Você está aqui: Página Inicial > Esporte > 2016 > 04 > Chama olímpica é acesa e marca início simbólico dos jogos Rio 2016

Esporte

Chama olímpica é acesa e marca início simbólico dos jogos Rio 2016

Olímpiada

Cerimônia marcou o começo da turnê da tocha, que vai passar por 300 cidades brasileiras
por Portal Brasil publicado: 21/04/2016 13h00 última modificação: 26/04/2016 01h08

Considerado o início simbólico dos Jogos Olímpicos, a cerimônia de acendimento da chama olímpica foi realizada, nesta quinta-feira (21), na cidade de Olímpia, na Grécia, atraindo a atenção do mundo inteiro. O evento contou com a execução dos hinos nacionais do Brasil e da Grécia, leitura de poemas, discursos de autoridades e o início do revezamento da tocha que transporta o fogo olímpico. Após uma curta passagem pela Europa, a chama vai desembarcar no Brasil no dia 3 de maio e vai passar por 300 cidades brasileiras antes de chegar ao Rio de Janeiro, palco da edição dos Jogos em 2016.

Em português, o presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, exaltou a participação brasileira na organização dos jogos. "Vai ser o momento do Brasil, os Jogos do Brasil. Nossos amigos do Brasil estão escrevendo a história hoje", afirmou Bach.

"A chama olímpica vai espalhar os valores olímpicos de tolerância, solidariedade e paz a todos os brasileiros e a todas as pessoas do mundo. O esporte junta as pessoas no espírito da amizade e do respeito. Em um mundo abalado por crises, a mensagem que a humanidade é maior do que as forças que nos separam é mais relevante do que antes. É a primeira vez que os Jogos Olímpicos acontecem na América do Sul. O Rio de Janeiro, com apoio de todos os brasileiros, vai promover um espetáculo", completou.

Chama olímpica

Para o presidente do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, acender a chama é fato com forte simbologia. "A chama olímpica representa a esperança para nós. Estamos muito orgulhosos. É uma mensagem para os jovens: não desistam dos seus sonhos. Sonhos nos fazem mais felizes, nos fazem melhores. O Brasil está esperando por todos vocês. Os Jogos Olímpicos vão nos levar ao futuro", disse.

O primeiro atleta a receber a tocha olímpica foi o ginasta grego Eleftherios Petrounias. Na sequência, ele repassou o fogo olímpico ao bicampeão olímpico do vôlei brasileiro, Giovane Gávio.

"É um momento de muita alegria, muita emoção. É um momento mágico. Estou muito feliz de estar representando aqui todos os brasileiros nesse momento importante para a gente, que vai começar o tour da tocha, passando depois em várias cidades brasileiras e levando uma mensagem de alegria, de respeito, de união. Um sonho está se tornando realidade, muito legal", disse Giovane.

Para o ministro do Esporte, Ricardo Leyser, a cerimônia promove a conexão entre os Jogos da Antiguidade (que surgiram em Olímpia, em 776 a.C.) e os Jogos da Modernidade e é repleta de simbolismos. “Aqui é onde tudo começou e onde os Jogos foram criados, imaginados. Na Grécia Antiga, havia tréguas de três meses antes e depois dos Jogos para que os guerreiros pudessem participar”, disse Leyser, que representa o governo federal brasileiro na cerimônia.

Exaltação às divindades

Os gregos da Antiguidade consideravam o fogo um elemento divino. A chama que ficava exposta na entrada dos principais templos, como o de Olímpia, era acesa por meio de raios de sol com o uso da "skaphia", um espelho côncavo. O objetivo do ritual era assegurar a pureza do fogo que queimaria permanentemente nos altares dos deuses Zeus, Héstia e Hera.

O revezamento da tocha olímpica é um retrato das cerimônias que um dia fizeram parte dos Jogos da Antiguidade de Olímpia. A cidade e a maneira rústica como a chama é acesa reforçam a conexão entre os Jogos da Antiguidade e os da Modernidade.

Chama olímpica

Turnê

O símbolo olímpico vai chegar à cidade de Atenas na quarta-feira (27). De lá, ela vai para Genebra, na Suíça, para uma cerimônia na sede da Organização das Nações Unidas (ONU). No domingo (30), a tocha vai ser levada ao Museu Olímpico, na cidade suíça de Lausanne. De lá, ela vai direto para Brasília, onde começará sua turnê pelas cidades brasileiras.

“A chama vai rodar o Brasil de norte a sul, as capitais e os principais pontos turísticos”, disse Leyser. “Com certeza esse fogo vai esquentar o coração do brasileiro e fazer um aquecimento para o início dos Jogos, chamando a atenção para o esporte e para os atletas que estão chegando. O Brasil começa a entrar, finalmente, no clima olímpico.”

Fonte: Portal Brasil, com informações do Brasil 2016, do Rio 2016 e do Ministério do Esporte

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Publicação analisa impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo
Publicação lançada no Rio de Janeiro discute os impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo. O livro, que reúne 145 autores de 70 universidades, será publicado em formato digital e oferecido gratuitamente
Inscrições para o Bolsa Atleta terminam em 6 de setembro
Cerca de 23 mil esportistas já foram patrocinados pelo programa do governo federal
Governo promove inclusão social pelo esporte
Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social (Snelis) determina as diretrizes de programas
Publicação lançada no Rio de Janeiro discute os impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo. O livro, que reúne 145 autores de 70 universidades, será publicado em formato digital e oferecido gratuitamente
Publicação analisa impactos dos megaeventos no Brasil e no mundo
Cerca de 23 mil esportistas já foram patrocinados pelo programa do governo federal
Inscrições para o Bolsa Atleta terminam em 6 de setembro
Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social (Snelis) determina as diretrizes de programas
Governo promove inclusão social pelo esporte

Últimas imagens

Jogos Escolares são maior celeiro de atletas olímpicos do País
Jogos Escolares são maior celeiro de atletas olímpicos do País
Foto: Rogério Vital/Ministério do Esporte
Martins tornou-se o segundo brasileiro com mais medalhas em Universíades
Martins tornou-se o segundo brasileiro com mais medalhas em Universíades
Divulgação/CBDU
Atleta terminou a prova com o tempo de 3m52s542
Atleta terminou a prova com o tempo de 3m52s542
Divulgação/Federação Int. de Canoagem
Henrique Martins, da natação, ficou em terceiro lugar nos 100 metros borboleta – a décima medalha brasileira no torneio
Henrique Martins, da natação, ficou em terceiro lugar nos 100 metros borboleta – a décima medalha brasileira no torneio
Divulgação/CBDU
Tamires Crude garantiu o bronze na categoria até 57kg, e Eleudis Valentin, a prata na categoria até 52kg
Tamires Crude garantiu o bronze na categoria até 57kg, e Eleudis Valentin, a prata na categoria até 52kg
Arquivo/CBDU

Governo digital