Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 11 > AGU assegura decisão da Anvisa de liberar produção de remédio para depressão

Saúde

AGU assegura decisão da Anvisa de liberar produção de remédio para depressão

por Portal Brasil publicado: 30/11/2011 16h04 última modificação: 28/07/2014 12h49

A Advocacia-Geral da União (AGU) garantiu, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), a liberdade da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para conceder autorização de produção do remédio Lexapro, utilizado no tratamento da depressão, por diversas empresas, inclusive como medicamento genérico. A decisão reflete-se diretamente na Política Nacional de Medicamentos Genéricos e Similares, sob responsabilidade da agência.

Em agosto deste ano, o Departamento de Contencioso da Procuradoria-Geral Federal (Depcont) e a Procuradoria Federal junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (PF/Anvisa) já haviam conseguido decisão favorável contra a empresa Lundbeck Brasil Ltda., que moveu ação para proibir a Anvisa de liberar a produção do remédio por outras empresas. A alegação era de que a empresa produziu dossiê com os resultados de testes sobre o medicamento para entregar à Anvisa e isso exigiu investimentos vultosos. A liberação, portanto, poderia causar prejuízos aos negócios.

As unidades da AGU sustentaram que ao contrário do alegado, outras empresas não poderiam ter acesso aos dossiês e testes realizados pela Lundbeck, pois as empresas candidatas à obtenção de registro para medicamento similar têm que realizar seus próprios testes. Logo, os estudos clínicos já realizados não seriam necessários para o registro de medicamentos genéricos e similares.

“Em outras palavras, baseada na defesa da saúde da população, a Anvisa somente concede registro sanitário de produto a empresas que, por meio de detalhada e exaustiva documentação dotada de teor científico, venham a demonstrar que seu medicamento atende às exigências mínimas de eficácia, qualidade, necessidade e segurança terapêuticas, ainda que isto implique na apresentação de dados confidenciais”, dizia a defesa da AGU.

A Advocacia-Geral destacou também que proibir a Anvisa de exercer seu papel de regular a produção de medicamentos no País, poderia causar grave lesão à saúde, ordem e economia públicas, pois restringiria o desenvolvimento das políticas públicas de saúde e de assistência farmacêutica.

Além disso, não cabe o argumento da Lundbeck de que gastou muito para fazer os testes do medicamento, pois isso é exigido por lei e representa ônus inerente ao próprio risco do negócio.


Entenda o caso 

Incialmente, a 7ª Vara Federal de Brasília havia proibido a Anvisa de autorizar outras empresas a produzir o Lexapro de maneira similar ou genérica.

Para reverter a posição de 1ª instância, a AGU entrou com recurso no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) e, posteriormente, no STJ. Os procuradores da AGU explicaram que a sentença da 7ª Vara Federal de Brasília “ampliou arbitrariamente o prazo de proteção do medicamento, a despeito de toda a legislação a respeito dos genéricos”. A decisão foi suspensa, mas a empresa recorreu ao STJ.

Considerando a defesa da AGU, por maioria de seis votos a um, a Corte Especial do STJ decidiu negar o recurso da Lundbeck Brasil e manteve a decisão favorável à Anvisa.

O Departamento de Contencioso, a PRF1 e a PF/Anvisa são unidades da Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU.


Fonte:
Advocacia-Geral da União

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mais de 196 milhões de consultas foram realizadas nas unidades básicas de saúde em 2016
Neste ano o Ministério da Saúde pretende ampliar esses serviços a partir de mudanças que estão sendo formuladas
Prontuário eletrônico dos pacientes do SUS deve ser implantado em todo país até final de 2018
Ministro da Saúde apresenta balanço da economia feita desde que assumiu a pasta
Farmácia Popular vai receber mais R$ 80 milhões por ano para a compra de medicamento
Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas são beneficiadas por mês com a iniciativa
Neste ano o Ministério da Saúde pretende ampliar esses serviços a partir de mudanças que estão sendo formuladas
Mais de 196 milhões de consultas foram realizadas nas unidades básicas de saúde em 2016
Ministro da Saúde apresenta balanço da economia feita desde que assumiu a pasta
Prontuário eletrônico dos pacientes do SUS deve ser implantado em todo país até final de 2018
Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas são beneficiadas por mês com a iniciativa
Farmácia Popular vai receber mais R$ 80 milhões por ano para a compra de medicamento

Últimas imagens

Para essa faixa etária orientação é esquema com três doses, com intervalo de zero, dois e seis meses
Para essa faixa etária orientação é esquema com três doses, com intervalo de zero, dois e seis meses
Foto: Rodrigo Nunes/MS
Medida foi possível após realocação dos R$ 100 milhões destinados à Rede Própria do Farmácia Popular
Medida foi possível após realocação dos R$ 100 milhões destinados à Rede Própria do Farmácia Popular
Arquivo/Ministério da Saúde
Homens têm mais diabetes, colesterol elevado, obesidade e pressão alta
Homens têm mais diabetes, colesterol elevado, obesidade e pressão alta
Olival Santos/Governo de Alagoas
Programa ainda conscientiza os pais sobre a importância da participação no acompanhamento da gravidez
Programa ainda conscientiza os pais sobre a importância da participação no acompanhamento da gravidez
Divulgação/Prefeitura de Itanhaém (SP)

Governo digital