Você está aqui: Página Inicial > Meio Ambiente > 2016 > 03 > Reabilitados, peixes-boi são devolvidos aos rios da Amazônia

Meio Ambiente

Reabilitados, peixes-boi são devolvidos aos rios da Amazônia

Monitoramento

O tempo de reabilitação do animal pode levar seis anos em cativeiro e mais dois anos em semicativeiro até a reintrodução na natureza
publicado: 02/03/2016 12h46 última modificação: 03/03/2016 15h58

Quatro peixes-boi foram devolvidos aos rios da Amazônia no último domingo (28) pela equipe do Projeto Mamíferos da Amazônia, uma parceria entre o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e a Associação Amigos do Peixe-boi (Ampa). Os animais, vítimas da caça ilegal, foram resgatados, reabilitados e reintroduzidos à natureza.

O local escolhido pelos pesquisadores foi a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Piagaçu-Purus, a 70 quilômetros da cidade de Beruri (AM), região onde dois deles foram resgatados, o Mapixari e o Matupá.

Agora, os animais serão monitorados. Cada peixe-boi recebeu um cinto transmissor, que permite o acompanhamento durante dois anos. "Não estamos soltando esses animais na natureza. Estamos reintroduzindo. E a natureza é bela, mas é hostil. Precisamos saber se eles estão se alimentando, a que velocidade estão nadando, a que profundidade estão mergulhando e se estão migrando na época certa, quando as águas dos rios baixam", explica a pesquisadora do Inpa Vera da Silva, coordenadora do projeto.

O Inpa tem hoje 55 peixes-boi em cativeiro, mantidos em tanques, e 11 animais em semicativeiro, em um lago de 13 hectares em Manacapuru, próximo a Manaus (AM). O tempo de reabilitação do animal pode levar seis anos em cativeiro e mais dois anos em semicativeiro até a reintrodução na natureza.

O projeto de proteção da espécie começou em 1978, quando o Inpa recebeu o primeiro filhote. Com poucas semanas de vida, os animais perdiam as mães para a caça e eram levados para o Instituto. "Nós tínhamos que alimentá-los artificialmente, com mamadeiras, porque o tempo de amamentação de um peixe-boi pode durar dois anos", diz a pesquisadora.

O peixe-boi foi caçado intensivamente no Brasil desde o período colonial para consumo da carne e aproveitamento do couro e da gordura. 

Fonte: Portal Brasil, com informações do MCTI

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Banner - Combate às Queimadas

Últimos vídeos

Inmetro dá dicas para quem quer economizar energia
Com a crescente necessidade de economizar energia, o Inmetro dá dicas para quem quer poupar sem ter de abrir mão do conforto
Voluntários combatem fogo na Chapada dos Veadeiros
Brigadistas do Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio) e bombeiros do Distrito Federal, além de representantes do Ibama e voluntários, participam do combate ao fogo que consome o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás
ICMBio completa 10 anos de atuação
Instituto agrega 324 unidades de conservação, que somam quase 80 milhões de hectares - o equivalente a 9% do território nacional
Com a crescente necessidade de economizar energia, o Inmetro dá dicas para quem quer poupar sem ter de abrir mão do conforto
Inmetro dá dicas para quem quer economizar energia
Brigadistas do Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio) e bombeiros do Distrito Federal, além de representantes do Ibama e voluntários, participam do combate ao fogo que consome o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás
Voluntários combatem fogo na Chapada dos Veadeiros
Instituto agrega 324 unidades de conservação, que somam quase 80 milhões de hectares - o equivalente a 9% do território nacional
ICMBio completa 10 anos de atuação

Últimas imagens

Alteração na lei prevê a promoção de iniciativas que promovam o uso das águas pluviais, que podem ser usadas para a manutenção de jardins, limpeza de calçadas e em atividades agrícolas e industriais
Alteração na lei prevê a promoção de iniciativas que promovam o uso das águas pluviais, que podem ser usadas para a manutenção de jardins, limpeza de calçadas e em atividades agrícolas e industriais
Foto: Tony Winston/Governo de Brasília
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Por meio da Força Aérea Brasileira e de órgãos de fiscalização ambiental, Governo do Brasil participa dos esforços para controlar o pior incêndio desde a criação do parque
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

banner_servico.jpg

Governo digital