Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 10 > Diagnóstico precoce diminui riscos de perda de visão em crianças

Saúde

Diagnóstico precoce diminui riscos de perda de visão em crianças

por Portal Brasil publicado: 10/10/2011 16h46 última modificação: 28/07/2014 12h50

Pesquisas feitas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que, se não forem tomadas iniciativas de alcance mundial, em 2020 existirão no mundo 75 milhões de pessoas cegas e mais de 225 milhões de portadores de baixa visão, ou seja, incapazes de desempenhar grande número de tarefas cotidianas devido à deficiência visual.

Ainda segundo a OMS, cerca de 40% das causas de cegueira infantil são evitáveis ou tratáveis. As doenças sistêmicas como sarampo, rubéola e meningite, ferimentos na cabeça ou problemas visuais não detectados no nascimento e nos primeiros anos da vida escolar são preveníveis com vacinas. “Ainda há outras disfunções como a toxoplasmose, transmitida por alimentos preparados de forma inadequada, e a toxocaríase, causada por parasitas que podem ser evitadas por meio de políticas de saúde pública e orientação às gestantes”, alerta a oftalmologista Dorotéia Matsuura, do Hospital Oftalmológico de Brasília (HOB).

As doenças que podem causar cegueira sempre emitem sinais que podem ser percebidos pelos pais ou diagnosticados em consultas médicas. Todo quadro febril, dores de cabeça ou no pescoço, acompanhado de manchas vermelhas na pele, tosse, coriza ou conjuntivite, deve ser considerado suspeito, independentemente da situação vacinal ou da idade.

Algumas doenças relacionadas à má-formação ocular não têm tratamento, mas podem ser atenuadas por adaptações ópticas e não ópticas que proporcionem à criança suporte para a aprendizagem e o desenvolvimento intelectual. De acordo com Dorotéia Matsuura, entre as más-formações tratáveis estão a ambliopia ou "olho preguiçoso", causada por estrabismo, alto grau de refração e cataratas unilaterais. “Todas permitem o bom desenvolvimento ocular quando a atenção e os cuidados dos responsáveis levam à intervenção e à solução precoce”, esclarece.

Além disso, algumas doenças oculares podem ser detectadas quando a criança nasce, como o teste do olhinho, feito ainda no berçário. Em um quarto escuro, um feixe de luz é emitido pelo aparelho chamado oftalmoscópio e, quando não há nenhum obstáculo à visão, a luz vai até a retina e ao ser refletida, faz com que o examinador perceba um reflexo vermelho. “A ausência desse reflexo é um indicador de que pode haver alguma alteração congênita e o caso deve ser melhor investigado a partir desse teste”, explica.

Em 2008, foi sancionada a Lei n° 4.189/2008, tornando obrigatória a realização do Teste do Olhinho no Distrito Federal.


Fonte:
Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital