Você está aqui: Página Inicial > Governo > 2016 > 02 > A estratégia é integrar tecnologias para combater o mosquito, afirma diretor da Moscamed

Governo

A estratégia é integrar tecnologias para combater o mosquito, afirma diretor da Moscamed

Inovação

A Moscamed Brasil é a primeira a produzir mosquitos transgênicos do Aedes aegypti no mundo
por Portal Brasil publicado: 21/02/2016 12h08 última modificação: 01/03/2016 17h13

O diretor-presidente da biofábrica Moscamed, Jair Fernandes Virgínio, disse à presidenta Dilma Rousseff, nesta sexta-feira (19), que a principal estratégia contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, malária, zika e chikungunya, é integrar as diferentes tecnologias que estão sendo desenvolvidas para reduzir a multiplicação do inseto.

“O que nós temos dito hoje, presidenta, é uma coisa muito importante. Ninguém pode dizer que somente ele tem a tecnologia capaz de resolver o problema. É um conjunto de ferramentas, cujo somatório dará, indiscutivelmente, uma contribuição à redução dessa população [de mosquitos].”

As afirmações foram feitas durante a visita da presidenta Dilma Rousseff às instalações da biofábrica, situada em Juazeiro (BA), na região norte da Bahia. A Moscamed Brasil é a primeira a produzir mosquitos transgênicos do Aedes aegypti no mundo, sendo reconhecida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), pelo Ministério da Saúde (MS) e pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio).

No local, a presidenta Dilma conheceu os processos de radiação, que torna os mosquitos estéreis, a criação de mosquitos transgênicos – que tem o mesmo propósito, de deixá-los estéreis -, e a inoculação de bactérias no intestino do inseto, o que provoca a contaminação e doenças em outros mosquitos que venha a ter contato com ele, reduzindo, dessa forma, a população de Aedes aegypti.

Os mosquitos estéreis, ao cruzarem com as fêmeas, que produzem de 400 a 500 ovos a cada cópula, não são capazes de gerar filhotes, ou seja, 500 novos mosquitos deixam de nascer. Na fábrica, a presidenta circulou entre prateleiras, nas quais havia copinhos de plástico e bandejas com uma massa granulada preta, contendo milhões de ovos do mosquito modificado. Examinou as larvas no microscópio e ouviu explicações de técnicos da planta.

Jair Fernandes Virgínio falou também sobre o desenvolvimento de vacinas e a criação de peixes, como a tilápia, que se alimentam das larvas do mosquito. E relatou que o Ministério da Saúde tem apostado em três grandes linhas para se trabalhar com a recente ameaça do vírus zika: “primeiro, conhecer o vírus, o do zika, que é a grande dor de cabeça para os pesquisadores, controlar o vetor da dengue e ajudar, apoiar as famílias que porventura estão enfrentando esses problemas”.

Nesse sentido, ressaltou que a principal contribuição de biofábricas, como a Moscamed, se dá na fase de controle do vetor da dengue e das outras doenças transmitidas pelo Aedes. Mas alertou que o principal é o controle, por parte da população, da maioria dos criadouros de mosquitos, que se concentra nas residências.

“Nossa especialidade é a entomologia, que cuida dos insetos. É nessa área que nós estamos avançando. Mas a ideia é apoiar fortemente a questão da educação sanitária. A população precisa compreender que a responsabilidade maior, de fato, é dela. Porque é dentro da casa que as coisas acontecem”, ressaltou.

Aumento da produção

O diretor-presidente contou que a implantação da biofábrica na Bahia recebeu recursos do governo do Estado, da Financiadora de Estudos e Projetos e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

No momento, a fábrica está trabalhando para ser reconhecida como colaboradora da Agência Internacional de Energia Atômica. Segundo Virgínio, na próxima semana, representantes da agência estarão na Moscamed para tratar da doação de um irradiador atômico, que permitirá ampliar a produção de mosquitos estéreis, dos atuais 4 milhões por semana para 12 milhões de insetos por semana. Hoje, a fábrica utiliza equipamentos de Raio X.

Outro desafio é a liberação de uma quantidade tão grande de mosquitos estéreis no ambiente, o que poderia ser agilizado, segundo o diretor-presidente, com o utilização de aviões do tipo usado para a pulverização de inseticidas. Virgínio esteve recentemente nos Estados Unidos e disse que a técnica de liberação dos mosquitos foi utilizada com sucesso, de forma experimental, na Flórida.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Blog do Planalto

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Despesas de custeio do governo federal registram maior queda em seis anos
Segundo o Boletim de Custeio Administrativo, houve redução de 20,5% com passagens aéreas e 7,2% com material de escritório
Eliseu Padilha fala sobre prioridades do governo para gerar mais empregos
O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, participou, na terça-feira (31), da abertura da reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, em Brasília
Compartilhamento de dados irá evitar fraudes nos programas sociais
O Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, em parceria com o Ministério do Trabalho, está compartilhando informações de cadastro dos programas sociais para evitar fraudes
Segundo o Boletim de Custeio Administrativo, houve redução de 20,5% com passagens aéreas e 7,2% com material de escritório
Despesas de custeio do governo federal registram maior queda em seis anos
O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, participou, na terça-feira (31), da abertura da reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, em Brasília
Eliseu Padilha fala sobre prioridades do governo para gerar mais empregos
O Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, em parceria com o Ministério do Trabalho, está compartilhando informações de cadastro dos programas sociais para evitar fraudes
Compartilhamento de dados irá evitar fraudes nos programas sociais

Últimas imagens

Iniciativa partiu da Ouvidoria-Geral da União (OGU) junto à Comissão Gestora do Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse
Iniciativa partiu da Ouvidoria-Geral da União (OGU) junto à Comissão Gestora do Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse
Divulgação/Governo de Minas Gerais
A Controladoria-Geral da União será o primeiro órgão a adotar o TáxiGov fora da fase de testes
A Controladoria-Geral da União será o primeiro órgão a adotar o TáxiGov fora da fase de testes
Divulgação/Ministério do Planejamento
A pasta encaminhou 1.167 Tomadas de Contas Especiais ao TCU para início da cobrança em 2016
A pasta encaminhou 1.167 Tomadas de Contas Especiais ao TCU para início da cobrança em 2016
Marcos Santos/USP Imagens
Com o TáxiGov, o governo deixará de usar frota própria gradualmente
Com o TáxiGov, o governo deixará de usar frota própria gradualmente
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Valor foi depositado nas contas do Fundo de Participação dos Municípios e pode ser utilizado livremente
Valor foi depositado nas contas do Fundo de Participação dos Municípios e pode ser utilizado livremente
Foto: Gleice Mere/Ministério do Planejamento
A depender da avaliação bimestral de receitas e despesas, serão adotadas medidas de limitação orçamentária
A depender da avaliação bimestral de receitas e despesas, serão adotadas medidas de limitação orçamentária
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Presidente em exercício, Rodrigo Maia, sancionou a lei na terça-feira durante viagem de Michel Temer a Portugal
Presidente em exercício, Rodrigo Maia, sancionou a lei na terça-feira durante viagem de Michel Temer a Portugal
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Município de onde os cidadãos mais acessaram foi São Paulo (SP), com mais de 2,1 milhões de visitas
Município de onde os cidadãos mais acessaram foi São Paulo (SP), com mais de 2,1 milhões de visitas
Waldemir Barreto/Agência Senado
O banco de dados está em desenvolvimento dentro do Programa de Modernização da SPU
O banco de dados está em desenvolvimento dentro do Programa de Modernização da SPU
Divulgação/Iphan
Os ex-servidores respondem na esfera judicial por crimes e estão proibidos de retornar ao serviço público federal
Os ex-servidores respondem na esfera judicial por crimes e estão proibidos de retornar ao serviço público federal
Divulgação/CGU

Governo digital