Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 11 > Governo vai enfrentar superlotação nas emergências e falta de leitos nos hospitais, diz presidenta

Saúde

Governo vai enfrentar superlotação nas emergências e falta de leitos nos hospitais, diz presidenta

por Portal Brasil publicado: 16/11/2011 15h53 última modificação: 28/07/2014 12h49

A presidenta Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira (15), no programa de rádio Café com a presidenta, que através dos programas, Melhor em Casa e SOS Emergências, o governo vai enfrentar, dois dos principais problemas da saúde pública: a superlotação nos prontos-socorros e a falta de leitos nos hospitais.

Segundo a presidenta, o SOS Emergência vai começar pelos prontos-socorros de 11 hospitais de referência, mas, até 2014, serão cerca de 40 emergências atendidas em todos o País.

“Para esse programa dar certo, precisamos melhorar a gestão dos hospitais e o treinamento das equipes. E, para isso, vamos contar com a parceria dos melhores hospitais do País, aqueles que são chamados de hospitais de excelência. Mas a gente sabe que não se resolve o problema da qualidade do atendimento somente melhorando os prontos-socorros.”

Em relação ao programa Melhor em Casa, Dilma disse que o objetivo é oferecer a segurança e o cuidado do hospital no conforto do lar, onde o paciente terá o carinho da família e menor risco de infecções. Para implantar esse programa, o governo vai investir R$ 1 bilhão até 2014. Serão contratadas mil equipes de Atenção Domiciliar e mais 400 de apoio. E quando as mil equipes estiverem habilitadas, segundo a presidenta, 60 mil pacientes serão atendidos em casa.

“Nós decidimos oferecer o tratamento domiciliar para humanizar o serviço público de saúde. Esse projeto é ainda mais positivo para os idosos, principalmente com o aumento da expectativa de vida no País. Vamos atender, em suas próprias casas, os doentes crônicos, os pacientes que estão em recuperação de cirurgias e as pessoas em processo de reabilitação motora”, explicou. A presidenta esclareceu ainda que os médicos vão indicar o tratamento domiciliar dependendo do caso de cada paciente. Mas opção de aderir ao programa será sempre do paciente e de sua família.

Ela lembrou que “o Brasil é o único País com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um sistema universal, público, gratuito e, que nós queremos, de qualidade”. Segundo a presidenta, dos 190 milhões de brasileiros, 145 milhões dependem do SUS.

“Sabemos que é uma tarefa enorme, mas nós vamos enfrentar esse desafio, porque os brasileiros e as brasileiras merecem uma saúde de qualidade.”

Ouça aqui o programa de rádio Café com a Presidenta.

 

Fonte: Blog do Planalto

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Número de brasileiros no Programa Mais Médicos aumentou
Em um ano, aumentou 44% a participação de médicos brasileiros no Programa Mais Médicos. Expectativa do governo é substituir 4 mil profissionais em três anos
Governo amplia recursos para UPAs 24h
Ministério da Saúde amplia em R$ 93 milhões os recursos para UPAS 24 horas. O investimento será usado para pagar e qualificar os serviços ofertados à população
Campanha do Outubro Rosa conscientiza sobre o câncer de mama. Pacientes do Rio de Janeiro contam como encontraram apoio no SUS
Quase 58 mil casos de câncer de mama foram diagnosticados no Brasil
Em um ano, aumentou 44% a participação de médicos brasileiros no Programa Mais Médicos. Expectativa do governo é substituir 4 mil profissionais em três anos
Número de brasileiros no Programa Mais Médicos aumentou
Ministério da Saúde amplia em R$ 93 milhões os recursos para UPAS 24 horas. O investimento será usado para pagar e qualificar os serviços ofertados à população
Governo amplia recursos para UPAs 24h

Últimas imagens

A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
A cada ano, as vacinas influenza sazonais são modificadas para proteção contra estirpes virais em circulação
Arquivo/Ministério da Saúde
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Com a globalização, vírus do sarampo e rubéola, endêmicos na Europa, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Andre Borges/Agência Brasília
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Vírus do sarampo e rubéola são endêmicos em países europeus e, com a globalização, podem voltar a circular no Brasil
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas
Cícero Oliveira/UFRN

Governo digital