Você está aqui: Página Inicial > Governo > 2010 > 09 > Plataforma de Mexilhão vai produzir metade do gás hoje importado da Bolívia

Governo

Plataforma de Mexilhão vai produzir metade do gás hoje importado da Bolívia

por Portal Brasil publicado: 17/09/2010 20h45 última modificação: 28/07/2014 12h08

Localizada em Caraguatatuba, no litoral paulista, a plataforma brasileira de Mexilhão (PMXL-1) deve começar a operar até o fim do ano e vai produzir metade de todo o gás natural que é diariamente importado da Bolívia, segundo informações da Petrobras.

 

Técnicos da estatal avaliam que a produção da plataforma fixa deve atingir 15 milhões de metros cúbicos por dia, 23,5% do total de aproximadamente 55 milhões de metros cúbicos produzidos atualmente. Quando ficar pronta, a plataforma de Mexilhão (PMXL-1) vai ser uma superestrutura de 230 metros de altura, tamanho equivalente a um edifício de 26 andares.

 

Os módulos da plataforma foram construídos em Niterói (RJ), atendendo ao requisito de utilizar conteúdo nacional mínimo de 70%. Segundo a Petrobras, os dois primeiros módulos pesam, juntos, mais de 12 mil toneladas e capacidade para processar 7,5 milhões de metros cúbicos de gás por dia. Novos módulos serão instalados com o desenvolvimento gradual da produção.

 

"Neles estão as instalações de processamento de gás, utilidades, incluindo capacidade de 7 megawatts de geração de energia elétrica, com três turbogeradores a gás, acomodações para até 100 pessoas e heliponto", disseram técnicos da empresa.

 

A plataforma é o resultado de um projeto técnico complexo que envolve sete poços produtores interligados, no Campo de Mexilhão, a cerca de 165 metros da costa.

Os poços, localizados a uma profundidade de 320 a 550 metros, vão liberar naturalmente o gás que vai ser coletado pela plataforma, instalada mais próximo da costa, a 135 quilômetros. Neste local a profundidade é de 172 metros.

 

A plataforma vai enviar o gás para Unidade de Tratamento de Gás de Caraguatatuba (UTGCA). Essa unidade também está dimensionada para tratar, no futuro, o gás proveniente de outras áreas da Bacia de Santos. 

 

Depois de processado na UTGCA, o gás será despachado para o município de Taubaté, no interior de São Paulo, a cerca de 100 quilômetros de Caraguatatuba, onde será distribuído para pólos industriais de todo o Brasil.

 

Fonte:
Portal Brasil


 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

registrado em: