Governo

Moradia

Residencial Salvação transforma vidas em Santarém, no Pará

O empreendimento construído pelo programa Minha Casa Minha Vida possui 3.081 unidades e vai abrigar em torno de 15 mil pessoas
publicado: 05/05/2016 18h30, última modificação: 23/12/2017 10h59
Residencial Salvação, em Santarém (PA)

O empreendimento construído pelo programa Minha Casa Minha Vida possui 3.081 unidades e vai abrigar em torno de 15 mil pessoas - Foto: Foto: Clauber Cleber Caetano/PR

O Residencial Salvação é praticamente uma nova cidade surgindo dentro de Santarém (PA). O empreendimento construído pelo programa Minha Casa Minha Vida possui 3.081 unidades e vai abrigar em torno de 15 mil pessoas. O residencial é o maior entregue nesta quinta-feira (5) pela presidenta Dilma Rousseff. Os outros ficam em Camaçari (BA), Uberaba (MG), Itapipoca (CE) e Campos dos Goytacazes (RJ), totalizando 6.597 unidades habitacionais.

Para o gerente regional da Caixa Econômica Federal em Santarém, Hélio Rodrigues Júnior, o empreendimento traz uma nova condição de vida para os moradores, bem como altera a realidade do município. “Esse empreendimento vai trazer uma nova condição, tanto para a cidade quanto para a sociedade, porque é um empreendimento com rede de energia elétrica, rede de água e esgoto, condições de drenagem, então certamente é um empreendimento que vai beneficiar muito a sociedade. É praticamente uma nova cidade surgindo dentro do município de Santarém”, afirma.

O executivo destaca que as moradias do Residencial Salvação foram construídas para atender pessoas de baixa renda e com as mais diferentes condições. “Entre os contemplados, nós temos a situação de moradores de rua, que, pela primeira vez, estão tendo uma casa; têm situações de pessoas que moravam em áreas alagadas, pessoas que moravam em áreas de invasão, pessoas que moravam em unidades habitacionais sem a menor condição de habitabilidade, que agora vão poder contar com uma casa, com dois quartos, sala, banheiro, todos os ambientes com piso em cerâmica, contando com energia elétrica, com água, com esgoto, com saneamento e com pavimentação asfáltica. É uma nova realidade”, assegura.

A vendedora Érica Socorro Pereira, de 34 anos, tem convicção de que a casa nova vai mudar sua vida. Mãe de três filhas, Érica estava desempregada há mais de um ano e já não conseguia mais pagar R$ 425 mensais de aluguel. Agora, com uma prestação de R$ 45, Érica comemora a casa nova e o emprego recém-conquistado. Nesta quinta-feira, ela recebe as chaves do imóvel e começa a trabalhar como merendeira em uma escola. “É muita felicidade. Não tenho nem palavras para agradecer o que está acontecendo comigo”, diz.

Érica não vê a hora de se mudar para a casa nova. “Adorei a casa. Não vejo a hora de vir para cá e pagar menos, eu vou pagar uma coisa que é pra mim”, afirma. Ela conta também que nunca imaginou ter condições de ter uma casa própria, principalmente criando sozinha as três filhas e recebendo cerca de um salário-mínimo por mês. “Eu não tinha condições de comprar, por causa do salário, e como são três filhas pra criar, os gastos são muitos. Eu moro de aluguel há 14 anos, faz as contas desses 14 anos, se eu já tivesse a minha casa, eu não ia deixar esse dinheiro lá, ia pagar uma coisa que era minha. Agora, com o meu salário e o dinheiro do Bolsa Família, acho que vai dar para pagar as coisas mais tranquilamente, sem ficar apertada todo mês”, comemora.

Para Érica, o Minha Casa Minha Vida tem ajudado muitas pessoas com histórias semelhantes. “Muita gente por aí agora tem casa. Ninguém nunca tinha feito isso pelas pessoas. Só tenho que agradecer para a presidenta Dilma, porque ninguém fez tanto pela gente como ela, com o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida.”

Fonte: Portal Brasil, com informações do Blog do Planalto

error while rendering plone.belowcontentbody.relateditems