Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 11 > Estudo do Ministério da Saúde aponta queda da natalidade no País

Saúde

Estudo do Ministério da Saúde aponta queda da natalidade no País

por Portal Brasil publicado: 01/11/2011 18h40 última modificação: 28/07/2014 12h49

O estudo Saúde Brasil 201, lançado anualmente pela Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde, concluiu que o total de nascimentos no País passou de 3,2 milhões no ano 2000 para 2,8 milhões em 2009, ou seja, aproximadamente 320 mil nascimentos a menos no período de nove anos.  A publicação faz uma análise da situação de saúde dos brasileiros, e as conclusões norteiam a formulação de ações e políticas públicas de saúde. Outro ponto abordado no estudo foi que as gestantes aumentaram o número de consultas pré-natal e de cesáreas.

O estudo constatou que as mães com menos de 20 anos de idade representaram 20% do total de nascimentos. Já aquelas com mais de 30 anos representaram 26,7%. A diferença é maior se considerados os municípios de maior porte, com 500 mil habitantes ou mais: os nascimentos de mães adolescentes representaram apenas 16% do total, enquanto que os de mães com 30 anos ou mais superaram 32%

De acordo com os dados da publicação, a proporção de mães com nenhuma consulta pré-natal reduziu no País de 4,7% para 1,8%, entre 2000 e 2009. “Este aumento tem sido considerado um dos principais indicadores de acesso e qualidade da atenção à saúde da mulher e da criança”, destaca o diretor de Análise de Situação da Saúde do Ministério da Saúde e coordenador da publicação, Otaliba Libânio. As conclusões do Saúde Brasil 2010 estão sendo apresentadas e discutidas durante a 11ª Mostra Nacional de Experiências Bem-Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças (Expoepi), que vai até a próxima quinta-feira (3), no Centro de Convenções Ulisses Guimarães, em Brasília (DF).

A Rede Cegonha, estratégia lançada pelo Ministério da Saúde em março deste ano, tem o objetivo de ampliar o acesso das gestantes aos serviços de saúde como também melhorar a qualidade da atenção às crianças até o segundo ano de vida do bebê. A rede também prevê uma assistência mais humanizada no Sistema Único de Saúde (SUS) e o direito ao parto natural sem o excessivo intervencionismo ou indicação médica.

Houve crescimento da proporção de mães que declararam ter realizado sete ou mais consultas durante a gestação, em todas as regiões do País. O melhor indicador está na região Sul, que passou de 65,3% para 80,5%, entre 2000 e 2009, nos municípios com mais de 500 mil habitantes. Já a menor freqüência está na região Norte, que subiu de 38,2% para 42,3% no mesmo período.

Em 2000, a proporção de nascidos vivos de mães que não realizaram nenhuma consulta de pré-natal, segundo porte de município de residência da mãe, era expressiva: em locais com menos de 100 mil habitantes, o índice era mais elevado (6,2%) que em municípios com mais de 100 mil habitantes (3,4%).

Partos

O percentual de partos cesáreas aumentou no Brasil, passando de 38% em 2000 para 50,1% em 2009. “A operação cesariana, quando adequadamente indicada, traz benefícios à gestante e ao recém-nascido. Mas, o uso indiscriminado dela pode implicar em riscos para a mãe ou a criança”, alerta Otaliba Libânio.

Nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, observam-se elevadas proporções de parto cesáreo (superiores a 50%). Já nas regiões Norte e Nordeste, são marcadas as diferenças segundo porte: nos municípios de menor porte, um pouco mais de 30% dos partos são cesáreos, enquanto que nos municípios de maior porte a proporção de partos cesáreos supera 50%  Outro indicador abordado no Saúde Brasil se refere ao nascimento de crianças com baixo-peso, que passou de 7,7% em 2000 para 8,4% em 2009. Em 2009, o percentual de nascidos com baixo peso variou de 9,4% nos municípios de maior porte a 7,4% nos de menor porte, sendo esses percentuais maiores nas regiões Sul e Sudeste, independente do porte populacional.

Segundo Otaliba Libânio, o aumento do percentual de cesarianas quando relacionado ao aumento do baixo peso ao nascer e da prematuridade (principalmente, nos municípios de maior porte populacional) pode indicar um excesso de intervenções durante a atenção ao parto com procedimentos que, muitas vezes, não apresentam indicação médica e que trazem, como consequência, complicações para o recém-nascido.


Fonte:
Ministério da Saúde

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Mais de 196 milhões de consultas foram realizadas nas unidades básicas de saúde em 2016
Neste ano o Ministério da Saúde pretende ampliar esses serviços a partir de mudanças que estão sendo formuladas
Prontuário eletrônico dos pacientes do SUS deve ser implantado em todo país até final de 2018
Ministro da Saúde apresenta balanço da economia feita desde que assumiu a pasta
Farmácia Popular vai receber mais R$ 80 milhões por ano para a compra de medicamento
Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas são beneficiadas por mês com a iniciativa
Neste ano o Ministério da Saúde pretende ampliar esses serviços a partir de mudanças que estão sendo formuladas
Mais de 196 milhões de consultas foram realizadas nas unidades básicas de saúde em 2016
Ministro da Saúde apresenta balanço da economia feita desde que assumiu a pasta
Prontuário eletrônico dos pacientes do SUS deve ser implantado em todo país até final de 2018
Atualmente, cerca de 10 milhões de pessoas são beneficiadas por mês com a iniciativa
Farmácia Popular vai receber mais R$ 80 milhões por ano para a compra de medicamento

Últimas imagens

Para essa faixa etária orientação é esquema com três doses, com intervalo de zero, dois e seis meses
Para essa faixa etária orientação é esquema com três doses, com intervalo de zero, dois e seis meses
Foto: Rodrigo Nunes/MS
Medida foi possível após realocação dos R$ 100 milhões destinados à Rede Própria do Farmácia Popular
Medida foi possível após realocação dos R$ 100 milhões destinados à Rede Própria do Farmácia Popular
Arquivo/Ministério da Saúde
Homens têm mais diabetes, colesterol elevado, obesidade e pressão alta
Homens têm mais diabetes, colesterol elevado, obesidade e pressão alta
Olival Santos/Governo de Alagoas
Programa ainda conscientiza os pais sobre a importância da participação no acompanhamento da gravidez
Programa ainda conscientiza os pais sobre a importância da participação no acompanhamento da gravidez
Divulgação/Prefeitura de Itanhaém (SP)

Governo digital