Você está aqui: Página Inicial > Meio Ambiente > 2014 > 06 > Brasil é principal exemplo de sucesso na redução do desmatamento, aponta ONU

Meio Ambiente

Brasil é principal exemplo de sucesso na redução do desmatamento, aponta ONU

Proteção ambiental

País fez as maiores reduções no desmatamento e nas emissões em todo o mundo, ressalta documento
por Portal Brasil publicado: 05/06/2014 14h58 última modificação: 30/07/2014 03h11

A Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou na última quinta-feira (5), data em que foi comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente, o relatório "Histórias de sucesso no âmbito do desmatamento" informando que o Brasil é o País que mais combateu o desmatamento no mundo na última década.

Produzido pela Union of Concerned Scientists (UCS), com sede nos Estados Unidos, o documento fala sobre mudanças climáticas e emissões de gases que provocam o aquecimento global, tópicos em que o Brasil também foi considerado exemplar.

O relatório indica que o governo brasileiro reduziu o desmatamento na Amazônia, a maior floresta tropical do mundo, por meio da criação de áreas de proteção ambiental a partir da segunda metade da década de 1990, com grande intensificação neste século, e as moratórias acordadas com empresas privadas sobre a compra de soja e carne de áreas desmatadas. “As mudanças na Amazônia brasileira na década passada e a sua contribuição para atrasar o aquecimento global não têm precedentes”, diz o documento.

Dezesseis países da África, América Latina e Ásia também são citados como exemplos de sucesso na proteção às florestas.

Desenvolvimento sustentável

De acordo com o principal autor do trabalho, Doug Boucher, o caso brasileiro mostra que o desenvolvimento econômico não é prejudicado pela redução do desmatamento. “Por exemplo, as indústrias de soja e de carne bovina no Brasil prosperaram apesar das moratórias evitando o desmatamento”.

O relatório avalia que a derrubada da floresta, “vista no século 20 como algo necessário para o desenvolvimento e uma reflexão do direito do Brasil de controlar seu território, passou a ser vista como uma destruição de recursos devastadora e exploradora daquilo que constituía o patrimônio de todos os brasileiros”.

O estudo destaca o papel desempenhado pelas reservas indígenas na conservação da Floresta Amazônica, iniciativas estaduais e a ação de promotores públicos de Justiça, “um braço independente do governo, separado do Poder Executivo e Legislativo, e com poderes para processar os responsáveis pela violação da lei”.

Também é citado o apoio internacional, como o acordo celebrado com a Noruega, que já repassou US$ 670 milhões em compensação pelas reduções das emissões. O documento é considerado de natureza não apenas financeira, mas também política e simbólica, mostrando o compromisso em apoiar os esforços dos países tropicais.

A atuação do Ministério Público, com ações judiciais que reforçaram a aplicação das leis e a ajuda de sistemas avançados de mapeamento e monitoramento, também foi crucial para o sucesso brasileiro neste quesito. O texto observa ainda que houve acordos com matadouros e exportadores, o que ajudou a identificar os produtores que desmatam.

Grupos analisados

O relatório dividiu os países analisados em três grupos: o primeiro, onde está o Brasil, é o dos que tiveram sucesso na implementação de programas para reduzir desmatamento e emissões ou para promover reflorestamento. Também integram este grupo Índia, Quênia, Madagascar e Guiana.

Há ainda aqueles países em que os programas não tiveram o resultado esperado, mas mesmo assim foram benéficos. Entre eles estão México, Vietnã e Costa Rica. O terceiro grupo, formado por El Salvador e países da África Central, aborda casos em que o sucesso foi devido principalmente a mudanças socioeconômicas.

"Na década de 1990, o desmatamento (global) consumiu 16 milhões de hectares por ano e foi responsável por cerca de 17% do total da poluição que causa o aquecimento global. Atualmente, o cenário global parece consideravelmente mais favorável. O desmatamento diminuiu 19%, passando para 13 milhões de hectares por ano na primeira década do século 21, graças ao sucesso de variadíssimos esforços de proteção das florestas, que também estimularam as economias e meios de vida locais", diz o documento.

Futuro

Em relação ao futuro, no entanto, o relatório informa que duas mudanças em 2013 levantaram dúvidas sobre a continuidade do sucesso do País na área climática: as emendas ao Código Florestal Brasileiro que anistiam desmatamentos anteriores e o aumento de 28% na taxa de desmatamento entre 2012-2013 na comparação com o período 2011-2012.

Futuro

A avaliação do documento é que ainda é muito cedo para prever se este crescimento será uma tendência, mas ressalta que, embora o desmatamento tenha aumentado 28% no ano passado, em relação a 2012, ele foi 9% menor ao registrado em 2011 e 70% inferior à media entre 1996 e 2005.

“O Brasil inscreveu seu plano para reduzir o desmatamento em 80% em 2020 na lei nacional, mas para que haja um progresso continuado será necessário redobrar os esforços para reduzir as emissões”, relata o documento. “Nesse meio tempo, a redução do desmatamento da Amazônia já trouxe uma grande contribuição no combate à mudança climática, mais do que qualquer outro País na Terra”, finaliza.

Fontes:
Agência Brasil
ICMBio

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Banner - Combate às Queimadas

Últimos vídeos

PrevFogo utiliza dados coletador pelo Inpe para combater incêndios
Nesta época do ano, o Prevfogo intensifica a fiscalização das áreas florestais e diminui o índice de áreas destruídas por incêndios
Campanha mundial alerta sobre tráfico de pessoas
Secretaria dos Direitos Humanos do Rio de Janeiro aderiu à campanha Coração Azul com ações de conscientização e alerta sobre o crime
Operação da Força Nacional combate desmatamento no Pará
Antes da operação, agentes receberam instruções preparatórias sobre ética, legalidade, planejamento, técnica e ação de comando
Nesta época do ano, o Prevfogo intensifica a fiscalização das áreas florestais e diminui o índice de áreas destruídas por incêndios
PrevFogo utiliza dados coletador pelo Inpe para combater incêndios
Secretaria dos Direitos Humanos do Rio de Janeiro aderiu à campanha Coração Azul com ações de conscientização e alerta sobre o crime
Campanha mundial alerta sobre tráfico de pessoas
Antes da operação, agentes receberam instruções preparatórias sobre ética, legalidade, planejamento, técnica e ação de comando
Operação da Força Nacional combate desmatamento no Pará

Últimas imagens

Conversão de multas será usada para recuperação de áreas degradas de afluentes do São Francisco
Conversão de multas será usada para recuperação de áreas degradas de afluentes do São Francisco
Foto: Gilberto Soares/MMA
Mercúrio é usado em setores como siderurgia, produção de cimento e mineração artesanal de ouro
Mercúrio é usado em setores como siderurgia, produção de cimento e mineração artesanal de ouro
Arquivo/Anvisa
Com Plantadores de Rios, usuário “apadrinha” nascente e ajuda a preservá-la sem mediação do Estado
Com Plantadores de Rios, usuário “apadrinha” nascente e ajuda a preservá-la sem mediação do Estado
Foto: Fabrício Alves/ANA
Fragmentos encontrados têm características de porcelana portuguesa e espanhola
Fragmentos encontrados têm características de porcelana portuguesa e espanhola
Felipe Mendonça/ICMBio
Um guia viu os cacos espalhados pelas rochas e acionou o ICMBio
Um guia viu os cacos espalhados pelas rochas e acionou o ICMBio
Divulgação/Iphan

banner_servico.jpg

Governo digital