Você está aqui: Página Inicial > Esporte > 2014 > 06 > “Jogo de abertura, a Copa em casa, mas com um time tranquilo”, diz Scolari

Esporte

“Jogo de abertura, a Copa em casa, mas com um time tranquilo”, diz Scolari

Coletiva

Scolari agradece apoio da presidenta Dilma, de outras autoridades e do público em geral, anunciou: “Chegou a hora”
por Portal Brasil publicado: 11/06/2014 20h27 última modificação: 30/07/2014 02h29
Divulgação/Fifa Sentado ao seu lado, respondendo mais tarde, Neymar repetiu as palavras de seu treinador e afirmou que se sentiu arrepiado

Sentado ao seu lado, respondendo mais tarde, Neymar repetiu as palavras de seu treinador e afirmou que se sentiu arrepiado

Luiz Felipe Scolari tomou a palavra na abertura de sua última entrevista coletiva antes da disputa da Copa do Mundo 2014 e, depois de agradecer o apoio da presidenta Dilma Rousseff e de outras autoridades e do público em geral, anunciou: “Chegou a hora”.

Sentado ao seu lado, respondendo mais tarde, Neymar repetiu as palavras de seu treinador e afirmou que se sentiu arrepiado. Mas foi passageiro: apenas aquela emoção, a realização de que, no dia seguinte, começaria um sonho, segundo indicou. O craque, grande aposta da Seleção, estava falante, tranquilo. Pronto.

Foi essa a observação que o coordenador técnico da Seleção, Carlos Alberto Parreira, fez ao Fifa.com, em uma conversa na beira do gramado da belíssima Arena de São Paulo, palco de Brasil x Croácia, nesta quinta (12). O veterano de múltiplas Copas no currículo usou a imagem que o atacante passou durante a coletiva como exemplo sobre o astral hoje predominante no grupo.

“Todo mundo me pergunta sobre o Neymar, como ele está, que só tem 22 anos. Mas você viu como ele está. Apreensivo? Nada, e o jeito como ele estava aqui é o que se vê no dia a dia da concentração, descontraído”, afirmou. “Não parece nem que ele vai disputar uma Copa do Mundo no Brasil, com o mundo esperando que ele seja o melhor. Isso que nos dá a tranquilidade de que ele pode jogar, sim, num alto nível.”

Para Parreira e a comissão técnica, não se trata de um episódio isolado dentro de um grupo de 23 atletas que encaram a responsabilidade de serem os anfitriões no maior torneio de futebol do mundo justamente naquele País que se auto-intitula patrono do esporte. O time inteiro estaria nessa sintonia.

O experiente Daniel Alves, em entrevista na véspera, já havia dito apontado nessa direção. “Não acho que exista muita pressão. O desejo e o entusiasmo que temos em encarar esse desafio é maior do que qualquer dificuldade que possamos ter. Vamos para a Copa do Mundo com essa atitude, ” ressalta.

Esse é o tipo de discurso que soa positivamente para os comandantes da Seleção. “A grande diferença é que, quando começamos o trabalho há um ano e meio, havia uma certa insegurança”, diz Parreira. “Nós temos agora um time confiante, com uma maneira definida de jogar. Que pode crescer na competição e ganhar o título. ”

A proposta definida começa pelo alvoroço que a Seleção pretende causar em seus adversários, a partir do apito inicial. Fórmula que já deu resultados, embora não seja o único modo de se buscar a vitória. “O abafa é uma maneira de ser protagonista, tomar iniciativa. Mas a Seleção está preparada para outras soluções. Não é só o abafa – essa é só uma maneira de jogar, e boa. Às vezes dá certo, às vezes não”, afirma o coordenador.

A Seleção está desta forma, de cabeça erguida. Mas, pelo comportamento dos jogadores em treinos duros na Granja Comary e nas entrelinhas de suas diversas entrevistas antes da grande estreia, não se detecta o menor sinal de soberba. “Ganhamos algo muito mais importante do que um troféu em 2014, e foi a recuperação da confiança do povo em nosso futebol. Mas não comemoramos muito, porque estamos concentrados no próximo alvo, que vai começar logo, logo”, diz Alves. Por "logo, logo", entenda-se: realmente daqui a pouco. Mas sem perder a calma. 

Fonte:
Fifa

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Programa Forças no Esporte comemora Dia das Crianças
Iniciativa do Ministério da Defesa, em parceria com outros ministérios, leva para as crianças atividades esportivas, lazer e aulas de reforço no período do contra turno escolar
Publicação analisa impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo
Publicação lançada no Rio de Janeiro discute os impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo. O livro, que reúne 145 autores de 70 universidades, será publicado em formato digital e oferecido gratuitamente
Inscrições para o Bolsa Atleta terminam em 6 de setembro
Cerca de 23 mil esportistas já foram patrocinados pelo programa do governo federal
Iniciativa do Ministério da Defesa, em parceria com outros ministérios, leva para as crianças atividades esportivas, lazer e aulas de reforço no período do contra turno escolar
Programa Forças no Esporte comemora Dia das Crianças
Publicação lançada no Rio de Janeiro discute os impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo. O livro, que reúne 145 autores de 70 universidades, será publicado em formato digital e oferecido gratuitamente
Publicação analisa impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo
Cerca de 23 mil esportistas já foram patrocinados pelo programa do governo federal
Inscrições para o Bolsa Atleta terminam em 6 de setembro

Últimas imagens

Rebeca Andrade é uma das ginastas do time feminino que representa o Brasil na competição
Rebeca Andrade é uma das ginastas do time feminino que representa o Brasil na competição
Foto: Danilo Borges/Ministério do Esporte
Jogos Escolares são maior celeiro de atletas olímpicos do País
Jogos Escolares são maior celeiro de atletas olímpicos do País
Foto: Rogério Vital/Ministério do Esporte
Martins tornou-se o segundo brasileiro com mais medalhas em Universíades
Martins tornou-se o segundo brasileiro com mais medalhas em Universíades
Divulgação/CBDU
Atleta terminou a prova com o tempo de 3m52s542
Atleta terminou a prova com o tempo de 3m52s542
Divulgação/Federação Int. de Canoagem
Henrique Martins, da natação, ficou em terceiro lugar nos 100 metros borboleta – a décima medalha brasileira no torneio
Henrique Martins, da natação, ficou em terceiro lugar nos 100 metros borboleta – a décima medalha brasileira no torneio
Divulgação/CBDU

Governo digital