Você está aqui: Página Inicial > Infraestrutura > 2016 > 03 > Nova regra estimula consumidor a gerar energia elétrica

Infraestrutura

Nova regra estimula consumidor a gerar energia elétrica

Aneel

Quando a energia gerada em um mês for superior à energia consumida, o consumidor ficará com créditos para diminuir a fatura dos meses seguintes
publicado: 02/03/2016 15h52 última modificação: 03/03/2016 13h50

Novas regras que tratam do Sistema de Compensação de Energia Elétrica já estão em vigor, informa a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Na prática, a partir de agora fica mais fácil para o consumidor instalar pequenos geradores (tais como painéis solares fotovoltaicos e microturbinas eólicas, entre outras fontes renováveis) em seu imóvel e, a partir daí, trocar energia com a distribuidora. Isso permitirá reduzir o valor da fatura de energia elétrica.

Entre 2014 e 2016, os registros de adesão ao modelo de geração distribuída quadruplicaram, passando de 424 conexões para 1.930 conexões. As primeiras instalações foram registradas em 2012. Agora, com a revisão da norma (que simplifica procedimentos de registro), a estimativa é que mais 1,2 milhão de consumidores passem a produzir sua própria energia elétrica até 2024, o equivalente a 4,5 gigawatts (GW) de potência instalada.

A resolução autoriza o uso de qualquer fonte renovável, além da cogeração qualificada, denominando-se microgeração distribuída a central geradora com potência instalada até 75 quilowatts (KW) e minigeração distribuída aquela com potência acima de 75 kW e menor ou igual a 5 MW (sendo 3 MW para a fonte hídrica), conectadas na rede de distribuição por meio de instalações de unidades consumidoras.

Quando a quantidade de energia gerada em determinado mês for superior à energia consumida naquele período, o consumidor fica com créditos que podem ser utilizados para diminuir a fatura dos meses seguintes. O prazo de validade dos créditos passou de 36 para 60 meses, e podem ser usados também para abater o consumo de unidades consumidoras do mesmo titular situadas em outro local, desde que na área de atendimento de uma mesma distribuidora. Esse tipo de utilização dos créditos é chamado de “autoconsumo remoto”.

Outra inovação da norma diz respeito à possibilidade de instalação de geração distribuída em condomínios. Nessa configuração, a energia gerada pode ser repartida entre os condôminos em porcentagens definidas pelos próprios consumidores.

A Aneel criou ainda a figura da “geração compartilhada”, possibilitando que diversos interessados se unam em um consórcio ou em uma cooperativa, instalem uma micro ou minigeração distribuída e utilizem a energia gerada para redução das faturas dos consorciados ou cooperados.

Com relação aos procedimentos necessários para se conectar à micro ou minigeração distribuída à rede da distribuidora, a Aneel estabeleceu regras que simplificam o processo: foram instituídos formulários padrão para realização da solicitação de acesso pelo consumidor. O prazo total para a distribuidora conectar usinas de até 75 kW, que era de 82 dias, foi reduzido para 34 dias.

Adicionalmente, a partir de janeiro de 2017, os consumidores poderão fazer a solicitação e acompanhar o andamento de seu pedido junto à distribuidora pela internet.

A geração de energia perto do local de consumo traz uma série de vantagens, tais como redução dos gastos dos consumidores, economia dos investimentos em transmissão, redução das perdas nas redes e melhoria da qualidade do serviço de energia elétrica. A expansão da geração distribuída beneficia o consumidor-gerador, a economia do País e os demais consumidores, pois esses benefícios se estendem a todo o sistema elétrico.

Eólica

Eólica

Fonte: Portal Brasil, com informações da Aneel

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Governo federal investe R$ 30 bilhões para combater a seca no nordeste brasileiro
Só com o projeto de Integração do Rio São Francisco, cerca de 12 milhões de pessoas serão beneficiadas
Projeto de Integração do Rio São Francisco vai beneficiar 12 milhões de pessoas
Orçadas em R$ 9,6 bilhões, as obras, com 477 quilômetros, estão em fase final nos eixos norte e leste. O projeto é uma prioridade do governo federal e passa pelos estados do Ceará, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte
Minha Casa Minha Vida beneficia 5 mil pessoas no município de Mogi Guaçu
O programa Minha Casa Minha Vida beneficiou cerca de 5 mil pessoas da cidade de Mogi Guaçu (SP). Os investimentos do governo federal, na obra, são da ordem de R$ 119 milhões
Só com o projeto de Integração do Rio São Francisco, cerca de 12 milhões de pessoas serão beneficiadas
Governo federal investe R$ 30 bilhões para combater a seca no nordeste brasileiro
Orçadas em R$ 9,6 bilhões, as obras, com 477 quilômetros, estão em fase final nos eixos norte e leste. O projeto é uma prioridade do governo federal e passa pelos estados do Ceará, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte
Projeto de Integração do Rio São Francisco vai beneficiar 12 milhões de pessoas
O programa Minha Casa Minha Vida beneficiou cerca de 5 mil pessoas da cidade de Mogi Guaçu (SP). Os investimentos do governo federal, na obra, são da ordem de R$ 119 milhões
Minha Casa Minha Vida beneficia 5 mil pessoas no município de Mogi Guaçu

Últimas imagens

Picos de demanda da operação especial estão previstos para os dias 24 de fevereiro  e 1º de março
Picos de demanda da operação especial estão previstos para os dias 24 de fevereiro e 1º de março
Divulgação/Ministério dos Transportes
Investimentos previstos para a derrocagem são de R$ 181,5 milhões
Investimentos previstos para a derrocagem são de R$ 181,5 milhões
Edsom Leite/MTPA
Novo contrato prevê investimentos da ordem de R$ 160 milhões e atenderá mais 11,5 mil famílias
Novo contrato prevê investimentos da ordem de R$ 160 milhões e atenderá mais 11,5 mil famílias
Divulgação/Governo do Acre
Codevasf também vai construir passagem molhada de 20m de extensão por 4,5m de largura
Codevasf também vai construir passagem molhada de 20m de extensão por 4,5m de largura
Divulgação/Codevasf
Aguadas já existentes e as previstas têm volume de acumulação entre 7m³ e 21m³
Aguadas já existentes e as previstas têm volume de acumulação entre 7m³ e 21m³
Divulgação/Codevasf

Governo digital