Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 07 > Médicos são contratados para reforçar a saúde indígena na região do Alto Rio Purus

Saúde

Médicos são contratados para reforçar a saúde indígena na região do Alto Rio Purus

por Portal Brasil publicado: 12/07/2011 12h40 última modificação: 28/07/2014 12h53

O Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei), na região do Alto Rio Purus, passa esta semana pela reestruturação dos serviços de saúde indígena. Quatro novos médicos foram contratados para o atendimento em área, com a missão de reforçar o atendimento a 174 aldeias localizadas no sudeste do estado do Acre, no Noroeste de Rondônia e parte do sudoeste do Amazonas.

Os profissionais irão atender os polos base de Pauini, Manuel Urbano, Santa Rosa do Purus e a Casa de Saúde do Índio (Casai) de Rio Branco. A contratação é uma parceria do Dsei com os municípios acreanos que recebem recursos do Incentivo de Atenção Básica aos Povos Indígenas.

A contratação marca uma mudança na saúde indígena do local, afirma o chefe do Dsei Alto Rio Purus, Raimundo Alves da Costa. “Quando assumimos, no início do ano, o Dsei não tinha nenhum médico. Agora, recebemos um profissional via concurso para a Casai e concluímos a contratação de outros três para o atendimento nos pólos base. É um sinal das mudanças que a Sesai está promovendo”. 

Outra novidade no distrito é a autonomia gerencial. Desde abril, os 34 distritos que compõe o Subsistema de Atenção à Saúde Indígena (SasiSUS) estão em um processo de adaptação para efetivar a autonomia. “Aqui, no Acre, estamos bem avançados, faltam apenas alguns treinamentos em sistemas que o ministério usa, mas temos licitações programadas e em breve estaremos com autonomia plena”, destaca Costa. 

No quarto trimestre do ano, o Dsei será responsável por fazer um diagnóstico sorológico de hepatites virais nas comunidades indígenas que moram nos municípios de Assis Brasil e Santa Rosa dos Purus. Esses grupos somam uma população indígena de 4.500 pessoas. “Sabemos que a questão da hepatite na região é grave e precisamos desse inquérito para organizar ações de prevenção no âmbito do distrito”, conclui Raimundo.


Fonte:
Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital