Você está aqui: Página Inicial > Infraestrutura > 2011 > 06 > País alcança meta do milênio de acesso a água

Infraestrutura

País alcança meta do milênio de acesso a água

Estudo do Ipea aponta que Brasil alcançou a meta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) de reduzir desigualdades quanto ao acesso a água potável. Levar esgoto à zona rural ainda é desafio
por Portal Brasil publicado: 29/06/2011 20h32 última modificação: 28/07/2014 13h08

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apresentou na terça-feira (28), em Brasília, estudo que aponta que o País alcançou a meta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) de reduzir as desigualdades no que diz respeito ao acesso a água potável, mas não no que se refere ao esgoto e à zona rural. Os dados foram apresentados durante a primeira edição do Seminário Franco-Brasileiro sobre Saúde Ambiental: Água, Saúde e Desenvolvimento. 

Organizado pela Embaixada da França no Brasil e pelo Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD), com parceria do Ipea; ministérios da Saúde, Cidades; Meio Ambiente e Desenvolvimento Social e Combate à Fome; além da Fiocruz, Organização Mundial da Saúde e Organização Pan-Americana da Saúde, o evento termina nesta quinta-feira (30). 

A coordenadora de Estudos Setoriais Urbanos da Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais (Dirur) do Ipea, Maria da Piedade Morais, apresentou resultados de estudos relacionados ao alcance dos ODM nos estados brasileiros no contexto da sustentabilidade ambiental. De acordo com a pesquisadora, o Brasil alcançou a meta de reduzir as desigualdades no que se relaciona ao acesso a água com canalização interna proveniente de rede geral. O percentual passou de 82,3%, em 1992, para 91,6%, em 2008.

Maria da Piedade ressaltou, no entanto, que quando os dados são avaliados por estados e zona rural, ainda há muito espaço para melhoria dos indicadores, fazendo com que o alcance dessa meta ainda não seja uma realidade. Segundo ela, considerando todos os recortes geográficos e socioeconômicos, as desigualdades ainda permanecem bastante elevadas. 

Nas áreas rurais, embora tenha sido registrado avanço significativo na proporção da população abastecida por rede geral, com ou sem canalização interna – que passou de 12,4%, em 1992, para 32,6%, em 2008 –, o percentual de cobertura por rede pública ainda é bem inferior ao registrado nas áreas urbanas, não tendo sido possível alcançar a meta de reduzir as desigualdades pela metade. O estudo aponta que, na zona rural, a água utilizada pelas famílias ainda provém principalmente de poços, nascentes ou outro tipo de fonte.

 

Esgoto

A desigualdade espacial e social também se dá no acesso aos serviços de esgotamento sanitário. Na escala regional, os maiores déficits ocorrem no Norte, Centro-Oeste e Nordeste e áreas rurais. Embora o percentual de cobertura por rede geral de esgotos ou fossa séptica tenha subido de 10,3%, em 1992, para 23,1%, em 2008, as condições ainda são inadequadas. No campo, 46,6% da população é atendida por fossas rudimentares, 5,6% por vala, 3,1% lançam seus esgotos diretamente nos rios, lagos ou mar, 0,6% adotam outro tipo de solução não adequada e 21% não possuem nenhum tipo de esgotamento sanitário.

No acesso simultâneo aos dois tipos de serviço de saneamento básico, o porcentual da população urbana servida por água canalizada de rede geral no interior do domicílio e esgotamento sanitário de rede geral ou fossa séptica passou de 62,3%, em 1992, para 76%, em 2008.

Levando em conta os aspectos étnicos, mesmo tendo sofrido redução de 13% nos últimos 16 anos, as desigualdades no acesso a saneamento adequado ainda são bastante pronunciadas: 82,2% da população branca está coberta por serviços de água e esgoto adequados, contra apenas 69,4% de cobertura entre pretos e pardos.

 

Fonte:
Ipea

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Programa de Parcerias de Investimentos atualiza processo de concessões
Entre as mudanças, está a necessidade dos editais possuírem aval do Tribunal de Contas da União
Governo lança programa para revitalizar São Francisco
Rio é o maior corpo d'água totalmente brasileiro e é usado como rota de transporte e força motriz para geração de energia
Minha Casa Minha Vida também financia imóveis para classe média
Programa financia moradias para brasileiros de classe média - sem subsídios, mas com juros reduzidos.
Entre as mudanças, está a necessidade dos editais possuírem aval do Tribunal de Contas da União
Programa de Parcerias de Investimentos atualiza processo de concessões
Rio é o maior corpo d'água totalmente brasileiro e é usado como rota de transporte e força motriz para geração de energia
Governo lança programa para revitalizar São Francisco
Programa financia moradias para brasileiros de classe média - sem subsídios, mas com juros reduzidos.
Minha Casa Minha Vida também financia imóveis para classe média

Últimas imagens

Cada empreendimento terá, no máximo máximo, 500 unidades habitacionais
Cada empreendimento terá, no máximo máximo, 500 unidades habitacionais
Divulgação/Caixa
Outros serviços dos Correios são mensagem e Vale Postal Eletrônico, para convocação e pagamento de mesários, respectivamente
Outros serviços dos Correios são mensagem e Vale Postal Eletrônico, para convocação e pagamento de mesários, respectivamente
Marcelo Camargo/ Agência Brasil
O conjunto é formado por sete blocos, com 32 apartamentos em cada um
O conjunto é formado por sete blocos, com 32 apartamentos em cada um
Divulgação/Ministério das Cidades
O objetivo é integrar as propostas do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco ao Plano Novo Chico
O objetivo é integrar as propostas do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco ao Plano Novo Chico
Divulgação/EBC
O BNDES é responsável pela contratação dos serviços necessários à desestatização
O BNDES é responsável pela contratação dos serviços necessários à desestatização
Divulgação/CELG

Governo digital