Você está aqui: Página Inicial > Infraestrutura > 2011 > 12 > PNE 2030 é considerado marco na história do setor energético

Infraestrutura

PNE 2030 é considerado marco na história do setor energético

Energia

Com base nos dados do Plano Nacional de Energia 2030 (PNE 2030), é possível traçar estratégias e definir políticas que garantam a segurança e a qualidade do suprimento energético
por Portal Brasil publicado: 12/12/2011 18h26 última modificação: 28/07/2014 13h21
Steferson Faria PNE 2030 é a principal ferramenta de planejamento de longo prazo à disposição dos gestores públicos e privados do setor energético

PNE 2030 é a principal ferramenta de planejamento de longo prazo à disposição dos gestores públicos e privados do setor energético

O Brasil conta, pela primeira vez em sua história, com um documento que permite estimar a demanda e a oferta de energia por um período de 25 anos. Com base nos dados do Plano Nacional de Energia 2030 (PNE 2030), é possível traçar estratégias e definir políticas que garantam a segurança e a qualidade do suprimento energético para as próximas décadas.

O PNE 2030 leva em consideração, além das variáveis de mercado, questões socioambientais e os potenciais avanços tecnológicos para realizar suas estimativas. Todos os tipos de energia foram contemplados pelo PNE – do petróleo à nuclear, da eólica à termelétrica, do gás natural à biomassa, entre outras. O plano é considerado um marco na história do planejamento do setor energético no País.

Ao lado de outro documento, chamado Matriz Energética Nacional 2030, o PNE 2030 é a principal ferramenta de planejamento de longo prazo à disposição dos gestores públicos e privados do setor. Órgãos como o Ministério de Minas e Energia (MME), a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) utilizam o PNE 2030 cotidianamente.

O PNE 2030 ofereceu subsídios, por exemplo, para a decisão de reativar o programa de expansão da geração de energia nuclear. A realização de um levantamento sobre o potencial hidrelétrico da região amazônica também foi resultado de uma sugestão contida no documento.

Por determinação e orientação do MME, o plano começou a ser elaborado no início de 2006, com a realização de uma série de reuniões temáticas e de um trabalho de pesquisa preliminar que resultaram na realização de seminários públicos. Esses eventos permitiram incluir no plano sugestões vindas dos agentes do mercado e da sociedade brasileira como um todo.

O trabalho de produção do PNE 2030 – desde suas primeiras reuniões até a divulgação do relatório final – foi norteado pela transparência e por um caráter colaborativo. Representantes do setor privado, das estatais, de centros de pesquisa e universidades e de outros órgãos públicos participaram ativamente de todo o processo.

O documento foi lançado em 2007 pelo Ministério de Minas e Energia, como consequência e síntese dos estudos realizados pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), estatal subordinada ao MME. O PNE 2030 é composto de 12 volumes e de mais de cem notas técnicas – estudos que analisam e apresentam sugestões para as mais diversas questões do setor.

A Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético do MME foi a responsável pela coordenação do trabalho desenvolvido pela EPE. O Centro de Pesquisas de Energia (Cepel), vinculado à Eletrobras, também colaborou na produção do PNE 2030.

Fontes:
Ministério de Minas e Energia
Empresa de Pesquisa Energética

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Governo anuncia recursos nas áreas de habitação e saneamento no Rio de Janeiro
O estado do Rio de Janeiro receberá investimentos nas áreas de habitação, contenção de encostas e saneamento
Cadastramento biométrico vai aumentar a segurança na transmissão de dados
Termo de Cooperação assinado pelo Departamento Nacional de Trânsito vai aumentar a segurança na transmissão de dados e otimizar recursos
Novas regras vão facilitar embarque e desembarque em aeroportos
Governo elabora conjunto de orientações para eliminar os obstáculos e reduzir o tempo de espera no embarque e desembarque nos aeroportos
O estado do Rio de Janeiro receberá investimentos nas áreas de habitação, contenção de encostas e saneamento
Governo anuncia recursos nas áreas de habitação e saneamento no Rio de Janeiro
Termo de Cooperação assinado pelo Departamento Nacional de Trânsito vai aumentar a segurança na transmissão de dados e otimizar recursos
Cadastramento biométrico vai aumentar a segurança na transmissão de dados
Governo elabora conjunto de orientações para eliminar os obstáculos e reduzir o tempo de espera no embarque e desembarque nos aeroportos
Novas regras vão facilitar embarque e desembarque em aeroportos

Últimas imagens

Cerca de 2 mil pessoas foram beneficiadas com a entrega das unidades habitacionais, avaliadas em R$ 56 mil cada. O empreendimento custou, no total, R$ 28,2 milhões
Cerca de 2 mil pessoas foram beneficiadas com a entrega das unidades habitacionais, avaliadas em R$ 56 mil cada. O empreendimento custou, no total, R$ 28,2 milhões
Foto: Bruno Peres/Ministério das Cidades
Em 2016, foram transportadas 84,6 milhões de toneladas de cargas pelas hidrovias interiores
Em 2016, foram transportadas 84,6 milhões de toneladas de cargas pelas hidrovias interiores
Danilo Borges/Ministério dos Transportes
Segundo ministro, até o fim do primeiro semestre de 2018, as águas estarão na última estrutura do Eixo Norte
Segundo ministro, até o fim do primeiro semestre de 2018, as águas estarão na última estrutura do Eixo Norte
Arquivo/PAC
A previsão para o ano de 2017 é de que a demanda total de energia deve crescer cerca de 1,5%
A previsão para o ano de 2017 é de que a demanda total de energia deve crescer cerca de 1,5%
Foto: Vanderlei Tacchio/Eletrosul

Governo digital