Você está aqui: Página Inicial > Infraestrutura > 2015 > 01 > Aeroportos registram atrasos e cancelamentos em dia de protesto

Infraestrutura

Aeroportos registram atrasos e cancelamentos em dia de protesto

Transporte aéreo

Empresas de aviação e operadores aeroportuários acionaram planos de contingência e estão readequando suas malhas aéreas
por Portal Brasil publicado: 22/01/2015 13h03 última modificação: 22/01/2015 13h03

Em dia de paralisação de aeronautas e aeroviários, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) registrou, até as 10h, 148 voos domésticos atrasados (19,5% do total) e 66 cancelados (8,7% do total), dos 760 programados.

Os aeroviários e aeronautas pedem aumento de 8,5% nos salários e benefícios, melhores condições de trabalho e estabelecimento de piso salarial para os agentes que fazem o check-in, entre outras reivindicações.

A proposta do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea) e da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) inclui reajuste de 6,5% para os salários e de 8% para alguns benefícios.

No Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, dos 36 voos domésticos programados, 20 estavam atrasados. Em Curitiba, o Aeroporto Internacional Afonso Pena registrou 11 voos atrasados dos 35 previstos.

No Aeroporto Internacional de Florianópolis - Hercílio Luz, dos 15 voos domésticos previstos, seis estavam em atraso.

No Aeroporto Internacional de Salvador - Deputado Luis Eduardo Magalhães, sete voos estavam atrasados dos 46 programados.

Em nota, a Abear informou que a paralisação dos trabalhadores teve, em consequência das ações gerenciais adotadas pelo setor, impacto mínimo para os passageiros.

“No entanto, ainda assim o movimento causou impacto em mais de 20% da operação prevista, não garantindo um efetivo mínimo de 80% dos colaboradores, estabelecido pelo Judiciário. Honrando seu compromisso de transportar os brasileiros com segurança e qualidade, as companhias aéreas estão normalizando as operações e adotando as medidas judiciais cabíveis”, acrescentou.

Ontem, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinou que aeronautas e aeroviários mantenham 80% do pessoal trabalhando durante a paralisação.

Segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, comandante Adriano Castanho, a categoria quer melhores condições de trabalho e escalas mais justas, como, por exemplo, a redução do número de madrugadas consecutivas trabalhadas, que pode chegar a cinco, e maior número de folgas.

Ele informou que os aeronautas podem ficar até 22 dias fora de casa, com oito dias de folga no mês.

De acordo com a Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil (Fentac), vinculada à Central Única dos Trabalhadores, os sindicatos farão assembleias hoje às 15h. Amanhã (23), às 14h, ocorrerá audiência de conciliação entre a Fentac e o Snea no Tribunal Superior do Trabalho, em Brasília.

Plano de contingência

Em nota, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) informa que está monitorando a situação da malha aérea e os eventuais impactos nas operações desde a madrugada de quinta-feira (22).

Segundo o comunicado divulgado durante a manhã, as empresas aéreas e os operadores aeroportuários já acionaram planos de contingência e estão readequando suas malhas aéreas para evitar maiores transtornos aos passageiros.

Caso os passageiros sintam prejudicados, a agência recomenda que o consumidor entre em contato com a empresa aérea para reivindicar seus direitos.

Se as tentativas de solução do problema não apresentarem resultado, o usuário poderá encaminhar a demanda à Anac, aos órgãos de defesa do consumidor e ao Poder Judiciário.

A agência possui canais de comunicação destinados a receber manifestações pela internet (Fale com a Anac) ou pelo telefone 0800 725 4445 (que funciona 24 horas, sete dias por semana, inclusive com atendimento em inglês e espanhol).

Fonte:
Agência Brasil
Agência Nacional de Aviação Civil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Conheça as novas regras do transporte aéreo
Brasil adere às melhores práticas internacionais da aviação e passa a ter regras modernas e alinhadas com o Código de Defesa do Consumidor
Entenda as novas regras da bagagem no transporte aéreo
Peso da mala de mão vai passar de 5kg para 10kg, e quem despachar a bagagem vai pagar apenas o peso que levar
ID Jovem garante gratuidade em transporte rodoviário interestadual
Dois acentos gratuitos em ônibus convencional estão entre os direitos. Para conseguir o benefício, o passageiro precisa ter, em mãos, o documento Identidade Jovem
Brasil adere às melhores práticas internacionais da aviação e passa a ter regras modernas e alinhadas com o Código de Defesa do Consumidor
Conheça as novas regras do transporte aéreo
Peso da mala de mão vai passar de 5kg para 10kg, e quem despachar a bagagem vai pagar apenas o peso que levar
Entenda as novas regras da bagagem no transporte aéreo
Dois acentos gratuitos em ônibus convencional estão entre os direitos. Para conseguir o benefício, o passageiro precisa ter, em mãos, o documento Identidade Jovem
ID Jovem garante gratuidade em transporte rodoviário interestadual

Últimas imagens

Passageiros que recusarem inspeção nos pertences podem ser impedidos de embarcar nos voos para o país
Passageiros que recusarem inspeção nos pertences podem ser impedidos de embarcar nos voos para o país
Arquivo/Infraero
Limite do recebimento do benefício por pessoa é de R$ 9.646,07, no total
Limite do recebimento do benefício por pessoa é de R$ 9.646,07, no total
Divulgação/Prefeitura de Porto Alegre (RS)
Crescimento da participação do transporte aéreo é registrado consecutivamente desde 2007
Crescimento da participação do transporte aéreo é registrado consecutivamente desde 2007
Divulgação/Governo de São Paulo
Indicadores do transporte aéreo internacional foram recorde no mês
Indicadores do transporte aéreo internacional foram recorde no mês
Divulgação/Secretaria de Aviação Civil
Condutores devem sempre respeitar os limites de velocidade e usar o cinto de segurança
Condutores devem sempre respeitar os limites de velocidade e usar o cinto de segurança
Thiago Amaral/Governo do Piauí

Governo digital