Você está aqui: Página Inicial > Meio Ambiente > 2012 > 11 > Desmatamento da Amazônia brasileira cai para índices recorde

Meio ambiente

Desmatamento da Amazônia brasileira cai para índices recorde

por Portal Brasil publicado: 27/11/2012 19h15 última modificação: 29/07/2014 08h57

O Ministério do Meio Ambiente anunciou hoje em uma conferência de imprensa que os índices do desmatamento na Amazônia Brasileira caíram 27% entre agosto de 2011 e julho de 2012, alcançando os índices mais baixos em quatro anos. De acordo com os dados analisados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), uma área de florestas de aproximadamente 4.656 Km² foi desmatada em um período de 12 meses. Nos 12 meses anteriores foram desmatados 6.418 Km². “Considero este fato como uma das poucas histórias de notícias positivas para o meio ambiente este ano”, disse Izabella Teixeira, ministra do Meio Ambiente.

A ministra também informou que os dados representam uma redução de 76,27% no desmatamento, deixando o Brasil mais próximo da sua meta nacional voluntária, firmada na Política Nacional sobre Mudança do Clima, de reduzir o desmatamento na região da Amazônia em 80% até 2020.

Segundo ela, “isso serve de exemplo ao mundo de como um país em desenvolvimento pode alcançar as metas propostas”. E com relação às negociações em andamento na 18a Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas, em Doha, no Qatar, ela adiciona: “espero que isso sirva de exemplo em Doha, porque precisamos agir urgentemente, os relatórios globais sobre as alterações no clima mostram que a situação está cada vez pior”.

Dos nove estados que compõem a Amazônia Brasileira, apenas três tiveram um aumento em seus índices de desmatamento. Os estados de Tocantins, Amazonas e Acre registraram um aumento de 33, 29 e 10 por cento, respectivamente.

O Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (PRODES) começou em 1988 e usa imagens de satélite para mostrar onde ocorre a remoção completa da cobertura florestal ou corte raso. As estimativas têm uma margem de 10% de erro e os dados finais serão liberados em meados de 2013.

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil