Governo

Cinco mulheres são agredidas a cada dois minutos no Brasil

publicado: 22/02/2011 14h36, última modificação: 22/12/2017 22h16

A cada dois minutos, cinco mulheres são agredidas violentamente no Brasil, segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira (21), pela Fundação Perseu Abramo em parceria com o Sesc. A situação era pior há dez anos, quando oito mulheres eram espancadas no mesmo intervalo de tempo. 

A pesquisa intitulada “Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado” foi realizada em 25 estados e entrevistou 2.365 mulheres e 1.181 homens com mais de 15 anos em agosto de 2010. O resultado final, divulgado pela Agência Estado, foi obtido por meio de uma projeção média para a população total e confirma relatórios já divulgados pelas Nações Unidas, que afirmam que a violência doméstica é a que mais faz vítimas no mundo.  

Segundo o levantamento, a Lei Maria da Penha teve impacto na redução das agressões nos últimos anos. Desta forma, os dados mostram que, ao contrário do que se pensa, a violência contra a mulher não é uma mera questão de “brigas de casal”, mas sim umaproblema social que demanda ações e políticas públicas. 

Entre os pesquisados, 85% conhecem a lei e 80% aprovam a nova legislação. Mesmo entre os 11% que a criticam, a principal ressalva é ao fato de que consideram que a lei é insuficiente.

 

Agressões continuam 

No Brasil, 7 milhões e 200 mil mulheres com mais de 15 anos já sofreram agressões, das quais 1 milhão e 300 mil nos 12 meses que antecederam a pesquisa. Quanto aos homens, 8% admitem já ter agredido fisicamente uma mulher, 48% dizem ter um amigo ou conhecido que fizeram o mesmo e 25% têm parentes que agridem as companheiras.

Dois por cento dos homens entrevistados declararam que "tem mulher que só aprende apanhando bastante". A pesquisa indicou que os homens que agridem, repetem com freqüência a agressão, o que demonstraria um padrão de comportamento, e não uma exceção.

 

Fonte:
Rádio Vaticano