Você está aqui: Página Inicial > Esporte > 2016 > 03 > Fique por dentro dos segredos do nado sincronizado

Esporte

Fique por dentro dos segredos do nado sincronizado

Rio 2016

As rotinas de treinamento chegam a 10 horas diárias durante seis dias por semana
por Portal Brasil publicado: 07/03/2016 13h00 última modificação: 08/03/2016 14h27

Piscina, música, elegância, movimentos leves. Quem acompanha a beleza das provas não consegue imaginar o quanto pode ser duro um treino de nado sincronizado. As árduas rotinas de treinamento, que chegam a 10 horas diárias durante seis dias por semana, com treinos específicos para a parte física e outros para a parte técnica.

"É um esporte em que você treina, treina, treina, mas nunca sai perfeito. A gente busca a perfeição, dedica-se a esse algo que falta", diz Gemma Mengual, espanhola medalhista de prata em Pequim 2008 e ouro nos duetos no Aquece Rio.

Cheio de minuciosidades, o nado sincronizado é um dos mais desgastantes esportes olímpicos. O Portal Rio 2016 revela curiosidades sobre o “balé aquático”. Confira abaixo:

1 – Maquiagem também é rendimento esportivo. E é à prova d'água. As atletas do nado sincronizado são avaliadas por uma banca de árbitros em uma série de quesitos, e um deles é a apresentação artística. "O sorriso, o cabelo, o maiô, o olhar para os árbitros. Tudo conta nota, inclusive a maquiagem", diz Nuria Deosdado, atleta do México, quinta colocada no Aquece Rio. 

Por isso, o cuidado é grande: tudo é à prova d'água para não borrar, e a dedicação para a maquiagem e a ornamentação é quase tão grande quanto a dos treinos. O tempo médio de preparação é de meia hora, mas algumas chegam a gastar uma hora para ficarem prontas para a competição.

"Primeiro fazemos o cabelo com a gelatina para prendê-lo e não cair no olho. Depois, ajeitamos as presilhas e, ao final, vem a maquiagem. Tudo inspirado no estilo do maiô", conta Nuria. No caso do dueto mexicano, elas mesmas fazem a maquiagem, mas tudo precisa ser validado pela técnica. "Se ela não gostar de algo, precisamos mudar", diz a atleta.

Sincronizado

2 – Tem música dentro da piscina. A música é a base de toda a apresentação. Sem o som, atletas ficam sem orientação para realizar os movimentos.

Se ficam por vários segundos debaixo d'água, como fazem para continuar ouvindo a música? Resposta simples: há caixas de som debaixo d'água. "É claro que embaixo d'água náo é como ouvir música com fones de ouvido. Às vezes, um barulho ou outro interfere, mas dá para ouvir bem", conta Margaux Chretien, medalhista de bronze nos duetos no Aquece Rio.

E é um esporte para homens e mulheres. "Sim, eles também fazem bonito, por que não?", resume Gemma Mengual. Esporte unicamente feminino até novembro de 2014, o nado sincronizado passou a incluir a prova de duetos mistos (um homem e uma mulher) nas principais competições da Federação Internacional de Natação (Fina) a partir de 2014 – mas a decisão ainda não vale para os Jogos Olímpicos, que conta somente com provas de duetos e equipes femininas.

Nado sincronizado

3 – As lágrimas não são de tristeza. Para alcançar a sincronia perfeita, não é só os ouvidos que precisam estar bem abertos debaixo d'água: os olhos também. E o tratamento da água das piscinas pode provocar lágrimas. Para proteger os olhos, as atletas usam óculos de natação durante os treinos, mas não na competição: o acessório retiraria pontos.

Algumas atletas utilizam lentes de contato, mesmo sem grau. "Mas são poucas as que usam, porque elas podem acabar caindo, e aí você se perde na apresentação", explica Nuria Diosdado.

4 – Atletas não têm ideia de quanto tempo ficam sem respirar. Apenas são quase unânimes quanto a uma das partes mais difíceis do esporte: a apneia. "Na verdade, nem sabemos quanto tempo, não cronometramos, mas por várias vezes uma mesma apresentação passamos de 20 a 25 segundos sem respirar", diz Gemma Mengual. "O coração vai de 80 pulsações por minuto a quase 200 em um segundo durante a coreografia", completa Ona Carbonell, que faz dueto com Gemma.

Nado sincronizado

Fonte: Portal Brasil, com informações do Brasil 2016

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Assunto(s): Esporte

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Programa Forças no Esporte comemora Dia das Crianças
Iniciativa do Ministério da Defesa, em parceria com outros ministérios, leva para as crianças atividades esportivas, lazer e aulas de reforço no período do contra turno escolar
Publicação analisa impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo
Publicação lançada no Rio de Janeiro discute os impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo. O livro, que reúne 145 autores de 70 universidades, será publicado em formato digital e oferecido gratuitamente
Inscrições para o Bolsa Atleta terminam em 6 de setembro
Cerca de 23 mil esportistas já foram patrocinados pelo programa do governo federal
Iniciativa do Ministério da Defesa, em parceria com outros ministérios, leva para as crianças atividades esportivas, lazer e aulas de reforço no período do contra turno escolar
Programa Forças no Esporte comemora Dia das Crianças
Publicação lançada no Rio de Janeiro discute os impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo. O livro, que reúne 145 autores de 70 universidades, será publicado em formato digital e oferecido gratuitamente
Publicação analisa impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo
Cerca de 23 mil esportistas já foram patrocinados pelo programa do governo federal
Inscrições para o Bolsa Atleta terminam em 6 de setembro

Últimas imagens

Texto também define percentuais das verbas das loterias que entidades podem adotar em atividades administrativas
Texto também define percentuais das verbas das loterias que entidades podem adotar em atividades administrativas
Arquivo/CPB
Rebeca Andrade é uma das ginastas do time feminino que representa o Brasil na competição
Rebeca Andrade é uma das ginastas do time feminino que representa o Brasil na competição
Foto: Danilo Borges/Ministério do Esporte
Jogos Escolares são maior celeiro de atletas olímpicos do País
Jogos Escolares são maior celeiro de atletas olímpicos do País
Foto: Rogério Vital/Ministério do Esporte
Martins tornou-se o segundo brasileiro com mais medalhas em Universíades
Martins tornou-se o segundo brasileiro com mais medalhas em Universíades
Divulgação/CBDU
Atleta terminou a prova com o tempo de 3m52s542
Atleta terminou a prova com o tempo de 3m52s542
Divulgação/Federação Int. de Canoagem

Governo digital