Você está aqui: Página Inicial > Infraestrutura > 2016 > 03 > Nova regra estimula consumidor a gerar energia elétrica

Infraestrutura

Nova regra estimula consumidor a gerar energia elétrica

Aneel

Quando a energia gerada em um mês for superior à energia consumida, o consumidor ficará com créditos para diminuir a fatura dos meses seguintes
publicado: 02/03/2016 15h52 última modificação: 03/03/2016 13h50

Novas regras que tratam do Sistema de Compensação de Energia Elétrica já estão em vigor, informa a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Na prática, a partir de agora fica mais fácil para o consumidor instalar pequenos geradores (tais como painéis solares fotovoltaicos e microturbinas eólicas, entre outras fontes renováveis) em seu imóvel e, a partir daí, trocar energia com a distribuidora. Isso permitirá reduzir o valor da fatura de energia elétrica.

Entre 2014 e 2016, os registros de adesão ao modelo de geração distribuída quadruplicaram, passando de 424 conexões para 1.930 conexões. As primeiras instalações foram registradas em 2012. Agora, com a revisão da norma (que simplifica procedimentos de registro), a estimativa é que mais 1,2 milhão de consumidores passem a produzir sua própria energia elétrica até 2024, o equivalente a 4,5 gigawatts (GW) de potência instalada.

A resolução autoriza o uso de qualquer fonte renovável, além da cogeração qualificada, denominando-se microgeração distribuída a central geradora com potência instalada até 75 quilowatts (KW) e minigeração distribuída aquela com potência acima de 75 kW e menor ou igual a 5 MW (sendo 3 MW para a fonte hídrica), conectadas na rede de distribuição por meio de instalações de unidades consumidoras.

Quando a quantidade de energia gerada em determinado mês for superior à energia consumida naquele período, o consumidor fica com créditos que podem ser utilizados para diminuir a fatura dos meses seguintes. O prazo de validade dos créditos passou de 36 para 60 meses, e podem ser usados também para abater o consumo de unidades consumidoras do mesmo titular situadas em outro local, desde que na área de atendimento de uma mesma distribuidora. Esse tipo de utilização dos créditos é chamado de “autoconsumo remoto”.

Outra inovação da norma diz respeito à possibilidade de instalação de geração distribuída em condomínios. Nessa configuração, a energia gerada pode ser repartida entre os condôminos em porcentagens definidas pelos próprios consumidores.

A Aneel criou ainda a figura da “geração compartilhada”, possibilitando que diversos interessados se unam em um consórcio ou em uma cooperativa, instalem uma micro ou minigeração distribuída e utilizem a energia gerada para redução das faturas dos consorciados ou cooperados.

Com relação aos procedimentos necessários para se conectar à micro ou minigeração distribuída à rede da distribuidora, a Aneel estabeleceu regras que simplificam o processo: foram instituídos formulários padrão para realização da solicitação de acesso pelo consumidor. O prazo total para a distribuidora conectar usinas de até 75 kW, que era de 82 dias, foi reduzido para 34 dias.

Adicionalmente, a partir de janeiro de 2017, os consumidores poderão fazer a solicitação e acompanhar o andamento de seu pedido junto à distribuidora pela internet.

A geração de energia perto do local de consumo traz uma série de vantagens, tais como redução dos gastos dos consumidores, economia dos investimentos em transmissão, redução das perdas nas redes e melhoria da qualidade do serviço de energia elétrica. A expansão da geração distribuída beneficia o consumidor-gerador, a economia do País e os demais consumidores, pois esses benefícios se estendem a todo o sistema elétrico.

Eólica

Eólica

Fonte: Portal Brasil, com informações da Aneel

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Programa de Parcerias de Investimentos atualiza processo de concessões
Entre as mudanças, está a necessidade dos editais possuírem aval do Tribunal de Contas da União
Governo lança programa para revitalizar São Francisco
Rio é o maior corpo d'água totalmente brasileiro e é usado como rota de transporte e força motriz para geração de energia
Minha Casa Minha Vida também financia imóveis para classe média
Programa financia moradias para brasileiros de classe média - sem subsídios, mas com juros reduzidos.
Entre as mudanças, está a necessidade dos editais possuírem aval do Tribunal de Contas da União
Programa de Parcerias de Investimentos atualiza processo de concessões
Rio é o maior corpo d'água totalmente brasileiro e é usado como rota de transporte e força motriz para geração de energia
Governo lança programa para revitalizar São Francisco
Programa financia moradias para brasileiros de classe média - sem subsídios, mas com juros reduzidos.
Minha Casa Minha Vida também financia imóveis para classe média

Últimas imagens

Sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada e possibilita aos consumidores o uso consciente da energia elétrica
Sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada e possibilita aos consumidores o uso consciente da energia elétrica
Reprodução/Agência Brasil
Cada empreendimento terá, no máximo máximo, 500 unidades habitacionais
Cada empreendimento terá, no máximo máximo, 500 unidades habitacionais
Divulgação/Caixa
Outros serviços dos Correios são mensagem e Vale Postal Eletrônico, para convocação e pagamento de mesários, respectivamente
Outros serviços dos Correios são mensagem e Vale Postal Eletrônico, para convocação e pagamento de mesários, respectivamente
Marcelo Camargo/ Agência Brasil
O conjunto é formado por sete blocos, com 32 apartamentos em cada um
O conjunto é formado por sete blocos, com 32 apartamentos em cada um
Divulgação/Ministério das Cidades
O objetivo é integrar as propostas do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco ao Plano Novo Chico
O objetivo é integrar as propostas do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco ao Plano Novo Chico
Divulgação/EBC

Governo digital