Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 10 > SUS já pode fazer cirurgia para tratar efeito colateral de antirretrovirais em Pernambuco

Saúde

SUS já pode fazer cirurgia para tratar efeito colateral de antirretrovirais em Pernambuco

por Portal Brasil publicado: 10/10/2011 13h35 última modificação: 28/07/2014 12h50

A partir desta segunda-feira (10), duas unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) em Recife (PE) passam a realizar cirurgias para tratar efeitos colaterais – como a lipodistrofia, caracterizada pela perda ou acúmulo de gordura no corpo e na face – de medicamentos antirretrovirais.

De acordo com o Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, inicialmente, serão oferecidos 250 procedimentos por ano a pacientes soropositivos cadastrados em um dos 19 Serviços de Assistência Especializada (SAE).

O Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira deverá realizar cirurgias no corpo e na face, enquanto o Hospital Universitário Oswaldo Cruz fará procedimentos apenas na face. A expectativa é que o serviço seja ampliado para os municípios de Caruaru e Petrolina a partir de junho de 2012.

A perda ou o acúmulo de gordura são provocados por mudanças no metabolismo do paciente e podem ocasionar problemas estéticos e psicológicos, prejudicando a adesão ao uso de antirretrovirais. O objetivo do tratamento, segundo o ministério, é recuperar a autoestima do paciente.


Fonte:
Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes

Últimas imagens

Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Arquivo/Agência Brasil
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Arquivo/Ministério da Saúde

Governo digital