Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 10 > Hospital federal no Rio celebra 30 anos da criação de unidade de transplante de rins

Saúde

Hospital federal no Rio celebra 30 anos da criação de unidade de transplante de rins

por Portal Brasil publicado: 20/10/2011 11h14 última modificação: 28/07/2014 12h50

O Hospital Federal de Bonsucesso (HFB) comemora nesta quinta-feira (20) os 30 anos da criação da Unidade de Transplante Renal, com a realização de mais de 1.850 procedimentos. Somente este ano foram 101 transplantes de rim realizados. Para a ocasião, está programado um evento que contará com homenagens e a participação de profissionais da unidade, pacientes transplantados, doadores e seus familiares.

A Unidade de Transplante Renal possui 16 leitos pós-operatórios e uma equipe multidisciplinar com 30 médicos (entre nefrologistas, urologistas e cirurgiões vasculares), 43 profissionais de Enfermagem, dois assistentes sociais e um psicólogo.

“O Hospital Federal de Bonsucesso é um grande centro transplantador com destaque nos cenários estadual e nacional. No estado do Rio, o HFB ocupa o primeiro lugar na realização de transplantes renais e, no ranking do Brasil, ocupa a quarta colocação. Os resultados também são de excelência, quando comparados aos principais centros de transplante do mundo”, destaca o diretor-geral Flávio Silveira.

O transplante renal no HFB teve início em 1981, por iniciativa de médicos do Serviço de Nefrologia, visando oferecer aos pacientes em diálise uma perspectiva de melhora na qualidade de vida e sobrevida. “Começamos a transplantar devido à demanda de pacientes que atendíamos com insuficiência renal. Eles ficavam o tempo inteiro em diálise e acabavam morrendo sem uma perspectiva maior”, explica a coordenadora geral de transplantes do Bonsucesso, a nefrologista Deise De Boni Monteiro de Carvalho.

Os avanços possibilitaram à equipe realizar, em 1987, o primeiro transplante renal infantil. Atualmente, o HFB é a única unidade no Rio de Janeiro que realiza esse tipo de cirurgia em crianças. Em termos gerais, a unidade atende, hoje, mais da metade da fila de espera para transplante de rim no Rio de Janeiro, que é de cerca de três mil pessoas. O número de transplantes varia conforme o número de doadores falecidos. As cirurgias são realizadas sempre que há o doador morto e, semanalmente, é feita uma cirurgia programada com doador vivo.

Atualmente, no estado do Rio, além do HFB, somente os hospitais universitários Pedro Ernesto e Antônio Pedro realizam o procedimento. Para fazer o transplante, os pacientes necessitam ser referenciados pelo serviço de diálise da unidade ou serviços de outros hospitais.


Fonte:
Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital