Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 10 > Brasil incentiva ações e campanhas para garantir pré-natal a gestantes

Saúde

Brasil incentiva ações e campanhas para garantir pré-natal a gestantes

Saúde da família

Consultas e exames realizados durante a gestação ajudam a evitar problemas de saúde de mães e bebês
por Portal Brasil publicado: 10/10/2011 15h43 última modificação: 28/07/2014 12h50
FAMERP/Radiologia Diagnóstica O teste rápido de sífilis congênita está sendo implantado na Atenção Básica do Ministério da Saúde

O teste rápido de sífilis congênita está sendo implantado na Atenção Básica do Ministério da Saúde

O acompanhamento pré-natal é essencial para garantir uma gestação saudável e um parto seguro e também para esclarecer as dúvidas das futuras mães. Com o objetivo de melhorar o acesso, a cobertura e a qualidade desse atendimento, o Ministério da Saúde lançou, em 2000, o Programa de Humanização do Pré-Natal e Nascimento (PHPN). Ele incentiva as gestantes a buscarem o Sistema Único de Saúde (SUS) e estabelece que sejam realizadas, no mínimo, seis consultas: uma no primeiro trimestre de gravidez, duas no segundo e três no terceiro. Em todas elas, o médico deve medir a pressão arterial, o tamanho da barriga e o peso da futura mãe e também escutar o coração do bebê.

"O pré-natal diminui os riscos de complicações e mantém o bem-estar da mãe e do feto", afirma a ginecologista Carolina Ambrogini, coordenadora do Projeto Afrodite de Sexualidade Feminina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Com as consultas e exames, é possível identificar problemas como hipertensão, anemia, infecção urinária e doenças como a Aids e a sífilis, que podem prejudicar a gravidez e a formação do bebê.

Além disso, durante esse acompanhamento, a gestante recebe informações sobre cuidados importantes, como aleitamento materno, alimentação balanceada e a prática de exercícios físicos. Com relação aos exames, o indicado para uma gravidez sem complicações são os testes de sangue, glicemia, urina, sorologia anti-HIV (que identifica presença do vírus da Aids), sífilis, hepatites B e C,  toxoplasmose, rubéola e estreptococo. Durante o pré-natal, o médico também pode indicar a necessidade de a grávida tomar vacinas contra hepatite, gripe e dT (dupla adulto contra difteria e tétano) e realizar exames de sangue para verificar os níveis dos hormônios da tireoide, que regulam o organismo da mãe e o desenvolvimento do feto.

No caso das gestantes com fator Rh negativo, também é importante realizar o exame de sangue Coombs indireto, que verifica se o organismo dela está produzindo anticorpos contra o sangue de bebês Rh positivos. Esse problema é conhecido como doença hemolítica perinatal, causada pela incompatibilidade entre os sistemas sanguíneos materno e fetal. Em caso positivo, a grávida toma uma dose da vacina Rhogam por volta da 28ª semana de gestação e outra até 72 horas após o parto. Geralmente, a doença não apresenta complicações na primeira gravidez, mas nas gestações seguintes pode provocar anemia, icterícia e até quadros de insuficiência cardíaca ou hepática na criança.

É possível ainda que sejam solicitados outros exames, mais específicos, se a gestação for de alto risco, ou seja, quando a mãe apresenta condições como obesidade, diabetes, problemas cardíacos e histórico de aborto, por exemplo. "Nesses casos, o pré-natal requer maior atenção e a gestante deve ser encaminhada para hospitais ou centros de saúde que possam cuidar melhor da gestação. Mas isso é avaliado e indicado pelo obstetra", complementa Rosiane Mattar, membro da Comissão de Gestação de Alto Risco da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).

O governo federal criou o programa Rede Cegonha, que será ligado ao SUS e irá disponibilizar vale-transporte para que elas compareçam às consultas do pré-natal e realizem os exames essenciais. Quem fizer o acompanhamento completo receberá também um vale-táxi para ir à maternidade. O programa ainda oferece novos exames, como o teste rápido de gravidez e sífilis e a ampliação do número de ultrassonografias – atualmente, o SUS paga cerca de 10% dos exames e passará a pagar 100%. Para gestações de alto risco, o Rede Cegonha também prevê novos exames, como a cardiotocografia, que avalia a frequência cardíaca do bebê, e eletrocardiograma, que detecta alterações cardíacas da grávida.

A meta do Governo é levar as ações inseridas na Rede Cegonha a todo o país até 2014. O cronograma de implantação priorizará as regiões com os mais altos índices de mortalidade materna e infantil e as de maior concentração de gestantes.

Fontes:

Programa de Humanização
Ministério da Saúde
Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia
Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Supercomputadores irão garantir qualidade a atendimentos do SUS
Equipamentos vão ampliar em até 10 vezes armazenamento de dados e melhorar controle de qualidade dos serviços públicos de saúde
Governo investe R$ 443 milhões na fabricação de medicamentos biológicos
Por meio de Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PPD), remédios serão produzidos por laboratórios públicos e empresas privadas
Cartilha orienta consumidores sobre prazos para atendimento por planos
Agência Nacional de Saúde Suplementar divulgou cartilha sobre prazos de atendimento a serem respeitados por planos de saúde
Equipamentos vão ampliar em até 10 vezes armazenamento de dados e melhorar controle de qualidade dos serviços públicos de saúde
Supercomputadores irão garantir qualidade a atendimentos do SUS
Por meio de Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PPD), remédios serão produzidos por laboratórios públicos e empresas privadas
Governo investe R$ 443 milhões na fabricação de medicamentos biológicos
Agência Nacional de Saúde Suplementar divulgou cartilha sobre prazos de atendimento a serem respeitados por planos de saúde
Cartilha orienta consumidores sobre prazos para atendimento por planos

Últimas imagens

Os 69 planos de saúde suspensos somam cerca de 692 mil beneficiários
Os 69 planos de saúde suspensos somam cerca de 692 mil beneficiários
Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Os remédios são voltados para artrite, doenças autoimunes, oncologia, crescimento e neutropenia
Os remédios são voltados para artrite, doenças autoimunes, oncologia, crescimento e neutropenia
Fábio Pozzebom/Agência Brasil
Bronzeadores são sujeitos ao registro, já bronzeadores simulatórios e os ativadores de bronzeado são isentos
Bronzeadores são sujeitos ao registro, já bronzeadores simulatórios e os ativadores de bronzeado são isentos
Divulgação/Anvisa
Novos equipamentos representam redução de gastos e melhoria da gestão da saúde
Novos equipamentos representam redução de gastos e melhoria da gestão da saúde
Foto: Erasmo Salomão/Ministério da Saúde
A quantidade de Caps no País cresceu 1.479,7% entre 1998 (148) e 2016 (2.338)
A quantidade de Caps no País cresceu 1.479,7% entre 1998 (148) e 2016 (2.338)
Arquivo/EBC

Governo digital