Infraestrutura

Habitação

Minha Casa Minha Vida está mantido, garante ministro das Cidades

Bruno Araújo explica que, apesar do rombo de R$ 17 bi deixado pelo governo afastado, o governo interino vai manter o programa
publicado: 30/05/2016 18h10, última modificação: 23/12/2017 11h30
Conjuntos habitacionais do Minha Casa Minha Vida

Para Bruno Araújo, “o programa segue firme e pode melhorar muito” - Foto: Ministério das Cidades

O governo interino nunca cogitou suspender o Minha Casa Minha Vida, e o programa está mantido, garantiu o ministro das Cidades, Bruno Araújo, nesta segunda-feira (30). “Em relação a qualquer outra notícia que o programa poderia estar sofrendo qualquer suspensão, nunca houve isso, nunca foi tratado nada à respeito da matéria”, assegurou Araújo.

O ministro explica que, devido a cortes feitos pelo governo anterior dias antes do afastamento, os recursos do programa foram reduzidos de R$ 24 bilhões para R$ 7 bilhões. Apesar do rombo de 17 bilhões, Bruno Araújo destacou que o governo interino garantirá a continuidade do programa. 

“Óbvio que quem perde R$ 17 bilhões tem algum tipo de impacto, mas estamos procurando amenizar isso da melhor forma possível”, afirmou.

O ministro informou que, por meio do Minha Casa Minha Vida Entidades, já foram realizadas 14 mil contratações para este ano, e o governo seguirá implementando a iniciativa em parceria com as organizações não governamentais. No Minha Casa Minha Vida FGTS, já são 200 mil habitações populares e 245 mil contratos efetivados. Já no Minha Casa Minha Vida Rural, serão contratadas junto à Caixa mais de 18 mil unidades ainda este ano. 

"O programa segue firme e pode melhorar muito. Mesmo com um grande corte de recursos do governo afastado, de mais de R$ 17 bilhões, todos nós estamos em um grande esforço de fazer o programa seguir firme para entregar habitação popular e ajudar a reduzir os déficits habitacionais do País”, garantiu o ministro.

Fonte: Portal Brasil

error while rendering plone.belowcontentbody.relateditems