Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 09 > Doenças cardiovasculares causam quase 30% das mortes no País

Saúde

Doenças cardiovasculares causam quase 30% das mortes no País

Prevenção

No Brasil, homens são os mais afetados pelas doenças cardiovasculares, como infarto e AVCs
por Portal Brasil publicado : 06/09/2011 18:32 Radílson Carlos Gomes / Ministério da Saúde
Radílson Carlos Gomes / Ministério da Saúde Teste de condicionamento físico no Hospital São Paulo: 60% das vítimas de doenças cardiovasculares são homens, com média de 56 anos

Teste de condicionamento físico no Hospital São Paulo: 60% das vítimas de doenças cardiovasculares são homens, com média de 56 anos

As doenças cardiovasculares são responsáveis por 29,4% de todas as mortes registradas no País em um ano. Isso significa que mais de 308 mil pessoas faleceram principalmente de infarto e acidente vascular cerebral (AVC). Estudos do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia (São Paulo) mostram que 60% dessas vítimas são homens, com média de idade de 56 anos. A alta freqüência do problema coloca o Brasil entre os 10 países com maior índice de mortes por doenças cardiovasculares.

As doenças cardiovasculares são aquelas que afetam o coração e as artérias, como os já citados infarto e acidente vascular cerebral, e também arritmias cardíacas, isquemias ou anginas. A principal característica das doenças cardiovasculares é a presença da aterosclerose, acúmulo de placas de gorduras nas artérias ao longo dos anos que impede a passagem do sangue.

Para funcionar, o corpo humano precisa de oxigênio. O sangue sai do coração com oxigênio e atinge todos os órgãos por meio das artérias; depois, volta ao coração para se reabastecer de oxigênio. Quando as artérias fecham (aterosclerose), ocorre um infarto na região que não recebeu o oxigênio. Basta não receber oxigênio, para região entrar em colapso.

As causas da aterosclerose podem ser de origem genética, mas o principal motivo para o acúmulo é comportamental. Obesidade, sedentarismo, tabagismo, hipertensão, colesterol alto e consumo excessivo de álcool são as principais razões para a ocorrência de entupimentos das artérias. Esses comportamentos foram apontados pelo estudo Afirmar (Fatores de Risco Associados com o Infarto do Miocárdio no Brasil), o maior já realizado no País, realizado pelo Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. Foram entrevistados 3.550 pacientes de 51 cidades brasileiras entre 1997 e 2000.

Segundo o estudo, o homem fumante tem cinco vezes mais chance de ter um infarto que o não-fumante. Os riscos provocados pelo comportamento superam inclusive histórico familiar de doença cardiovascular. Estudo recente do Hospital do Coração (HCor), de São Paulo, apontou que também jovens entre 20 e 40 anos estão tendo mais problemas cardiovasculares, como infartos. Segundo Ricardo Pavanello, supervisor de cardiologia do HCor e autor do estudo, os casos nesta faixa etária já representam, em média, 12% do total. Há dez anos, esse número não passava de 6%. As razões, segundo o médico, são estresse associado ao fumo e a outros fatores de risco, como peso acima do ideal.

Para evitar sustos, a melhor conduta é a prevenção. Consultas regulares ao médico são essenciais para medir pressão arterial, controle de peso, orientação nutricional, além de avaliação física. “Homens sem histórico familiar de doenças cardiovasculares podem visitar o médico a cada cinco anos até completar 40 anos e uma vez por ano a partir dessa idade”, orienta José Carlos Nicolau, diretor da Unidade Coronariopatia Aguda do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Incor). Já para quem tem histórico familiar, a frequência deve de ao menos uma consulta por ano.

A visita regular é necessária inclusive para serem identificados os fatores de risco. Talvez o paciente ainda esteja na fase pré-clínica do problema e seja possível evitar o pior. Nesta fase 1 a pessoa demonstra poucos sintomas, explica o cardiologista Dikran Arnaganijan, diretor da Promoção de Saúde Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Na fase 2, a doença já se instalou, e os sintomas começam a aparecer – dor no peito, falta de ar, palpitações, insuficiência cardíacas, isquemias, dores de cabeça. Na fase 3, ocorrem as dores agudas, sinal de complicações cardiovasculares severas.

Infelizmente, a prevenção masculina começa apenas quando o homem está na fase 2, ou, até mesmo na 3. São comuns relatos de pacientes que sentiram cansaço repentino, uma dor de cabeça extremamente forte ou ainda uma falta de ar intensa e só no hospital, depois de exames, descobriram que tinham alguma doença cardiovascular.

O comportamento preventivo ajuda, porém não afasta as chances de o problema aparecer. Um em cada dois homens pode ter alguma doença cardiovascular depois dos 60 anos. “Por isso que manter uma dieta saudável, fazer exercícios físicos regulares e deixar de fumo são importantes. Mas, às vezes, ainda é insuficiente e o médico precisa indicar o uso de medicamentos para, por exemplo, manter o colesterol em bons níveis”, diz Nicolau, do Incor

Fontes:
Ministério da Saúde
Hospital do Coração
Sociedade Brasileira de Cardiologia

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil