Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2010 > 09 > Funasa esclarece morte de criança indígena em Mato Grosso do Sul

Geral

Funasa esclarece morte de criança indígena em Mato Grosso do Sul

por Portal Brasil publicado: 23/09/2010 15h21 última modificação: 28/07/2014 11h51

A Fundação Nacional de Saúde (Funasa), órgão vinculado ao Ministério da Saúde, divulgou nota de esclarecimento, nesta quinta-feira (23), sobre as recentes providências adotadas pela instituição no Mato Grosso do Sul, onde conflitos entre fazendeiros e indígenas dificultaram o atendimento das equipes de saúde da instituição à população indígena, o que acabou resultando na morte de uma criança da etnia Guarani Kaiowá, de 3 anos de idade e do sexo masculino, na quarta-feira (22).

 

A nota informa que, "de acordo com informações do Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) do Mato Grosso do Sul, o primeiro atendimento foi prestado pela equipe médica da Casa de Apoio à Saúde Indígena (Casai) de Amambai (MS). Em seguida, a criança foi encaminhada ao Hospital Regional do município, com registro de entrada às 12h30. Ao longo da tarde, o estado de saúde do menino agravou-se com um quadro de diarréia, vômitos, febre e distensão abdominal. O óbito foi confirmado às 20h, fato que a Funasa lamenta profundamente;

 

"Nesta quinta-feira (23), representantes da Funasa, do Ministério Público Federal (MPF) de Ponta Porã e da Secretaria Municipal de Saúde de Coronel Sapucaia vão reunir-se em Amambai para discutir o grave problema do conflito na região e elaborar um plano emergencial de intervenção dos órgãos envolvidos tendo em vista a gravidade da situação e dos conseqüentes prejuízos para a atuação das instituições públicas.

 

Um dia antes da morte do jovem indígena, na terça-feira (21), representantes da Funasa e do MPF de Ponta Porã haviam se reunido para discutir as ações de atenção básica à saúde em áreas de litígios, localizadas no extremo sul do estado. Naquele encontro, foi definida a realização de uma avaliação na região e de forma integrada entre Funasa, Funai e MPF para verificar as condições de vida dos indígenas nas áreas de conflito de Y´poí e de Kurusú Ambá."

 

A Funasa tem registrado dificuldades em realizar ações de saúde de forma continuada em regiões de conflitos por terras no estado do Mato Grosso do Sul, devido à insegurança ocasionada para as equipes de saúde, além das dificuldades de acesso e por se tratar de propriedades particulares que não se configuram como terras indígenas.

 

Segundo a nota da Funasa, o estado de Mato Grosso do Sul possui a segunda maior população indígena do País, com 68 mil indivíduos, superada apenas pela população indígena do Estado do Amazonas. Por meio do Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei), a fundação tem realizado com sucesso ações de assistência à saúde dessa população em todos os 28 municípios, com reflexos na melhoria significativa dos indicadores de saúde. Implantou em todas as aldeias os programas de atenção básica preconizada pelo Ministério da Saúde, tais com imunização, controle da tuberculose, saneamento básico, vigilância nutricional e saúde materno/infantil, dentro outros.

 

“A Funasa reitera que se mantém à disposição para qualquer esclarecimento e que continua adotando as medidas necessárias para garantir o direito das populações indígenas à atenção à saúde e à qualidade de vida.”

 

Fonte:
Fundação Nacional de Saúde (Funasa)

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Número de brasileiros no Programa Mais Médicos aumentou
Em um ano, aumentou 44% a participação de médicos brasileiros no Programa Mais Médicos. Expectativa do governo é substituir 4 mil profissionais em três anos
Governo amplia recursos para UPAs 24h
Ministério da Saúde amplia em R$ 93 milhões os recursos para UPAS 24 horas. O investimento será usado para pagar e qualificar os serviços ofertados à população
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Em um ano, aumentou 44% a participação de médicos brasileiros no Programa Mais Médicos. Expectativa do governo é substituir 4 mil profissionais em três anos
Número de brasileiros no Programa Mais Médicos aumentou
Ministério da Saúde amplia em R$ 93 milhões os recursos para UPAS 24 horas. O investimento será usado para pagar e qualificar os serviços ofertados à população
Governo amplia recursos para UPAs 24h

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital