Você está aqui: Página Inicial > Saúde > 2011 > 12 > Diferenças regionais são vistas como maior desafio para a Copa na área da saúde

Saúde

Diferenças regionais são vistas como maior desafio para a Copa na área da saúde

por Portal Brasil publicado: 14/12/2011 14h34 última modificação: 28/07/2014 12h48

As diferenças regionais e a integração entre os diversos órgãos ligados à saúde foram apontados como os principais desafios da área na preparação para a Copa do Mundo da Fifa 2014 durante a quinta reunião da Câmara Temática de Saúde, realizada na segunda-feira (12), na sede da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), em Brasília.

"Temos um País de dimensão continental e com cidades-sede nas cinco regiões. São realidades diferentes e algumas cidades têm um conhecimento maior de grandes eventos e uma rede mais estruturada, outras precisam de mais investimentos", explica Adriano Massuda, diretor de Programas do Ministério da Saúde e coordenador geral da Câmara Temática de Saúde.

Segundo o diretor, o mundial será uma oportunidade para que o ministério antecipe investimentos na rede de atenção à saúde que já são necessários. "Estamos fazendo um estudo das necessidades de cada região e aliaremos isso às demandas da Copa. Nenhum investimento será feito exclusivamente para o evento, mas haverá atenção especial para os recursos que servirão aos dois propósitos", explicou.

Dentro do planejamento para a preparação da Copa do Mundo, os técnicos do ministério estão visitando as cidades-sede para mapear as situações e necessidades. Até o inicio de 2012, segundo Adriano Massuda, deve ser definida uma matriz de responsabilidade com o detalhamento das obrigações da União, estados e municípios. "O Sistema Único de Saúde já funciona de forma descentralizada, com os municípios responsáveis por executar as políticas, os estados pela regionalização e a União por financiar e definir as diretrizes" explica.

 

Fonte:
Ministério do Esporte

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Missão Transplante

Últimos vídeos

Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Medicamentos biológicos são produtos inovadores para o tratamento de doenças crônicas, como câncer, diabetes, artrite reumatoide e esclerose múltipla
Fábrica de medicamentos biológicos é inaugurada no DF
Recursos serão distribuídos entre 48 hospitais das cinco regiões
Governo libera R$ 220 milhões para hospitais universitários de todo o País
Consumo de medicamentos de cada estado e município, proximidade da data de vencimento e outras perguntas serão respondidas com a criação de uma base que integra as informações dos sistemas de estados e municípios ao sistema nacional
Base integra informações dos sistemas de medicamentos dos estados e municípios

Últimas imagens

Soro
Divulgação/Prefeitura de Campo Verde (MT)
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
País vai tratar 657 mil pessoas a partir de 2018. Pacientes com quadros mais grave da doença terão prioridade
Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde

Governo digital