Saúde

Vigilância sanitária

Noz da Índia é proibida no Brasil após associação com três mortes

A semente Chapéu de Napoleão também foi proibida. As duas são utilizadas para emagrecimento e têm propriedades tóxicas
publicado: 08/02/2017 11h21, última modificação: 23/12/2017 11h24
Noz da Índia é associada a três mortes e proibida no Brasil

A medida sanitária proíbe também a divulgação, em todos os meios de comunicação, da semente - Foto: Divulgação/Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu, nesta terça-feira (7), a fabricação, comercialização, distribuição e importação de Noz da Índia (Aleurites moluccanus) e do Chapéu de Napoleão (Thevetia peruviana) no Brasil.

As duas sementes, divulgadas de forma irregular e associadas ao emagrecimento por conta das propriedades laxativas, não podem mais ser usadas na composição de alimentos, medicamentos ou qualquer produto de consumo.

A Anvisa alerta que nunca houve registro na Anvisa de produtos à base desses dois insumos.

Mortes por intoxicação

A Anvisa tomou como base para a sua decisão as evidências de toxicidade e a ocorrência de óbitos no Brasil associados ao consumo de Noz da Índia.

Foi acatada a Nota Técnica do Centro Integrado de Vigilância Toxicológica do Estado do Mato Grosso do Sul sobre casos de intoxicação pelo uso da noz. A semente está associada a duas mortes em Campo Grande (MS) e São Luís (MA). Um terceiro caso em Santos (SP) está em apuração.

Fonte: Portal Brasil, com informações da Anvisa e da Agência Brasil

error while rendering plone.belowcontentbody.relateditems