Você está aqui: Página Inicial > Meio Ambiente > 2014 > 08 > Curitiba Ecoelétrico já reduziu quase duas toneladas de emissões

Meio Ambiente

Curitiba Ecoelétrico já reduziu quase duas toneladas de emissões

Consumo sustentável

Com o uso de veículos elétricos, projeto-piloto é considerado o maior sistema de mobilidade inteligente pública do País
por Portal Brasil publicado: 22/08/2014 17h29 última modificação: 22/08/2014 17h29

Em apenas dois meses, o Curitiba Ecoelétrico garantiu uma redução de quase duas toneladas (1.908 kg) de CO² emitidos na atmosfera da capital paranaense. Com o uso de veículos movidos a eletricidade, foram poupados 1.522 litros de combustível, o equivalente a dez barris de petróleo.

O projeto-piloto é composto por oito eletropostos e uma frota de dez veículos elétricos. Se esse comparativo levasse em consideração um universo de mil carros elétricos em um ano, por exemplo, 1.160 toneladas de CO2 deixariam de poluir o ar, quantidade de poluentes que, para ser neutralizada, exigiria o oxigênio produzido por 165 mil árvores.
 
O resultado foi apresentado nessa quarta-feira (20), durante a primeira avaliação do Curitiba Ecoelétrico, projeto piloto que reúne a Itaipu Binacional, a Prefeitura de Curitiba, a Renault, o Centro de Excelência da Indústria da Mobilidade (CeiiA) e outros parceiros.
 
A reunião foi no escritório de Itaipu, em Curitiba. Participaram a diretora financeira executiva da Itaipu, Margaret Groff; a vice-prefeita de Curitiba, Miriam Gonçalves; a diretora do CEiiA, Helena Silva; e a chefe de Veículos Elétricos da Renault, Silvia Barcik.  

Frota compartilhada

Integram a frota do Curitiba Ecoelétrico seis Zoes, dois Kangoos e dois Twizys, da montadora Renault.  No total, 40 usuários compartilham os veículos, distribuídos entre a Guarda Municipal, Secretaria Municipal de Trânsito (Setran) e Instituto Curitiba de Turismo. Há ainda um veículo elétrico Zoe, da Itaipu Binacional, ligado ao sistema.

A frota opera dentro do sistema de gestão de mobilidade elétrica inteligente - Mobi-me, sistema desenvolvido pelo CeiiA, que permite o monitoramento on-line, com a atualização de indicadores de energia elétrica consumida, número de viagens e distâncias percorridas, entre outras informações.    

Poluição

O monitoramento inclui o cálculo dos gases de efeito estufa que deixam de ser lançados na atmosfera, principalmente o CO², já que os veículos elétricos não provocam poluição do ar e nem sonora, pois o motor é silencioso. Esses dados podem ser acompanhados no endereço.   

Em relação à poluição atmosférica, o projeto demonstra que o uso de carros elétricos de forma massiva contribuiria para reduzir os índices e, por consequência, também diminuir os riscos para a saúde pública.

Só no Estado de São Paulo, a poluição atmosférica vai matar até 256 mil pessoas nos próximos 16 anos, segundo projeção feita por pesquisadores da USP para o Instituto Saúde e Sustentabilidade.  

Mobilidade

O Curitiba Ecoelétrico é considerado o maior sistema de mobilidade elétrica inteligente pública do País. O sistema integra o uso de veículos elétricos, eletropostos e outros dispositivos. O projeto é ancorado pelo Programa de Mobilidade Elétrica Inteligente da Itaipu, o Mob.I. Essa gestão integrada de mobilidade em tempo real permite informações personalizadas para os stakeholders.  

“Durante esses dois meses, o que se buscou foi trabalhar várias frentes, a começar pelo aprimoramento do próprio projeto, que é piloto e precisa avançar em vários aspectos”, explicou Margaret.

Entre outros pilares, o Ecoelétrico quer contribuir para consolidar Curitiba como referência na mobilidade urbana sustentável, com base na mobilidade de nova geração, além de promover a pesquisa e o desenvolvimento de novas tecnologias para o Brasil.   

Interesse

O projeto Ecoelétrico já garantiu um ganho incalculável em matérias jornalísticas positivas sobre a capital paranaense, o que demonstra a importância do tema. O projeto ganhou espaço em matérias jornalísticas de várias partes do mundo, principalmente no Brasil e em Portugal. O tema também foi levado para eventos científicos nos Estados Unidos e Europa.

“Estamos buscando, com esse projeto-piloto, avançar na pesquisa e no desenvolvimento de novas tecnologias para o usuário final. Por isso, são fundamentais os aspectos de integração e conectividade, que estão na essência do projeto Mob.I”, disse Margaret.    

O foco principal é o usuário final. Para que o projeto avance, novas avaliações serão feitas a cada dois meses. As reuniões serão permanentes com todos os envolvidos para o apontamento dos problemas diagnosticados e as soluções, segundo ainda Margaret. Em Brasília, um projeto-piloto semelhante também já está em testes. Os resultados serão divulgados em breve.

Fonte:
Itaipu 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Brasil assina acordo de Paris sobre mudança do clima
A cerimônia reuniu mais de 130 chefes de Estado em Nova Iorque, na sede das Nações Unidas
Mais de 80% das áreas rurais já foram registradas
O Ministério do Meio Ambiente apresentou, nesta sexta-feira (6), um balanço do Cadastro Ambiental Rural (CAR)
Crise Hídrica: governo vai financiar recuperação de nascentes de rios
Serão R$ 45 milhões para criar até 30 Áreas de Preservação Permanentes (APPs) em assentamento da reforma agrária próximos a 18 regiões metropolitanas do País
A cerimônia reuniu mais de 130 chefes de Estado em Nova Iorque, na sede das Nações Unidas
Brasil assina acordo de Paris sobre mudança do clima
O Ministério do Meio Ambiente apresentou, nesta sexta-feira (6), um balanço do Cadastro Ambiental Rural (CAR)
Mais de 80% das áreas rurais já foram registradas
Serão R$ 45 milhões para criar até 30 Áreas de Preservação Permanentes (APPs) em assentamento da reforma agrária próximos a 18 regiões metropolitanas do País
Crise Hídrica: governo vai financiar recuperação de nascentes de rios

Últimas imagens

Vista da RPPN Raso do Mandi II, em Santa Catarina
Vista da RPPN Raso do Mandi II, em Santa Catarina
ICMBio/Germano Woehl Junior
Medidas permitiu reduzir em 12,5% a relação entre a quantidade de água consumida e o volume de petróleo processado
Medidas permitiu reduzir em 12,5% a relação entre a quantidade de água consumida e o volume de petróleo processado
Divulgação/Petrobras
Relatório da Unesco recomenda que cada país promova políticas para alcançar equilíbrio entre os setores da economia e a sustentabilidade dos recursos hídricos
Relatório da Unesco recomenda que cada país promova políticas para alcançar equilíbrio entre os setores da economia e a sustentabilidade dos recursos hídricos
Divulgação/Governo de São Paulo
Após reabilitação, quatro peixes-boi são devolvidos aos rios da Amazônia
Após reabilitação, quatro peixes-boi são devolvidos aos rios da Amazônia
Foto: Cláudio Sampaio/ICMBio
Após a apreensão, todos os animais foram devolvidos com vida ao rio Branco
Após a apreensão, todos os animais foram devolvidos com vida ao rio Branco
Divulgação/ICMBio

Governo digital