Você está aqui: Página Inicial > Esporte > 2014 > 12 > Esporte Educacional melhora desempenho escolar de jovens

Esporte

Esporte Educacional melhora desempenho escolar de jovens

Rio de Janeiro

Bairro Padre Miguel ganhou Vila Olímpica com piscina, pista de atletismo, quadras poliesportivas, salas para danças e artes, entre outros
por Portal Brasil publicado: 08/12/2014 10h57 última modificação: 08/12/2014 10h57
Divulgação/Danilo Borges Douglas Sena, Isabelle Silva (centro) e Analise Fagundes mostram a empolgação com as aulas do IEE

Douglas Sena, Isabelle Silva (centro) e Analise Fagundes mostram a empolgação com as aulas do IEE

Há um local entre as ruas movimentadas, os residenciais e o comércio de Padre Miguel, zona oeste do Rio de Janeiro, que o esporte encontrou seu espaço.

Em um lote que antes era tomado pelo mato, foi erguida pela prefeitura a Vila Olímpica Mestre André. Piscina, pista de atletismo, quadras poliesportivas, salas para dança, artes e judô e um campo de areia são ocupados por crianças, jovens e adultos da região.

Mas, não é só a infraestrutura que vem modificando o estilo de vida de algumas pessoas de Padre Miguel e das comunidades vizinhas.

Uma parceria entre a Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, que administra a Vila Olímpica, e o Instituto Esporte e Educação (IEE) serviu para implantar o projeto Rede de núcleos Brasil.

O objetivo é desenvolver o esporte educacional, tendo como princípios a inclusão, a autonomia, o respeito à diversidade e a construção coletiva para formar cidadãos.

Na Vila Olímpica de Padre Miguel o IEE promove as atividades de ginástica para adultos e de vôlei para os jovens.

A autonomia desenvolvida dentro da quadra é levada para a comunidade. Os estudantes ocupam as quadras da Vila fora do horário das aulas, organizam campeonatos em outros equipamentos do bairro e envolvem demais moradores nas atividades.

Giselle Calixto, 22 anos, aluna de vôlei foi uma das primeiras a ser inscritas no núcleo, com o irmão e outros vizinhos da Vila. Ela percebe uma mudança no próprio comportamento após ter iniciado as atividades.

“Muitos chegaram aqui completamente diferentes do que são hoje. Eu sou um exemplo. Eu ficava nervosa com tudo, não parava para pensar nas coisas. Também era muito envergonhada. Hoje já chego e interajo com as pessoas. Com o tempo, eles me mostraram que isso tudo poderia ser diferente. Todos se ajudam”.

A metodologia também tem contribuído para melhorar a vida familiar, como no caso da estudante Donata Almeida, 14 anos.

As aulas são uma oportunidade de aumentar o convívio com o pai, que sempre a acompanha quando tem um tempo no trabalho na fábrica de papelão.

“Ela está mais solta e dedicada. O rendimento na escola, que já era bom, melhorou”, constata Adílson Almeida. A filha concorda. “Eu mudei para caramba, a Vila ajudou bastante. Antes eu ficava em casa sem fazer nada, agora, chego da escola, almoço, tomo banho e venho. Aprendi a ser honesta e a assumir os meus erros. Aqui a gente tem laços de amizade, se fala fora do horário das aulas, marca jogo por aqui perto”.

Levar uma vida saudável e ter um convívio social mais amplo motivaram Juliana Campos, que já levava as filhas de cinco e de sete anos para as aulas de balé e natação, a entrar na ginástica.

“Queria sair do sedentarismo. Ficava em casa acomodada e resolvi fazer algo para melhorar a saúde. Uma das coisas que melhorou muito foram as dores na perna que eu tinha”.

Para a operadora de telemarketing, Luciana Souza, a prática de exercícios foi uma recomendação médica. Ela descobriu um problema cardíaco há alguns meses. “A disposição melhorou. Tenho mais agilidade e dei uma emagrecida. Só a caminhada até aqui já ajuda”.

Perto dali, as aulas da professora Vanessa são um incentivo para as crianças do colégio público Poeta Cruz e Sousa, que junto com a Vila Olímpica formam o núcleo do IEE de Padre Miguel. No total, são 253 beneficiados na região. A diretora adjunta da escola, Eloísa Barreto, conta que as crianças melhoraram o aprendizado depois das atividades físicas extraclasse.

“Com o esporte, elas desenvolveram muito o companheirismo, a questão das regras, o respeito ao outro e até o raciocínio lógico. A questão da cidadania, de comparar e questionar as coisas, isso se refle na sala”.

A professora do 5º ano, Cátia Silene, conta que os conflitos passaram a ser solucionados de forma mais simples. “Eu senti uma diferença muito grande. A gente percebe que esse trabalho é para criar a consciência de grupo, de coletividade. Ensina a não levar o conflito ao extremo, a saber dialogar. Desde o inicio percebi o interesse deles no projeto. Eles gostam dos professores, respeitam e tem interação com eles”, opina.

E a opinião da professora não deixa dúvidas, quando Analise Cristina Fagundes, 10 anos, descreve a alegria da turma quando chega a hora da aula de educação física. “Quarta-feira pela manhã a gente fica na expectativa. A professora Vanessa chega na porta e a gente: êêê!”

Prêmio Empresário Amigo do Esporte

No próximo dia 9 de dezembro será a quinta edição da cerimônia do Prêmio Empresário Amigo do Esporte, em São Paulo.

O evento é uma homenagem do Ministério do Esporte às empresas e pessoas físicas que mais apoiaram e investiram no esporte nacional por meio da Lei de Incentivo ao Esporte (LIE).

Até o dia da premiação, e durante a cobertura da solenidade, as redes sociais do Ministério do Esporte (Facebook, Google+, Twitter e Instagram) compartilharão histórias e informações sobre a LEI pela hashtag #AmigoDoEsporte.

Regulamentada em 2007, a LIE permite que empresas e pessoas físicas invistam parte do que pagariam de Imposto de Renda em projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. Empresas podem destinar até 1% desse valor e ainda acumular com investimentos proporcionados por outras leis de incentivo. O teto para pessoas físicas é de 6% do IR.

Fonte:
Ministério do Esporte

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Programa Forças no Esporte comemora Dia das Crianças
Iniciativa do Ministério da Defesa, em parceria com outros ministérios, leva para as crianças atividades esportivas, lazer e aulas de reforço no período do contra turno escolar
Publicação analisa impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo
Publicação lançada no Rio de Janeiro discute os impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo. O livro, que reúne 145 autores de 70 universidades, será publicado em formato digital e oferecido gratuitamente
Inscrições para o Bolsa Atleta terminam em 6 de setembro
Cerca de 23 mil esportistas já foram patrocinados pelo programa do governo federal
Iniciativa do Ministério da Defesa, em parceria com outros ministérios, leva para as crianças atividades esportivas, lazer e aulas de reforço no período do contra turno escolar
Programa Forças no Esporte comemora Dia das Crianças
Publicação lançada no Rio de Janeiro discute os impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo. O livro, que reúne 145 autores de 70 universidades, será publicado em formato digital e oferecido gratuitamente
Publicação analisa impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo
Cerca de 23 mil esportistas já foram patrocinados pelo programa do governo federal
Inscrições para o Bolsa Atleta terminam em 6 de setembro

Últimas imagens

Rebeca Andrade é uma das ginastas do time feminino que representa o Brasil na competição
Rebeca Andrade é uma das ginastas do time feminino que representa o Brasil na competição
Foto: Danilo Borges/Ministério do Esporte
Jogos Escolares são maior celeiro de atletas olímpicos do País
Jogos Escolares são maior celeiro de atletas olímpicos do País
Foto: Rogério Vital/Ministério do Esporte
Martins tornou-se o segundo brasileiro com mais medalhas em Universíades
Martins tornou-se o segundo brasileiro com mais medalhas em Universíades
Divulgação/CBDU
Atleta terminou a prova com o tempo de 3m52s542
Atleta terminou a prova com o tempo de 3m52s542
Divulgação/Federação Int. de Canoagem
Henrique Martins, da natação, ficou em terceiro lugar nos 100 metros borboleta – a décima medalha brasileira no torneio
Henrique Martins, da natação, ficou em terceiro lugar nos 100 metros borboleta – a décima medalha brasileira no torneio
Divulgação/CBDU

Governo digital