Saúde

Prevenção de acidentes

Ministério da Saúde alerta sobre animais peçonhentos

Na última temporada de chuvas, houve aumento de quase 6% nas notificações de acidentes, especialmente com escorpiões
publicado: 06/11/2013 15h09, última modificação: 23/12/2017 10h57
Ministério da Saúde alerta sobre animais peçonhentos

Quase metade das notificações do Sistema de Informação de Agravos de Notificação é devido a escorpiões - Foto: Divulgação/EBC

Com a chegada das chuvas, aumenta o risco de acidentes com animais peçonhentos, como escorpiões, aranhas e serpentes. Entre novembro de 2012 e março de 2013, temporada de chuvas na maior parte do país, foram registrados 71.217 acidentes e 144 mortes. Em comparação com o mesmo período do ano anterior (novembro de 2011 a março 2012) houve um acréscimo de quase 6% no número de acidentes com estes animais e 9% em relação a óbitos. Neste período, foram notificados 67.197 casos deste tipo e 132 óbitos.  Em todo o ano passado, foram notificados 143.658 acidentes e 273 mortes.

Os escorpiões são os responsáveis pela maior ocorrência destes acidentes no Brasil. Quase metade das notificações relacionadas a acidentes com animais peçonhentos no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) é devido a estes animais. Em 2012, houve 65.008 casos de acidentes com escorpiões, ou seja, 45% do total notificado no ano. As serpentes causaram 20% dos acidentes, 18% foram pelas aranhas, 7% pelas abelhas, 3% pelas lagartas e 7% por outros animais. Dados preliminares de 2013 apontam 99,5 mil notificações de janeiro a setembro.

Com as chuvas, os animais peçonhentos são obrigados a sair dos seus esconderijos e a procurar novo abrigo, tanto em áreas urbanas quanto rurais. Assim, não é difícil encontrá-los nas proximidades das casas, jardins e parques. O processo de urbanização também tem levado ao aumento da exposição a estes animais. O escorpião, por exemplo, se alimenta de baratas, portanto, sobrevive em ambientes urbanos com facilidade. Além disso, o depósito e acúmulo de lixo, entulhos e materiais de construção junto às habitações podem servir de abrigo para os animais peçonhentos.

Prevenção

A melhor forma de evitar acidentes é adotar medidas de prevenção. Por isso, o Ministério da Saúde recomenda manter a casa e a área ao redor limpas, uma vez que o lixo e entulhos podem servir de abrigo para muitos destes animais. Também é importante ficar atento à limpeza de armários, já que ambientes escuros e úmidos servem de esconderijos para aranhas e escorpiões. Vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos, forros, meias-canas e rodapé, além de utilizar telas e vedantes em portas, janelas e ralos, são outras formas de evitar a presença dos animais peçonhentos. Moradores de área rural e trabalhadores da agricultura não podem deixar de usar luvas e botas ao entrar em matas ou plantações.

Os animais peçonhentos injetam veneno pelo ferrão, dente, aguilhão ou cerda urticante. Dependendo da espécie do animal, os acidentes podem até levar à morte, caso a pessoa não seja socorrida e tratada adequadamente, quando necessário, com soro específico. O Ministério da Saúde distribui soros antipeçonhentos para todo o país, que estão disponíveis na rede do Sistema Único de Saúde (SUS). A identificação do animal responsável pelo acidente facilita o diagnóstico e o tratamento.

Cuidados

O Ministério da Saúde alerta para os cuidados que as pessoas devem ter, além das medidas básicas de prevenção. Em caso de acidente, a pessoa deve ser encaminhada, o mais rápido possível, para o hospital. Durante o socorro, tem que se mover o mínimo possível. O membro atingido deve ser colocado numa posição mais elevada em relação ao corpo e o local da picada pode ser lavado apenas com água e sabão. Não é recomendável amarrar o membro acidentado, nem sugar o ferimento com a boca. Também não é indicada a aplicação de qualquer tipo de substância (pó de café, álcool, urina, entre outros) na lesão. No momento do atendimento, é importante informar ao profissional de saúde o máximo possível de características do animal, como espécie, cor e tamanho.

 

Fonte:
Ministério da Saúde

error while rendering plone.belowcontentbody.relateditems