Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 11 > Ceará vai reforçar vacinação para alcançar status de estado livre da aftosa

Saúde

Ceará vai reforçar vacinação para alcançar status de estado livre da aftosa

por Portal Brasil publicado: 23/11/2011 17h04 última modificação: 28/07/2014 12h49

Classificado como de risco médio para a febre aftosa, o estado do Ceará pretende melhorar o seu status sanitário e alcançar o título de livre da doença com vacinação nos próximos anos. Os governos do estado e federal vão preparar medidas para imunizar cerca de 2,5 milhões de cabeças que são criadas no estado.

O assunto foi discutido na semana passada durante uma reunião entre o Departamento de Saúde Animal (DSA) do Ministério da Agricultura e o governo do estado. O reforço deve começar com a contratação de 61 profissionais, entre médicos veterinários e engenheiros agrônomos, além de 79 técnicos, que vão atuar na Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adagri). A medida vai garantir a expansão da rede de unidades veterinárias locais. Paralelamente, o ministério oferecerá cursos de reciclagem para os fiscais agropecuários que já atuam no serviço estadual.

Segundo do diretor do Departamento de Saúde Animal (DSA) do Mapa, Guilherme Marques , as medidas darão condições para o estado sanar a maioria das deficiências apontadas em auditoria do ministério realizada este ano.

Assim que o Plano de Ação definido for cumprido, o governo cearense poderá solicitar uma nova avaliação para a sua possível inclusão no grupo de estados – Maranhão, Piauí, Pernambuco e o Norte do Pará – que está na fase mais avançada para o estudo soroepidemiológico com vistas à obtenção do reconhecimento de zona livre de aftosa com vacinação junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

“Em Alagoas ocorreu um acordo semelhante recentemente. Agora, a nossa preocupação maior é com o Rio Grande do Norte e a Paraíba, que ainda se encontram em situação de atenção especial”, declara.


Fonte:
Ministério da Agricultura 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital