Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2010 > 10 > Brasil cria Secretaria Especial de Saúde Indígena

Saúde

Brasil cria Secretaria Especial de Saúde Indígena

por Portal Brasil publicado: 19/10/2010 17h04 última modificação: 28/07/2014 11h52
Divulgação/Governo do Estado de Roraima Funasa terá 180 dias para fazer a transição gradual do sistema para a nova secretaria

Funasa terá 180 dias para fazer a transição gradual do sistema para a nova secretaria

Foi criada nesta terça-feira (19) a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), que estará ligada ao Ministério da Saúde (MS). Com a criação da secretaria, o ministério passa a gerenciar diretamente a atenção à saúde dos indígenas, levando em conta aspectos culturais, étnicos e epidemiológicos dos 225 povos que vivem no País. Antes, a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) era responsável tanto pelas ações de saúde como pela aquisição de insumos, apoio logístico, licitações e contratos. 

A Sesai foi aprovada pelo Senado Federal no último dia 3 de agosto, após meses de discussão do grupo de trabalho, composto por 26 membros, entre representantes do Ministério da Saúde e da Funasa, além de 17 lideranças indígenas. 

Agora, a Funasa, antiga responsável pelas ações de atenção à saúde da população indígena, terá 180 dias para fazer a transição gradual do sistema para a nova secretaria.

 

Estrutura 

A nova secretaria será dividida em três áreas: Departamento de Gestão da Saúde Indígena, Departamento de Atenção à Saúde Indígena e Distritos Sanitários Especiais Indígenas. Também serão funções da Sesai ações de saneamento básico e ambiental das áreas indígenas, como preservação das fontes de água limpa, construção de poços ou captação à distância nas comunidades sem água potável, construção de sistema de saneamento, destinação final ao lixo e controle de poluição de nascentes. 

À medida que forem reestruturados, de forma gradativa, os 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (Dsei) passarão a ser autônomos, funcionando como unidades gestoras descentralizadas, responsáveis pelo atendimento de saúde e pelo saneamento básico em cada território indígena. A ação desburocratiza a atenção à saúde dessa população, que passa a estar integrada e articulada com todo o Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Reivindicação 

Os decretos que oficializam o novo órgão e suas funções, assinados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, atendem a uma reivindicação antiga das lideranças indígenas. O pedido foi reforçado em 19 de abril de 2010 (Dia do Índio), durante a festa que celebrou a homologação das terras da reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima. Na ocasião, Lula estava na aldeia Maturuca, juntamente com diversas autoridades federais e representantes da sociedade civil.   

No dia 24 de maio de 2010, o presidente da República já havia assinado a Medida Provisória (MP) 483, transferindo a competência da saúde indígena para o Ministério da Saúde, por meio da nova Secretaria Especial de Saúde Indígena. A MP, por sua vez, resultou de um esforço iniciado em janeiro de 2009, com a criação do Grupo de Trabalho (GT) de Saúde Indígena. Durante esse período, o GT visitou várias comunidades indígenas, Casas de Saúde Indígena (Casai), Distritos Sanitários Especiais Indígenas (Dsei), Pólos Base e realizou quatro seminários regionais, ouvindo os anseios das comunidades indígenas e verificando de perto as condições reais de vida desta população. 

Para o coordenador do GT Saúde Indígena e secretário de Gestão Estratégica e Participativa (SGEP), do Ministério da Saúde (MS), Antônio Alves de Souza, a MP representou o esforço coletivo dos representantes do ministério, da Funai e dos povos indígenas brasileiros. “Era um pedido antigo dessas pessoas (indígenas). Viajei para regiões inóspitas e vi de perto a realidade desse povo. Muitos pólos-base de saúde estão com poucas condições de uso. É uma situação que precisa ser mudada”, disse Alves, após concluir os trabalhos e encaminhá-lo ao ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

 

 


Fonte:
Blog do Planalto
Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital