Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 11 > Recursos do governo para enfrentamento às drogas são insuficientes, diz CNM

Saúde

Recursos do governo para enfrentamento às drogas são insuficientes, diz CNM

por Portal Brasil publicado: 07/11/2011 20h30 última modificação: 28/07/2014 12h49

Uma pesquisa divulgada nesta segunda-feira (7) pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) aponta que os recursos federais e estaduais para o financiamento de ações necessárias para o enfrentamento às drogas ainda são pequenos. Para a CNM, o governo federal ainda investe pouco nessa área. 

O relatório atesta que mesmo com poucos recursos e problemas como insuficiência da rede de assistência ao usuário de drogas, carência de profissionais na área de saúde com especialidade em dependência química, "são os próprios municípios que atendem, sozinhos, as demandas da sociedade".

De acordo com a pesquisa, na execução orçamentária do Ministério da Saúde de 2011 verificou-se que todos os programas que se referem a drogas estão com verbas zeradas. Ainda, segundo o relatório, somente duas ações relacionadas à saúde mental têm recursos disponíveis, e mesmo assim "não é possível identificar se os recursos são para ação referente às drogas ou à própria política de saúde mental", aponta o documento.

Em 2010, foram autorizados R$ 124 milhões para a gestão da política nacional sobre drogas. Segundo o estudo, desse montante, R$ 90 milhões foram empenhados e R$ 5,3 milhões foram efetivamente pagos. 

Em 2011, foram autorizados R$ 33,6 milhões. Até o momento, foram empenhados R$ 6,3 milhões, dos quais foram pagos R$ 4,7 milhões.

Ainda segundo a pesquisa, os estados de Minas Gerais, do Rio Grande do Sul, Piauí e Rio de Janeiro são os que investem mais no desenvolvimento de políticas antidrogas.

Fonte: 

Agência Brasil 


Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
A parceria entre instituições públicas e privadas para a produção de medicamentos garante que o SUS tenha uma atuação mais ampla na prevenção e no combate a doenças, como febre amarela, HIV e leucemia
Parcerias podem oferecer remédios mais baratos a toda população
Atualmente, dos quase 43 mil postos espalhados pelo País, cerca de 16 mil já estão conectados à plataforma DigiSUS
Informatização de todas as unidades básicas é uma das principais metas do Ministério da Saúde
Público-alvo da nova campanha de vacinação, que segue até 22 de setembro, compreende 47 milhões de crianças e adolescentes de até 15 anos
Campanha vai imunizar 47 milhões de crianças e adolescentes

Últimas imagens

Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Nos locais onde há Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), iniciativa do SUS, risco de suicídio reduz em até 14%
Arquivo/Agência Brasil
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Recursos permitem custeio de procedimentos de atenção básica e de Média e Alta Complexidade
Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Levetiracetam também será incorporado para tratar de pacientes com epilepsia mioclônica juvenil
Arquivo/Ministério da Saúde

Governo digital