Censo 2010: população do Brasil cresce quase 20 vezes desde 1872

publicado: 29/04/2011 13h10, última modificação: 22/12/2017 22h13

A população do Brasil alcançou a marca de 190.755.799 habitantes na data de referência do Censo Demográfico 2010, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou nesta sexta-feira (29) os primeiros resultados definitivos do recenseamento geral realizado no ano passado.

A série de censos brasileiros mostra que a população experimentou sucessivos aumentos em seu contingente, e cresceu quase vinte vezes desde o primeiro recenseamento realizado no Brasil, em 1872, quando tinha 9.930.478 habitantes.

O crescimento contínuo, aponta o censo, aconteceu por causa da queda nas taxas de mortalidade - após a década de 1940 - , e, por outro lado, pelos altos níveis de fecundidade. Com isso, o ritmo do crescimento populacional brasileiro evoluiu para quase 3,0% ao ano na década de 1950.

No entanto, esse movimento também já está em desaceleração. Segundo o IBGE, a partir dos anos 60, com a queda nos níveis de fecundidade, as taxas médias geométricas de crescimento anual da população também caíram, e agora apresenta um crescimento médio anual de 1,17%, a menor taxa observada na série em análise.


Norte e Centro-Oeste registram maior crescimento populacional

Entre 2000 e 2010, o crescimento populacional não foi uniforme entre as grandes regiões e unidades da federação. As maiores taxas médias de crescimento anual foram observadas nas regiões Norte (2,09%) e Centro-Oeste (1,91%), onde a componente migratória e a maior fecundidade contribuiram para o crescimento diferencial.

Amapá e Roraima, por sua vez, estão entre os dez estados que mais aumentaram suas populações em termos relativos: tiveram crescimento médio anual de 3,45% e 3,34%, respectivamente. As regiões Nordeste (1,07%) e Sudeste (1,05%) apresentaram um crescimento populacional semelhante. A região Sul (0,87%), que desde o Censo de 1970 vinha apresentando crescimento anual de cerca de 1,4%, foi a que menos cresceu, influenciada pelas baixas taxas observadas no Rio Grande do Sul (0,49%) e no Paraná (0,89%).

As regiões mais populosas foram a Sudeste (com 42,1% da população brasileira), Nordeste (27,8%) e Sul (14,4%), mas com redução na participação nacional. Por outro lado, Norte (8,3%) e Centro-Oeste (7,4%) têm menor concentração de pessoas, mas estão aumentando a representatividade.

Os estados mais populosos do Brasil – São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Sul e Paraná – concentram, em conjunto, 58,7% da população total do País.

São Paulo é o estado com a maior concentração municipal de população, onde os 32 maiores municípios (5,0%) concentram quase 60,0% dos moradores do estado. A menor concentração acontece no Maranhão, onde a população dos 11 maiores municípios, que também representam cerca de 5,0%, corresponde a 35,4% do total do estado.

Nesta edição do Censo, os recenseadores visitaram 67,5 milhões de domicílios em 5.565 municípios do País. Os detalhes e gráficos sobre o Censo também estão disponíveis em uma ferramenta de consulta disponibilizada pelo instituto. O conteúdo é dividido por assunto e oferece tabelas, gráficos e materiais comparativos.


Fonte:
IBGE

 

Atualmente não existem itens nessa pasta.