Você está aqui: Página Inicial > Meio Ambiente > 2014 > 06 > Ibama realiza operação para coibir o comércio ilegal de carvão

Meio Ambiente

Ibama realiza operação para coibir o comércio ilegal de carvão

Proteção ambiental

Investigação identificou 89 carvoarias ilegais em diversos estados. Principal destino eram siderúrgicas de Minas Gerais
por Portal Brasil publicado: 05/06/2014 18h10 última modificação: 30/07/2014 03h11

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) iniciou, nesta quinta-feira (5), a operação Metástase. O objetivo é coibir o uso de carvão ilegal na cadeia produtiva de ferro-gusa proveniente dos biomas Cerrado e Caatinga. A operação conta com a parceria da Polícia Federal e do Ministério Público Federal.

Segundo informações do Ibama, o esquema principal dos infratores consistia em obter autorizações irregulares concedidas por órgãos estaduais de meio ambiente para poder "esquentar" (acobertar) o carvão proveniente de áreas não autorizadas. As informações das autorizações eram registradas no sistema de controle florestal e emitia-se o documento de origem florestal como se o carvão tivesse origem legal.

Em seguida, por meio desse sistema informatizado, ocorria uma intensa movimentação de créditos virtuais de carvão proveniente das autorizações fraudulentas, em diversos estados, para vender, comprar e transportar o carvão nativo oriundo de áreas do Cerrado e da Caatinga que não têm autorização para tal atividade. Essas transações contavam com a participação de "agenciadores" (atravessadores) que atuam na organização do comércio ilegal de carvão. O principal destino do carvão ilegal eram indústrias siderúrgicas localizadas no estado de Minas Gerais.

Durante a investigação, foram identificadas 89 carvoarias (origem) localizadas nos estados de Minas Gerais, Mato Grosso, Rondônia, Pará, Goiás, Paraná, Pernambuco, Ceará, Maranhão, Piauí e Tocantins, as quais abasteciam com carvão ilegal 36 siderúrgicas (consumidores) no estado de Minas Gerais. Também foram identificados mais de 200 caminhões que utilizaram documentos de origem florestal fraudulentos para o transporte de carvão ilegal. Como exemplo, uma única empresa, localizada no município de Guaíra, estado do Paraná, acobertou aproximadamente 50 mil metros de carvão (mdc).

Na prática, o carvão era produzido ilegalmente nos estados de Goiás e Minas Gerais e esquentado como se tivesse sido importado do Paraguai ou recebido de outros estados, e depois consumido em Minas Gerais. Em Goiás, outra empresa de fachada, comercializou cerca de 86 mil metros de carvão (mdc) ilegal em apenas um ano, o que equivale a mais 1.400 caminhões de carvão ou cerca de 3 mil hectares de área desmatada. Até o momento, a investigação constatou que, no período de 2 anos, os envolvidos comercializaram pelo menos 210 mil metros de carvão (mdc) produzidos ilegalmente e consumidos pelas siderúrgicas.

A expectativa é que, até o final da operação, sejam aplicadas mais de 60 milhões de reais em multas, além de os infratores serem impedidos de transportar, comercializar e consumir carvão nativo. Até agora, já oram expedidos 49 mandados de prisão e apreensão nos diversos estados envolvidos na operação. As medidas punitivas afetam principalmente os consumidores de carvão ilegal, visando a reduzir a demanda de carvão nativo ilegal e evitar a destruição de cerca de 10 mil hectares por ano dos biomas Cerrado e Caatinga.

Além das ações punitivas, o Ibama vem implantado diversas medidas de segurança no sistema de controle florestal, entre elas, a certificação digital, que passa a ser obrigatória para todos os usuários a partir de 1 de julho de 2014.

Fonte:
Ibama

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Banner - Combate às Queimadas

Últimos vídeos

Brasil apresenta relatório sobre adoção dos ODS
O relatório sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ocorreu durante o Fórum Político de Alto Nível da Organização das Nações Unidas (ONU), nos Estados Unidos
Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros é ampliado
No Dia Mundial do Meio Ambiente, o governo federal anunciou uma série de medidas para a conservação ambiental
Países firmam compromisso pela proteção da Amazônia
Documento estabelece compromissos para promover justiça social, igualdade e o uso sustentável dos recursos naturais na Amazônia
O relatório sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ocorreu durante o Fórum Político de Alto Nível da Organização das Nações Unidas (ONU), nos Estados Unidos
Brasil apresenta relatório sobre adoção dos ODS
No Dia Mundial do Meio Ambiente, o governo federal anunciou uma série de medidas para a conservação ambiental
Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros é ampliado
Documento estabelece compromissos para promover justiça social, igualdade e o uso sustentável dos recursos naturais na Amazônia
Países firmam compromisso pela proteção da Amazônia

Últimas imagens

Levantamento será usado para subsidiar proposta de criação de parque municipal na região de Penha
Levantamento será usado para subsidiar proposta de criação de parque municipal na região de Penha
Divulgação/ICMBio
Projeto Ecotrilhas Serrinha pretende estruturar outras cinco trilhas na região
Projeto Ecotrilhas Serrinha pretende estruturar outras cinco trilhas na região
Divulgação/ICMBio
No Brasil, o processo de ratificação do Acordo de Paris foi concluído em setembro de 2016
No Brasil, o processo de ratificação do Acordo de Paris foi concluído em setembro de 2016
Zig Koch/MMA
Ação de administração de áreas protegidas brasileiras deve ser executada até 2020
Ação de administração de áreas protegidas brasileiras deve ser executada até 2020
Divulgação/Governo de Mato Grosso
Espécie só é encontrada na lagoa do Junco, uma das áreas de vegetação mais conservada da reserva
Espécie só é encontrada na lagoa do Junco, uma das áreas de vegetação mais conservada da reserva
Divulgação/Rebio de Pedra Talhada

banner_servico.jpg

Governo digital