Você está aqui: Página Inicial > Meio Ambiente > 2013 > 11 > Inpa debate desenvolvimento sustentável na Amazônia

Meio Ambiente

Inpa debate desenvolvimento sustentável na Amazônia

Fórum Mundial

Documento final do 6º Fórum Mundial de Ciência recomenda a cooperação científica internacional e ações nacionais para o desenvolvimento sustentável
por Portal Brasil publicado: 29/11/2013 17h39 última modificação: 29/07/2014 23h56

“Na Amazônia não há espaço para ‘copiar e colar’". A afirmação é do diretor do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), o pesquisador Adalberto Val, que participou do 6º Fórum Mundial de Ciência (FMC), no Rio de Janeiro. Pela primeira vez. o evento acontece fora da Europa e durante quatro dias (24 a 27 de novembro) reuniu mais de 700 pesquisadores e representantes de 120 países para discutir a temática “Ciência para o Desenvolvimento Global”.

Val coordenou o debate da sessão temática paralela “Amazônia, biodiversidade e desenvolvimento sustentável", na última segunda-feira, que teve ainda na mesa o coordenador científico do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Áreas úmidas (INCT-INAU), Wolfgang Junk, e os pesquisadores do Museu Paraense Emílio Goeldi, Jhan Carlo Espinoza e Marlúcia Martins. A mensagem deixada pelos painelistas é que é importante preservar a biodiversidade não só da Amazônia, que detém 20% da biodiversidade do mundo, mas de outras áreas do planeta.

“Na Amazônia não há espaço para ‘copiar e colar’, porque as informações que a Amazônia precisa tem de ser desenvolvidas para as suas condições”, disse Val. “Temos a necessidade de desenvolver produtos e processos robustos que permitam geração de renda com a manutenção da floresta em pé. E a educação é fundamental para termos um novo paradigma”, acrescentou.

Na declaração final do Fórum, o documento faz uma série de recomendações, como a cooperação científica internacional e ações nacionais coordenadas para o desenvolvimento sustentável global. O texto classifica a educação básica como elemento fundamental da cultura moderna e componente vital da capacidade de um país para competir em economia global, e destaca a necessidade de se priorizar a educação de qualidade em ciência, tecnologia e engenharia.

Para o diretor do Inpa, a inclusão da Amazônia no Fórum, que tratou de questões altamente relevantes, confere à região importância e significativa visibilidade junto à Ciência Mundial. “Avançamos em muitas áreas, mas a dimensão das demandas é tão grande que a Ciência e a Tecnologia têm um papel extremamente relevante”, avaliou Val.

Fonte:
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Banner - Combate às Queimadas

Últimos vídeos

Prazo para registro no Cadastro Ambiental Rural é prorrogado
Presidente Michel Temer sanciona lei que prorroga registro no Cadastro Ambiental Rural (CAR) para dezembro de 2017
Brasil já registrou 112 mil focos de queimadas e incêndios neste ano
Dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Registro é 16% maior que o registrado no mesmo período do ano passado.
Conheça a proposta do Santuário de Baleias do Atlântico Sul
Para proteger a população das diferentes espécies de baleias da região do Atlântico Sul, o Brasil, a Argentina, a África do Sul, o Uruguai e o Gabão estão propondo a criação do santuário
Presidente Michel Temer sanciona lei que prorroga registro no Cadastro Ambiental Rural (CAR) para dezembro de 2017
Prazo para registro no Cadastro Ambiental Rural é prorrogado
Dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Registro é 16% maior que o registrado no mesmo período do ano passado.
Brasil já registrou 112 mil focos de queimadas e incêndios neste ano
Para proteger a população das diferentes espécies de baleias da região do Atlântico Sul, o Brasil, a Argentina, a África do Sul, o Uruguai e o Gabão estão propondo a criação do santuário
Conheça a proposta do Santuário de Baleias do Atlântico Sul

Últimas imagens

Apenas 14% dos reservatórios do semiárido estão com o volume acima de 50%. Pernambuco tem 24 dos 69 reservatórios sem água
Apenas 14% dos reservatórios do semiárido estão com o volume acima de 50%. Pernambuco tem 24 dos 69 reservatórios sem água
Marcello Casal Jr/ Agência Brasil
A participação no grupo está aberta a todos os países do bioma
A participação no grupo está aberta a todos os países do bioma
Jefferson Rudy/MMA
Três candidaturas serão finalistas em cada uma das sete categorias
Três candidaturas serão finalistas em cada uma das sete categorias
Divulgação/ICMBio
Estabelecidas por decreto em 1990, as RPPNs passaram a ser consideradas unidades de conservação no ano 2000
Estabelecidas por decreto em 1990, as RPPNs passaram a ser consideradas unidades de conservação no ano 2000
Divulgação/ICMBio

banner_servico.jpg

Governo digital