Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2010 > 09 > Ministério da Saúde lança ferramenta para avaliar risco de epidemias de dengue

Geral

Ministério da Saúde lança ferramenta para avaliar risco de epidemias de dengue

por Portal Brasil publicado: 01/09/2010 19h19 última modificação: 28/07/2014 11h51
Divulgação/Secretaria de Saúde do Espírito Santo Índices de infestação pelo mosquito Aedes aegypti fazem parte da nova ferramenta contra dengue

Índices de infestação pelo mosquito Aedes aegypti fazem parte da nova ferramenta contra dengue

O Ministério da Saúde lança nesta semana nova ferramenta para avaliar o risco de epidemias de dengue nos estados e municípios brasileiros. Chamada de “Risco Dengue”, a iniciativa pretende orientar ações imediatas para evitar que as epidemias se tornem realidade.


O Risco Dengue utiliza cinco critérios básicos de pesquisa: três do setor saúde (incidência de casos nos anos anteriores, índices de infestação pelo mosquito Aedes aegypti e tipos de vírus da dengue em circulação), um ambiental (cobertura de abastecimento de água e coleta de lixo) e um demográfico (densidade populacional). A nova metodologia reforça o caráter intersetorial do controle da dengue e permite aos gestores locais intensificar ações de prevenção nas áreas de maior risco.


A ferramenta utiliza dados já disponíveis nos municípios e estados e define ações a serem realizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Nos 26 estados e o Distrito Federal, o risco de epidemia aumenta em municípios de maior porte e regiões metropolitanas que não tenham enfrentado epidemia recentemente nem tenham alta circulação do sorotipo viral predominante no País.


A ausência ou deficiência dos serviços de coleta de lixo e abastecimento de água, além do índice de infestação pelo mosquito transmissor, também são indicadores importantes de risco para dengue.


Segundo o cruzamento destes dados, o ministério disse que 10 estados brasileiros têm risco muito alto e 9 têm risco alto de enfrentarem epidemias de dengue no verão 2010/2011. A pesquisa não considerou uma eventual dispersão do vírus da dengue tipo 4. O sorotipo foi identificado em Roraima em agosto, após 28 anos sem circulação no Brasil. Até o momento, não há evidência deste vírus fora do estado de Roraima.


Além de utilizar o Risco Dengue, os estados e municípios deverão continuar realizando o Levantamento de Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti (Liraa), que acontece desde 2003. Neste ano, o Liraa deve ser ampliado de 169 para 354 municípios brasileiros.


Nesta quarta e quinta-feira (1 e 2), representantes de todas as Secretarias Estaduais de Saúde estarão reunidos com técnicos do Ministério da Saúde, em Brasília, para treinamento sobre a ferramenta do Risco Dengue.

Fonte:
Ministério da Saúde

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital