Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 11 > CNPq sedia evento sobre pesquisa na área de saúde

Saúde

CNPq sedia evento sobre pesquisa na área de saúde

por Portal Brasil publicado: 25/11/2011 19h33 última modificação: 28/07/2014 12h49

O 1º Encontro Elsa-Brasil: Alcances e Possibilidades, promovido pelo Ministério da Saúde (MS), foi realizado, nesta quarta-feira (23), na sede do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI), em Brasília. O evento teve o objetivo de discutir os principais aspectos do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (Elsa), suas perspectivas e resultados. A pesquisa pretende investigar a incidência e os fatores de risco para doenças crônicas, em particular, as cardiovasculares e o diabetes.

O diretor de Cooperação Institucional do CNPq, Manoel Barral Netto, destacou a parceria entre os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e da Saúde. “O CNPq é parceiro do projeto desde o início e para a entidade é gratificante participar desse processo. O Elsa é um grande esforço e reforça a parceria com o Ministério da Saúde”.

O secretário de Atenção a Saúde, Alberto Beltrame, enfatizou a seriedade do estudo. “É preciso prevenir complicações e diagnosticar fatores de risco das doenças crônicas não transmissíveis”. O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Carlos Gadelha, ressaltou que dos 126 Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs), 53 são da área da saúde, e reafirmou a importância de integrar a política nacional de saúde. “A soma de esforços pactuando uma rede de Ciência e Tecnologia é muito necessária. A agenda será pautada pelas necessidades da sociedade”.

Olhar no futuro

O Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto acompanha atualmente mais de 15 mil servidores, entre 35 e 74 anos de idade, ativos e aposentados, pertencentes a seis instituições de ensino e pesquisa de vários estados, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Rio de Janeiro, a Universidade Federal da Bahia (UFBa), Salvador, a Universidade Federal do Espírito Santo (UFSC), Vitória, a  Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, e a Universidade de São Paulo (USP), São Paulo.

O projeto é uma iniciativa inédita para conhecer melhor os fatores que influenciam os diversos aspectos associados ao desenvolvimento das doenças, e tem financiamento do CNPq e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCTI), e do Ministério da Saúde, por meio da Secretaria de Ciência e Tecnologia.

Para saber mais informações sobre o Elsa, basta acessar o site do CNPq,ou na página do estudo.

Fonte:
CNPq

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Expectativa é que o remédio, considerado mais seguro e de ação rápida, esteja disponível já em 2018
Insulina análoga será ofertada no tratamento de crianças com diabetes
Os recursos são destinados para custeio e melhoria do atendimento do Samu em municípios de todas as regiões
Samu recebe reforço federal de R$ 33 milhões
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital