, em 1940, dois clubes que dificilmente tiveram alguma outra glória no cenário internacional.

São Paulo entre os bicampeões

Além do Manchester United, com os seus 18 títulos, a lista das equipes estrangeiras que já fizeram a festa em solo suíço é engrossada pelo Barcelona, tricampeão consecutivo em 1993, 1994 e 1995. Em seguida vem um pelotão de grandes clubes com duas vitórias cada: Boca Juniors (2002 e 2010), Spartak de Moscou (1991 e 1992), Milan (1958 e 1977), Arsenal (1963 e 1964), São Paulo (1999 e 2000), Roma (1980 e 2003) e Áustria (1947 e 1948).

Maioria helvética

Quanto ao número de participações no Torneio Juvenil Fifa/Blue Stars, os suíços levam evidente vantagem em relação ao resto do mundo. Nada menos que 71 equipes do futebol helvético já pisaram nos gramados da tradicional competição, incluindo vários times verdadeiramente pequenos. Desta lista, podemos citar Nordstern, Töss, Wipkingen, Chênois, Solothurn e Seefeld.

Diversidade planetária

Uma das maiores virtudes da competição, no entanto, é abrir as portas a participantes de todos os cantos do mundo, costume que vem desde a criação do evento. O resultado é sempre uma interessante mistura entre equipes exóticas e clubes de renome. Dentre os mais incógnitos competidores, recordamos o chinês Guoan, o dinamarquês Nyköbing, o kosovar Flamurtari, o norueguês Vestfold, o israelense Hapoel de Ramat Gan, o sérvio Radnicki de Kragujevac, e o WYNRS, da Nova Zelândia.

Países conhecidos, times excêntricos

Mesmo entre os países mais tradicionais do planeta bola encontramos um histórico de times extravagantes. A Alemanha, por exemplo, já enviou o Konstanz e o Spandau de Berlim, ao passo que a Itália foi representada por Mantova, Fedit de Roma, Alessandria, Virtus Bolzano e Triestina. Curioso ainda é o fato de que a cidade de Estrasburgo, na França, já esteve presente com três clubes diferentes: o Strasbourg, o Auswahl e o Racing.

Outros times desconhecidos no cenário internacional que tiveram a chance de participar do torneio foram o brasileiro Caxias, do Rio Grande do Sul, e o belga Daring. Já o prêmio de nome mais engraçado vai para os ganeses do Mysterious Dwarfs, que significa "anões misteriosos". No ano passado, a honra ficou com o Tout Puissant Mazembe ("Todo Poderoso Mazembe"), famoso clube da República Democrática do Congo.

História

O Blue Stars Futebol Clube foi criado no ano de 1898 e desde então se tornou um dos clubes mais tradicionais de Zurique. Em 1921, a equipe foi a primeira da Suíça a contar com um departamento juvenil. Em mais uma atitude pioneira para o desenvolvimento das categorias de base, o clube criou o Torneio Blue Stars em 1938.

No início, os idealizadores do torneio precisaram de muita persuasão para convencer a cética diretoria do clube. Mas hoje em dia a iniciativa se tornou um dos torneios de futebol juvenil mais tradicionais do planeta.

Muitos jogadores que vieram a se tornar grandes astros do futebol mundial já participaram do torneio. Entre eles, figuram nomes como Nani, Kaká, David Beckham, Paul Scholes e os irmãos Phil e Gary Neville.

Apoio da Fifa

Em 1991, a Fifa passou a apoiar o torneio e assumiu o patronato sobre a competição, formalizando a medida com a mudança do nome do torneio em 1995, quando o evento, que reúne os melhores clubes juvenis do planeta, passou a se chamar Torneio Juvenil Fifa/Blue Stars. E recentemente a entidade máxima do futebol mundial e o Blue Stars prorrogaram o contrato até 2016.

Entre os participantes deste ano de 2014, há quatro clubes suíços, Blue Stars, Zurique, Grasshoppers e Sion, além de Asante Kotoko (Gana), Bayern de Munique (Alemanha), Olympiakos (Grécia), Atlético Paranaense (Brasil), Benfica (Portugal) e Villareal (Espanha). 

Fonte:
Fifa

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Programa Forças no Esporte comemora Dia das Crianças
Iniciativa do Ministério da Defesa, em parceria com outros ministérios, leva para as crianças atividades esportivas, lazer e aulas de reforço no período do contra turno escolar
Publicação analisa impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo
Publicação lançada no Rio de Janeiro discute os impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo. O livro, que reúne 145 autores de 70 universidades, será publicado em formato digital e oferecido gratuitamente
Inscrições para o Bolsa Atleta terminam em 6 de setembro
Cerca de 23 mil esportistas já foram patrocinados pelo programa do governo federal
Iniciativa do Ministério da Defesa, em parceria com outros ministérios, leva para as crianças atividades esportivas, lazer e aulas de reforço no período do contra turno escolar
Programa Forças no Esporte comemora Dia das Crianças
Publicação lançada no Rio de Janeiro discute os impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo. O livro, que reúne 145 autores de 70 universidades, será publicado em formato digital e oferecido gratuitamente
Publicação analisa impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo
Cerca de 23 mil esportistas já foram patrocinados pelo programa do governo federal
Inscrições para o Bolsa Atleta terminam em 6 de setembro

Últimas imagens

Rebeca Andrade é uma das ginastas do time feminino que representa o Brasil na competição
Rebeca Andrade é uma das ginastas do time feminino que representa o Brasil na competição
Foto: Danilo Borges/Ministério do Esporte
Jogos Escolares são maior celeiro de atletas olímpicos do País
Jogos Escolares são maior celeiro de atletas olímpicos do País
Foto: Rogério Vital/Ministério do Esporte
Martins tornou-se o segundo brasileiro com mais medalhas em Universíades
Martins tornou-se o segundo brasileiro com mais medalhas em Universíades
Divulgação/CBDU
Atleta terminou a prova com o tempo de 3m52s542
Atleta terminou a prova com o tempo de 3m52s542
Divulgação/Federação Int. de Canoagem
Henrique Martins, da natação, ficou em terceiro lugar nos 100 metros borboleta – a décima medalha brasileira no torneio
Henrique Martins, da natação, ficou em terceiro lugar nos 100 metros borboleta – a décima medalha brasileira no torneio
Divulgação/CBDU

Governo digital