Você está aqui: Página Inicial > Meio Ambiente > 2009 > 11 > Cor, porosidade e textura determinam tipo de uso dos solos

Meio Ambiente

Cor, porosidade e textura determinam tipo de uso dos solos

Terra

Minerais, água e gás são algumas das substâncias que formam os solos
por Portal Brasil publicado: 05/11/2009 07h11 última modificação: 30/06/2014 16h29
J. Wagner da Silva/Embratur No Nordeste, o solo arenoso é comum, possui boa porosidade e é também bastante permeável

No Nordeste, o solo arenoso é comum, possui boa porosidade e é também bastante permeável

O solo recobre a superfície da terra e é constituído de diferentes tipos de substâncias, como minerais, água e gás. Características como cor, porosidade, permeabilidade e textura influem no tipo de uso que se faz do solo.

Cor

A cor do solo depende do material de origem e do conteúdo de matéria orgânica (elementos vivos e não vivos compostos de carbono). O solo é mais escuro, por exemplo, quanto maior for a quantidade de matéria orgânica. A cor indica se ele é fértil ou não. Tons avermelhados ou amarelados estão associados a óxidos de ferro e, por isso, podem representar um terreno bom para plantação. É o caso da terra roxa (nome que veio da palavra italiana “rosso”, que significa “vermelho”). No Brasil, esse tipo de solo é encontrado principalmente nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.

Porosidade
A porosidade se refere à porção do espaço ocupado por líquidos e gases em relação à massa do solo, ou seja, diz respeito aos “vazios”. Essa característica resulta em maior ou menor circulação de água no solo. Se há mais poros, a penetração da água é maior e alcança camadas mais profundas, o que diminui a umidade do solo.

Permeabilidade
A permeabilidade do solo está diretamente relacionada à porosidade, pois diz respeito à condição da água de circular pelo solo.

Textura
Outros fatores que influenciam na permeabilidade de um solo são o tamanho e a proporção das partículas que o compõem, ou seja, sua textura. Na ordem do menor para o maior diâmetro de suas partículas, o solo pode ser argiloso, de silte (fragmentos de rocha ou partículas surgidas da destruição de outras rochas), arenoso ou de pedregulho (calcário).

O solo argiloso é menos permeável e, por isso, armazena mais água. Além disso, tem grande quantidade de óxidos de alumínio e de ferro. A terra roxa, boa para a prática da agricultura, e o massapé, encontrado no Nordeste e muito relacionado à cultura de cana-de-açúcar, são exemplos de solo argiloso.

O solo de silte tem partículas pequenas e leves e normalmente pode sofrer erosão (desgaste ou arrastamento da terra por ação da água, do vento, de transporte ou de outros agentes). Por isso, não é usado na agricultura. Estradas de terra que soltam muito pó em períodos de seca têm esse tipo de solo.

O solo arenoso, comum principalmente no Nordeste, tem boa porosidade e é bastante permeável. A penetração da água até camadas mais profundas faz com que ele seja mais seco. Assim, plantas e micro-organismos têm mais dificuldade para crescer nessas condições.

Por fim, o solo de pedregulho, ou de calcário, é formado por partículas de rochas e, por isso, não é adequado para a agricultura. No entanto, o pó branco ou amarelado retirado dele é usado na agricultura para mudar a acidez do solo em que haverá cultivo. Comum em áreas de deserto, também fornece matéria-prima para a fabricação de cal e cimento.

Fontes:
Portal do Professor (MEC)    
USP    
Embrapa

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Banner - Combate às Queimadas

Últimos vídeos

Inmetro dá dicas para quem quer economizar energia
Com a crescente necessidade de economizar energia, o Inmetro dá dicas para quem quer poupar sem ter de abrir mão do conforto
Voluntários combatem fogo na Chapada dos Veadeiros
Brigadistas do Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio) e bombeiros do Distrito Federal, além de representantes do Ibama e voluntários, participam do combate ao fogo que consome o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás
ICMBio completa 10 anos de atuação
Instituto agrega 324 unidades de conservação, que somam quase 80 milhões de hectares - o equivalente a 9% do território nacional
Com a crescente necessidade de economizar energia, o Inmetro dá dicas para quem quer poupar sem ter de abrir mão do conforto
Inmetro dá dicas para quem quer economizar energia
Brigadistas do Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio) e bombeiros do Distrito Federal, além de representantes do Ibama e voluntários, participam do combate ao fogo que consome o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás
Voluntários combatem fogo na Chapada dos Veadeiros
Instituto agrega 324 unidades de conservação, que somam quase 80 milhões de hectares - o equivalente a 9% do território nacional
ICMBio completa 10 anos de atuação

Últimas imagens

Alteração na lei prevê a promoção de iniciativas que promovam o uso das águas pluviais, que podem ser usadas para a manutenção de jardins, limpeza de calçadas e em atividades agrícolas e industriais
Alteração na lei prevê a promoção de iniciativas que promovam o uso das águas pluviais, que podem ser usadas para a manutenção de jardins, limpeza de calçadas e em atividades agrícolas e industriais
Foto: Tony Winston/Governo de Brasília
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

banner_servico.jpg

Governo digital