Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 11 > Erradicação da aftosa é prioritária para Mercosul, afirmam ministros do bloco

Saúde

Erradicação da aftosa é prioritária para Mercosul, afirmam ministros do bloco

por Portal Brasil publicado: 23/11/2011 19h15 última modificação: 28/07/2014 12h49

A erradicação da febre aftosa é prioritária para os países que formam o Conselho Agropecuário do Sul (CAS). A declaração foi assinada nesta quarta-feira (23) pelos ministros Julián Domínguez (Argentina), Nemesia Achacollo (Bolívia), Mendes Ribeiro Filho (Brasil), José Antonio Galilea (Chile), além do vice-ministro de Agricultura do Uruguai, Daniel Garín, e do diretor Planejamento Rural do Ministério da Agricultura (Paraguai), Pánfilo Alberto Ortiz. Os ministros e seus representantes participam da 21ª Reunião Ordinária do Conselho Agropecuário do Sul (CAS), em Brasília (DF).

No encontro, os integrantes reforçaram o apoio ao Paraguai para que o país supere satisfatoriamente a situação e recupere a condição de livre de febre aftosa com vacinação, no menor tempo possível. O representante do ministro paraguaio apresentou, durante o encontro, relatório sobre a situação da febre aftosa naquele país. Pánfilo Ortiz fez uma apresentação sobre as causas e consequências do surto da doença no Paraguai, no último mês de setembro.

O ministro da Agricultura do Brasil,  Mendes Ribeiro Filho, atual presidente pro tempore do CAS, disse que os colegas de pasta propõem às autoridades paraguaias que recebam os profissionais do Comitê Veterinário Permanente para desenvolver atividades inerentes a melhoria do status sanitário. “As enfermidades, em especial a febre aftosa, não reconhecem fronteiras e colocam em risco toda a região, por isso a coordenação das ações para consolidar os avanços alcançados nos últimos anos”, afirmou.

Outro assunto da declaração foram as negociações agrícolas internacionais entre os ministros e representantes do CAS. Eles acreditam que o comércio internacional desempenha importante função no desenvolvimento econômico e no alívio da pobreza, componentes para a solução da insegurança alimentar que enfrentam os países em desenvolvimento.

De acordo com Mendes Ribeiro Filho, a falta de avanços na negociação agrícola da Rodada de Doha, lançado há mais de 10 anos, é preocupante. “Os ministros do CAS consideram indispensável a conclusão da negociação agrícola e a eliminação de toda forma de subvenções a exportação em 2013. Desta forma, será possível reduzir substancialmente a ajuda interna e melhorar as condições de acesso a mercados”, complementa.

Fonte:

Ministério da Agricultura

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
O Ministério da Saúde está trabalhando para diminuir a espera por cirurgias eletivas, aquelas que não são emergências
Mutirão já realizou mais de 33 mil cirurgias no país
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital