Você está aqui: Página Inicial > Infraestrutura > 2015 > 01 > Aeroportos registram atrasos e cancelamentos em dia de protesto

Infraestrutura

Aeroportos registram atrasos e cancelamentos em dia de protesto

Transporte aéreo

Empresas de aviação e operadores aeroportuários acionaram planos de contingência e estão readequando suas malhas aéreas
por Portal Brasil publicado: 22/01/2015 13h03 última modificação: 22/01/2015 13h03

Em dia de paralisação de aeronautas e aeroviários, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) registrou, até as 10h, 148 voos domésticos atrasados (19,5% do total) e 66 cancelados (8,7% do total), dos 760 programados.

Os aeroviários e aeronautas pedem aumento de 8,5% nos salários e benefícios, melhores condições de trabalho e estabelecimento de piso salarial para os agentes que fazem o check-in, entre outras reivindicações.

A proposta do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea) e da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) inclui reajuste de 6,5% para os salários e de 8% para alguns benefícios.

No Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, dos 36 voos domésticos programados, 20 estavam atrasados. Em Curitiba, o Aeroporto Internacional Afonso Pena registrou 11 voos atrasados dos 35 previstos.

No Aeroporto Internacional de Florianópolis - Hercílio Luz, dos 15 voos domésticos previstos, seis estavam em atraso.

No Aeroporto Internacional de Salvador - Deputado Luis Eduardo Magalhães, sete voos estavam atrasados dos 46 programados.

Em nota, a Abear informou que a paralisação dos trabalhadores teve, em consequência das ações gerenciais adotadas pelo setor, impacto mínimo para os passageiros.

“No entanto, ainda assim o movimento causou impacto em mais de 20% da operação prevista, não garantindo um efetivo mínimo de 80% dos colaboradores, estabelecido pelo Judiciário. Honrando seu compromisso de transportar os brasileiros com segurança e qualidade, as companhias aéreas estão normalizando as operações e adotando as medidas judiciais cabíveis”, acrescentou.

Ontem, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinou que aeronautas e aeroviários mantenham 80% do pessoal trabalhando durante a paralisação.

Segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, comandante Adriano Castanho, a categoria quer melhores condições de trabalho e escalas mais justas, como, por exemplo, a redução do número de madrugadas consecutivas trabalhadas, que pode chegar a cinco, e maior número de folgas.

Ele informou que os aeronautas podem ficar até 22 dias fora de casa, com oito dias de folga no mês.

De acordo com a Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil (Fentac), vinculada à Central Única dos Trabalhadores, os sindicatos farão assembleias hoje às 15h. Amanhã (23), às 14h, ocorrerá audiência de conciliação entre a Fentac e o Snea no Tribunal Superior do Trabalho, em Brasília.

Plano de contingência

Em nota, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) informa que está monitorando a situação da malha aérea e os eventuais impactos nas operações desde a madrugada de quinta-feira (22).

Segundo o comunicado divulgado durante a manhã, as empresas aéreas e os operadores aeroportuários já acionaram planos de contingência e estão readequando suas malhas aéreas para evitar maiores transtornos aos passageiros.

Caso os passageiros sintam prejudicados, a agência recomenda que o consumidor entre em contato com a empresa aérea para reivindicar seus direitos.

Se as tentativas de solução do problema não apresentarem resultado, o usuário poderá encaminhar a demanda à Anac, aos órgãos de defesa do consumidor e ao Poder Judiciário.

A agência possui canais de comunicação destinados a receber manifestações pela internet (Fale com a Anac) ou pelo telefone 0800 725 4445 (que funciona 24 horas, sete dias por semana, inclusive com atendimento em inglês e espanhol).

Fonte:
Agência Brasil
Agência Nacional de Aviação Civil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Leilões e concessões incentivam setor portuário em 2017
Portos são responsáveis por 85% do escoamento da produção para o comércio exterior
Fundo da Marinha Mercante financia 74 embarcações
Ao longo de 2017, medidas impulsionaram escoamento da produção brasileira pelo norte do País
Programa Agora é avançar retoma obras para melhoria do transporte público em Aracaju
Ao todo, iniciativa vai retomar 7 mil obras paralisadas em todo o País
Portos são responsáveis por 85% do escoamento da produção para o comércio exterior
Leilões e concessões incentivam setor portuário em 2017
Ao longo de 2017, medidas impulsionaram escoamento da produção brasileira pelo norte do País
Fundo da Marinha Mercante financia 74 embarcações
Ao todo, iniciativa vai retomar 7 mil obras paralisadas em todo o País
Programa Agora é avançar retoma obras para melhoria do transporte público em Aracaju

Governo digital