Notícias

Cooperação

Cooperação leva próteses dentárias a cerca de 1,5 mil moçambicanos

Montado com ajuda do Brasil, primeiro laboratório público do país funciona desde 2016
publicado: 25/10/2018 21h26, última modificação: 25/10/2018 23h47
Cooperação entre Brasil e Moçambique leva prótese dentária a cerca de 1,5 mil em Maputo

O Brasil ajudou na capacitação de técnicos moçambicanos - Foto: Governo de São Paulo

Capacitação de técnicos na produção de próteses dentárias e auxílio na estruturação de um laboratório em Maputo são os dois principais eixos da colaboração do Brasil para melhorar os níveis de saúde bucal da população de Moçambique. As ações levam a Moçambique a experiência bem sucedida do Brasil Sorridente, programa de atendimento dentário gratuito pela rede pública de saúde.

Por meio da cooperação, os moçambicanos têm conseguido dar andamento à proposta de forma autônoma. Responsável pelo setor de oficina dentária no Hospital Geral de Mavalane, Águeda Costa revelou que cerca de 1,5 mil pacientes já foram atendidos pelo primeiro laboratório público do país, que funciona desde 2016. Em uma clínica particular, o valor da prótese chega a R$ 2 mil. "Muitos aqui já podem sorrir, já podem comer”, disse.

Segundo a médica dentista Neyd Ombe, do hospital de Mavalane, a inovação foi bem recebida pela população. “Nós estamos fazendo as próteses e ajudando muita gente que tem dificuldades com falta de dinheiro”, afirmou. 

Projeto de pesquisa

Intitulado Pesquisa em Saúde Bucal – Maputo, o projeto tem como objetivo conhecer as condições de saúde bucal dos moçambicanos. Com as informações em mãos, os dois países vão elaborar o planejamento e a avaliação das ações e serviços públicos oferecidos. A conclusão está prevista para 31 de dezembro de 2018.

Entre as atividades desenvolvidas estão: estimativa de tipos e a prevalência dos problemas dentários; identificação e caracterização do perfil socioeconômico; a utilização de serviços odontológicos; a autopercepção e os riscos à saúde bucal.

Fonte: Governo do Brasil, com informações da Agência Brasileira de Cooperação