Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 11 > Cidade paulista de Mauá tem maior bicicletário das Américas

Saúde

Cidade paulista de Mauá tem maior bicicletário das Américas

por Portal Brasil publicado: 03/11/2011 11h24 última modificação: 28/07/2014 12h49

A cidade de Mauá, na Grande São Paulo, tem o maior bicicletário das Américas. A ideia foi posta em prática em 2001, por causa da demanda crescente dos usuários que iam de bicicleta até a estação de trem. A capacidade do estacionamento chega a 1,7 mil veículos. No início, cabiam apenas 200 bicicletas.

A ideia de construir o bicicletário foi do chefe da estação de trem de Mauá, Adilson Alcântara. “Os usuários do trem deixavam as bicicletas amarradas na cerca da estação e eu, como chefe, tinha que providenciar a retirada dos veículos”, conta.

O sucesso da experiência atraiu atenção internacional. “Isso aqui leva meu nome para o mundo inteiro. É motivo de orgulho para mim. Já recebemos pessoas da Alemanha, dos Estados Unidos e do Japão”, ressalta Alcântara, que é presidente da Ascobike, organização não governamental que administra o bicicletário.

A iniciativa excedeu a função inicial de apenas guardar as bicicletas e passou a oferecer outros serviços, como manutenção, assistência social e jurídica. “Quando nós montamos o bicicletário, fizemos de uma maneira bem simples. Aí, foram aparecendo as necessidades impostas pelos usuários.”

Os usuários apontam as diversas vantagens em trocar os transportes convencionais pela bicicleta. “Além do esporte [praticado ao pedalar], tem também a economia. Porque eu tenho que pegar duas conduções e, como está muito caro, o bicicletário tem essa opção para a gente”, destaca a cabeleireira Elisângela Marques, que paga R$ 15 por mês para ter direito de deixar a bicicleta no local.


Fonte:
Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital