Notícias

SAQUE

“Queremos dar às pessoas acesso a uma poupança que é delas”, diz ministro do Planejamento

Em entrevista ao programa Por Dentro do Governo, Esteves Colnago destacou saque do PIS/Pasep
publicado: 14/06/2018 12h18, última modificação: 14/06/2018 13h56
“Queremos dar às pessoas acesso a uma poupança que é delas”, diz ministro do Planejamento

São R$ 34,3 bilhões que podem ser sacados e 25 milhões de cotistas - Foto: Arquivo/ Agência Brasil

O Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão incentiva a sociedade a buscar o Banco do Brasil ou a Caixa Econômica Federal para descobrir se tem direito a recursos do PIS/Pasep. Esse foi um dos temas comentados na manhã desta quinta-feira (14) pelo ministro Esteves Colnago, durante entrevista ao programa de rádio Por Dentro do Governo. “Nosso primeiro objetivo é dar às pessoas acesso a uma poupança que é delas, é facilitar o acesso”, destacou.

A disponibilidade dessas possíveis quantias tem o potencial de ajudar o País a retomar o crescimento econômico, a permitir que o setor “ganhe tração”. Segundo o ministro, esse é o segundo objetivo do ministério ao proporcionar os saques. “Se os R$ 34 bilhões que ainda restam forem sacados, isso pode ajudar o PIB em quase 0,5%”, explicou.

De acordo com Colnago, R$ 39,3 bilhões podem ser sacados por 28,7 milhões de cotistas. Desses, 16 milhões têm conta hoje na Caixa Econômica Federal ou no Banco do Brasil, o que representa um valor disponível de R$ 5 bilhões nesses dois bancos federais. Esse volume será depositado em 8 de agosto.

Outra ação em que o ministério conta com a colaboração dos brasileiros é a participação na consulta pública sobre a Estratégia Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Endes). As críticas e sugestões ao plano com diretrizes de crescimento para o Brasil nos próximos 12 anos podem ser feitas até 15 de agosto. “É importante que as pessoas entrem, o Brasil de 2030 é de todos nós, não é do governo”, ressaltou Colnago.

Aprovação de reformas

O ministro da pasta explicou, ainda durante a entrevista, que, para o Brasil alcançar seu máximo potencial, hoje com PIB em torno de 2,3% ou 2,5% ao ano, mudanças estruturantes precisam ser aprovadas, como a Reforma da Previdência, além de verificar se as pessoas que se beneficiam dos programas sociais realmente se enquadram nos critérios necessários.

Fonte: Governo do Brasil

registrado em: PIS/Pasep, Banco do Brasil, PIB, Caixa