Você está aqui: Página Inicial > Esporte > 2014 > 12 > Robert Scheidt é quinto colocado na SSL Finals

Esporte

Robert Scheidt é quinto colocado na SSL Finals

Vela

Bicampeão olímpico defendia o título de 2013, ao lado de Bruno Prada. Neste ano, dupla norte-americana levou o troféu
por Portal Brasil publicado: 08/12/2014 20h09 última modificação: 08/12/2014 20h09
Foto:Troels Lykke/Divulgação Robert Scheidt e Bruno Prada são contemplados pela Bolsa Pódio

Robert Scheidt e Bruno Prada são contemplados pela Bolsa Pódio

Robert Scheidt e Bruno Prada iniciaram a Star Sailors League Finals na última semana em Nassau, nas Bahamas, como a dupla a ser batida. Na primeira edição, em 2013, conquistaram os três troféus possíveis: campeões, melhor timoneiro e melhor proeiro.

Neste ano, eles chegaram à fase semifinal e acabaram em quinto lugar. Os americanos Mendelblatt e Fatih foram os campeões. Venceram a semifinal e a regata decisiva, enquanto o sueco Freddy Loof, campeão olímpico de Star em Londres, ficou em segundo ao lado de Elkstrom. Os poloneses Kusznierewicz e Zycki ficaram em terceiro lugar.

Os melhores brasileiros foram os estreantes Jorginho Zarif e Henry Boening, o Maguila, chegando à final para ficar com o quarto lugar. Em relação ao pódio de 2013, só faltou Scheidt. Na primeira edição, Mendelblatt foi bronze e Kusznierewicz, prata.

Neste ensolarado sábado (6) em Nassau, o vento nordeste variou entre 15 e 20 nós (27 a 36 km/h). Nas quartas de final, Robert foi o quinto, sendo que os seis primeiros seguiriam adiante, mas na semifinal repetiu a colocação, enquanto necessitava ficar entre os quatro melhores para ir à final.

Robert Scheidt e Bruno Prada são contemplados pela Bolsa Pódio

"Foi bom ter corrido o campeonato para manter contato com a classe. Nas regatas deste ano, alternamos bons e maus momentos. Na semifinal, optamos pela direita da raia e o vento rondou para a esquerda. O nível está ainda mais alto com a presença dos melhores velejadores do mundo. Um evento espetacular", avaliou Robert, que seguirá para Niterói, logo após o retorno a São Paulo, para continuar a campanha olímpica de Laser na Copa Brasil.

Maior atleta olímpico brasileiro da história, Robert possui cinco medalhas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais entre Laser e Star. Parceiro de Robert há nove anos na classe Star, Bruno também leva do Nassau Yacht Club (NYC) a sensação de missão cumprida.

"Pessoalmente gostaria de ter ido melhor, e dava para ser melhor, mas o quinto lugar me mantém pelo segundo ano seguido na liderança do ranking da SSL, como o melhor proeiro da temporada",disse.

Robert Scheidt e Bruno Prada são beneficiados pela Bolsa Pódio, do Ministério do Esporte, enquanto Jorge Zarif recebe a Bolsa Atleta na categoria olímpica.

A dupla mais regular

O proeiro campeão, Brian Fatih, estava radiante com a conquista e se emocionou quando o hino dos Estados Unidos ecoou pelo NYC. "Nós queríamos vencer, mas sabíamos que o campeonato seria muito difícil, como realmente foi. É ótimo estar no pódio novamente, dois degraus acima em relação a 2013", considerou Fatih, parceiro de Mark Mendelblatt desde os Jogos Olímpicos de Londres. "Gostaria de aproveitar para dizer que o Zarif (Jorginho) é um velejador fantástico", elogiou Fatih.

Jorginho manteve a cautela durante os quatro dias da SSL. Aos 22 anos, mesmo sendo o mais jovem entre 40 velejadores, demonstrou maturidade. "Estou muito satisfeito. Pude velejar e me divertir, sem a pressão que teria na classe Finn. Eu e o Maguila evoluímos durante o campeonato, fomos nos ajustando até chegarmos à final", contou o campeão mundial de Finn, que a exemplo de Bruno também faz campanha olímpica para o Rio 2016.

As outras duas duplas brasileiras não chegaram à segunda fase. Marcelo Fuchs e Ronie Seifert, assim como Torben Grael e Guilherme de Almeida, tiveram problemas com seus barcos. "Estou praticamente parado desde 2004. Voltei a velejar neste ano com o Guilherme. É preciso ter ritmo para velejar com velocidade em um campeonato com nível de um mundial. A maioria dos participantes está em campanha olímpica enquanto eu sou técnico da CBVela. Não dá para comparar", declarou Torben.

Disputada pelo segundo ano nas Bahamas, a SSL FInals recebeu aprovação do bicampeão olímpico, pela primeira vez no evento. "O campeonato é muito bom. A própria Isaf (Federação Internacional de Vela) gostaria de adotar esse sistema com as demais classes, mas não está tão bem estruturada como a equipe do Michel", referiu-se Torben ao criador da SSL, o empresário suíço Michel Nicklaus.

Bahamas pela terceira vez

"Faremos a terceira edição da SSL Finals no próximo ano novamente em Nassau. Nossa ideia é priorizar os atletas, isentos de política ou de qualquer emoção. Queremos que os próprios velejadores sejam os gestores da classe, sem conflito com qualquer entidade. Também queremos promover a vela junto aos jovens bahamenses", justificou Michel.

Além de estar estrategicamente localizada entre a Europa e os Estados Unidos, Bahamas possui condição especial de vento, constante e raramente abaixo de dez nós (18 km/h). Neste ano, com o nível ainda mais elevado, a competição reuniu 20 duplas que levaram para a raia de Paradise Island, 20 medalhas olímpicas e 73 conquistadas em campeonatos mundiais de várias classes.

A SSL Finals distribuiu 200 mil dólares em prêmio, sendo que os campeões receberam 40 mil dólares e quatro mil pontos no ranking da liga.

As 20 duplas foram premiadas em de acordo com suas classificações. Medalhas e troféus foram entregues no NYC pelo americano Dennis Conner, quatro vezes ganhador da America's Cup e bicampeão mundial de Star.

Classificação da SSL Finals

1. Mendelblatt/Fatih (EUA)

2. Loof/Ekstrom (SUE)

3. Kusznierewicz/Zycki (POL)

4. Zarif/Boening (BRA)

5. Scheidt/Prada (BRA)

6. Rohart/Ponsot (FRA)

Fonte:

Brasil 2016

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Daniel Dias fala sobre importância do Bolsa Atleta
Daniel Dias, maior atleta paralímpico do Brasil, fala sobre sua carreira e a importância do Programa Bolsa Atleta para a sua sua trajetória no esporte
Representantes da Rio 2016 fazem balanço da Paralimpíada
Representantes do Governo Federal, da Rio 2016 e do Comitê Paralímpico Internacional comentam os resultados do País ao sediar os Jogos Paralímpicos Rio 2016
Comitê Paralímpico faz homenagem a atletas
Após a melhor campanha em quantidade de medalhas da história da delegação brasileira, os atletas da delegação nacional receberam uma homenagem do Comitê Paralímpico Brasileiro
Daniel Dias, maior atleta paralímpico do Brasil, fala sobre sua carreira e a importância do Programa Bolsa Atleta para a sua sua trajetória no esporte
Daniel Dias fala sobre importância do Bolsa Atleta
Representantes do Governo Federal, da Rio 2016 e do Comitê Paralímpico Internacional comentam os resultados do País ao sediar os Jogos Paralímpicos Rio 2016
Representantes da Rio 2016 fazem balanço da Paralimpíada
Após a melhor campanha em quantidade de medalhas da história da delegação brasileira, os atletas da delegação nacional receberam uma homenagem do Comitê Paralímpico Brasileiro
Comitê Paralímpico faz homenagem a atletas

Últimas imagens

É o primeiro ouro em etapas internacionais da dupla Ágatha e Duda, que já tinha uma prata
É o primeiro ouro em etapas internacionais da dupla Ágatha e Duda, que já tinha uma prata
Marco Antônio Teixeira/CBV
Número 7 do mundo, Érika Miranda (de azul) chegou ao quarto título de Grand Slam
Número 7 do mundo, Érika Miranda (de azul) chegou ao quarto título de Grand Slam
Foto: Gabriela Sabau/IJF
Brasil é o maior vencedor do Mundial da modalidade
Brasil é o maior vencedor do Mundial da modalidade
Divulgação/CBV
Empresas interessadas deverão cumprir requisitos mínimos para a certificação, que terá prazo de validade de dois anos
Empresas interessadas deverão cumprir requisitos mínimos para a certificação, que terá prazo de validade de dois anos
Divulgação/EBC
Mais de 8,3 milhões de ingressos foram vendidos na Rio 2016
Mais de 8,3 milhões de ingressos foram vendidos na Rio 2016
Danilo Borges/Ministério do Esporte

Governo digital